quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Este fantástico ciclo de 2 anos

A última meta por agora. Lá para Março haverá mais. Muitas mais

Disse que fazia aqui um balanço do que foi este biénio, que terminou hoje com o último treino, mas nem sei o que dizer.

Não venho aqui envaidecer de tudo o que consegui mas apenas orgulhar do que conquistei e que nunca esteve nos meus sonhos mais selvagens.

Eu gosto é de correr, sentir a liberdade de o fazer e ter aqueles momentos muito meus. Quem não corre, pergunta bastas vezes em que se pensa enquanto se corre. Há mesmo quem se interrogue como aguento treinar 30 quilómetros completamente a solo. Mas, como disse, são momentos meus, muito meus, e em que se pensa em tudo e nada. E também é bom termos momentos sem pensamentos. 

Corra a realizar tempos fantásticos ou fracos, o que me dá realmente prazer é ir por aí fora. É para isso que corro, não para dizimar marcas. Mas tal como já atravessei desertos de grandes marcas, e atenção que refiro sempre o termo grande limitado às minhas capacidades, é natural que se estou capaz de ir atrás de outros tempos, é lógico e natural que o faça. 

E foi isso que sucedeu nestes últimos 2 anos. Inicialmente pensei em pico de forma mas um pico de forma não dura tanto. Consegui chegar a outro nível de prestação. Razões que justifiquem este facto, quando até o avançar da idade o contrariaria, não esquecer que estou a caminhar em passo acelerado para os 60, há e uma é a fundamental. Treino, muito treino!

Por vicissitudes da vida, passei a ter todo o tempo para treinar. E quanto mais treino, correctamente planeado como é bem entendível, melhor condição!
É legítimo dividir em duas fases esta minha vida nas corridas. Até final 2015 e de 2016 em diante. Atente-se nestes quadros:


Até 2015
Depois 2015
Variação
Mais Km num ano
1.556,381
2.316,163
+ 48,8 %
Mais Km num mês
181,037
256,121
+ 41,5 %

Como se vê, até final 2015 não passava do milhar e meio de quilómetros, enquanto esse valor passou para 2.204 km em 2016 e 2.316 em 2017 (só não passando os 2.400 por não poder correr nestes 18 dias finais do ano). Um aumento de quase 50%!

E mensalmente o máximo era 181 km, enquanto nestes 2 anos se tem situado constantemente acima das 2 centenas, com um pico de 256 em Agosto deste ano.

E o que deu este aumento? Um arrasar de records como passo a descrever:

Distância
Record até 2015
Record actual
Variação
42.195
5.02.13
4.41.40
-20.33
30.000
3.14.47
2.52.21
-22.26
21.097
1.56.35
1.51.26
-5.09
20.000
1.49.25
1.45.48
-3.37
15.000
1.20.20
1.16.40
-3.40
10.000