domingo, 1 de junho de 2014

Um Oriente muito sofrido


Sempre gostei da Corrida do Oriente e a prova disso é o facto de hoje ter participado pela 8ª vez. Desde que me iniciei no mundo da corrida, apenas não estive presente na edição de 2008.

E o Oriente foi marcante em várias alturas, nomeadamente na 1ª vez que aí corri, 2006, onde baixei pela primeira vez da barreira da hora (59.16) ou a inesquecível edição de 2009 que marcou o meu regresso às corridas após a fractura do pé e uma paragem forçada de 6 meses. 

Hoje também ficou para a minha história como a corrida número 300, apesar de não ter corrido bem.


Como tenho relatado, os últimos tempos não têm sido fáceis e aquele problema intestinal, supostamente causado pelo antibiótico para a infecção do dente (o que parece afinal não ter sido a causa), regressou e em força. 
Para quem nos últimos dias se andou a "desfazer" na casa de banho, e em especial 5 vezes nas últimas 12 horas antes duma corrida, já se sabe que a parte muscular em especial e todo o físico em geral ficam demasiado afectados.

E assim foi a minha corrida. Comecei no ritmo possível, aos 3 kms os músculos começaram a arder e deu-se uma grande luta interna com o físico a implorar para parar e a cabeça a solicitar para continuar. Não é fácil estar a correr e constantemente a ouvir "Pára! Não pára! Pára! Não pára!"
Aos 4,5 cheguei para o pé do passeio com a intenção de andar um pouco mas a força mental não o permitiu e combinei comigo próprio que antes dos 5 não. Depois antes dos 6 não, antes dos 7 não, mas aos 7 os pés começaram a ficar dormentes e a sentir muitas tonturas. Aí, não tive outro remédio que seguir a andar. 


Agradeço a quem passou e deu palavras de ânimo e deu sinais de preocupação. Entretanto aos 9 a Marta e Sandra passaram e passado uns segundos decidi retomar o passo de corrida e ainda as apanhei mas na aceleração para a meta atrasei-me.

E foi assim. Algo está mal e não compreendo mas tem que ser visto. Fui enganado pela associação causa/efeito do antibiótico mas haverá outro motivo.

No domingo estou inscrito para a Meia-Maratona da Figueira da Foz mas ou recupero rapidamente ou não irei pois assim não a conseguirei fazer.

Para comemorar condignamente o facto de ter chegado às 300 corridas, amanhã à noite sairá um artigo a propósito.


Quanto à corrida em si, Hermano Ferreira alcançou o seu 4º triunfo nos últimos 5 anos e 3º consecutivo (30.56), enquanto Cláudia Pereira bisou a vitória do ano passado em 35.58

Classificaram-se 1.538 atletas, menos 231 que o record de 2011 mas sendo que o calendário tem um número cada vez maior de ofertas. Dos 1.538 atletas, 269 são femininas (17,5%)

Este ano deu-se uma alteração ao local de chegada e a prova esteve com o excelente nível organizativo com que sempre nos habituaram. Realce para os dois reabastecimentos, muito útil quando o calor começa a apertar.
No final, todos os atletas receberam a tradicional caneca. 




As minhas 7 canecas (em 2006 ainda não davam)

26 comentários:

  1. Apesar de todas as dificuldades, um tempo em torno da 1h para esta distância não está nada mal, a provar que a força mental é imparável. Mas o importante agora é perceber o que se passa para se conseguir a recuperação plena. As melhoras rápidas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, Fiona, tenho que perceber o que se passa

      Beijinhos

      Excluir
  2. Quando te vi hoje ias embalado (por volta do km 8), nunca pensei que alguma coisa ainda poderia estar mal. De qualquer forma mais uma, 300 :)

    As melhoras João, um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não seria de certo km 8 mas sim antes do 7 :)

      Obrigado e um abraço

      Excluir
    2. Sinceramente nem sei bem, por essa altura andava completamente perdido à procura de onde tinha estacionado carro (se esta cabeça já está assim aos 24 anos... :)

      um abraço

      Excluir
    3. He he, agora imagina a minha cabeça com mais 30 anos... :)
      Provavelmente viste foi no último km onde tornei a correr e estava a ver se apanhava a Marta.

      Um abraço

      Excluir
  3. Tu és um grande campeão, um atleta com H grande, um homem que não vira a cara à luta e nunca desiste! És o meu herói, corredor de pelotão que dá tudo pela corrida! As tuas 300 provas são um exemplo, como é um exemplo o teu blogue e tudo o que tens feito em prole da corrida para todos.
    O mundo seria bem melhor se mais mulheres e homens tivessem o teu carácter, a tua generosidade, a tua frontalidade e a tua solidariedade.
    Infelizmente muito enveredam pela calúnia, estúpida, absurda, anónima e cobarde. Para mim não passam de uns vermes (com o meu pedido de desculpa aos vermes) e alem disso são estúpidos porque não tem a noção do que é o spam e que é tão simples descartar o lixo virtual sem sequer o ler!
    Tens de dar tempo ao tempo para recuperares a “máquina” e veres o que se passa com ela mas tu vais voltar a correr em grande forma e fala a minha experiência de 34 anos de ligação com a corrida onde já subi aos céus mas também escalei a pulso a saída de vários infernos!
    Tu és “grande” João Lima!
    Forte, emotivo e sentido abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem palavras Jorge!!!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. As melhoras, João! :(
    Trata da saúde e depois trata dos kms, que eles não perdem pela demora. :)
    Beijinhos grandes
    Força!

    ResponderExcluir
  5. Podes não estar em pleno da tua condição fisica, mas olha tudo aquilo que já conseguiste?!?!!? Tudo com força garra e determinação. E acima de tudo, nunca desistir quando parece que tem tudo para dar errado.
    Por isso, esta fase é isso mesmo apenas mais uma fase e quando passar estarás de volta em grande.

    Beijinhos e as melhoras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Marta

      Beijinhos e força para este mês!

      Excluir
  6. Grande João, sempre na luta. Parabéns pelas 300...incrível e fantástico, e isto para quem corre à poucos anos!!!
    E toca a aprofundar a razão desses "desarranjos" para resolver a coisa de uma vez por todas e puderes voltar a correr feliz da vida.
    E agora já falta menos uma para as 500 - tenho dito :)
    Grande abraço e as melhoras

    ResponderExcluir
  7. João, sem saúde não há corrida! Por isso, cuida-te bem, para que possas desfrutar os longos anos que ainda tens pela frente.
    Parabéns pela "caneca" no Oriente!
    Beijinhos e as melhoras!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns amigo! Parabéns pela tua persistência e espírito de sacrifício. Muito pouca gente teria continuado até ao fim.
    Agora tens é que tratar de ti.
    Beijinhos grandes e melhoras rápidas!

    ResponderExcluir
  9. As melhoras, João.
    Por vezes a causa é simples, outras vezes, nem por isso, outras ainda a soma de vários factores, que se não atempadamente acompanhados parece que se vão alimentando e aumentando...
    Assim, vê lá o que se passa ( eu a dar conselhos sou o máximo, já a segui-los...).
    Seja como for, nesse estado e ainda acabares a prova e a rondar a hora só prova a fibra de corredor que tens!
    As melhoras, abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Hélder

      Um abraço

      Excluir
    2. Força João!
      Esta má fase vai passar.
      Boa meia da Figueira da Foz, vais de certeza recuperar até lá.

      Abraço

      Excluir
    3. Obrigado Vítor mas da maneira como a coisa está a não evoluir, é cada vez mais certo que não irei à Figueira

      Um abraço

      Excluir
  10. Caramba João, que raio de problema esse que até deve dar para ter saudades do tempo da fractura. Ao menos aí sabia o que tinha e quanto tempo ia ficar sem correr. Nestas altura só me ocorre partilhar as sábias palavras do Schuller: Tough times never last, but tough people do.
    O João é dos duros e há-de ultrapassar isto.
    Abraço
    Ricardo_A

    ResponderExcluir
  11. Como te percebo, a diarreia dá cabo de nós.. Na ultima semana também sofri com isso, parece que nos suga a energia.. Realmente andas a atravessar tempos complicados, mas a coisa vai melhorar de certeza. Espero que consigas pelo menos sentir-te fisicamente apto para a Figueira, mesmo que não te sintas em forma. Pode ser que dês a volta por cima, como eu dei no Luxemburgo. Às vezes basta uma boa corrida, mesmo que lenta, para nos devolver à vida. Força João, estou contigo!

    PS - Estou sinceramente a puxar por ti, as tuas palavras no meu post da maratona deixaram-me sentido. Espero mesmo que recuperes até à Figueira!

    ResponderExcluir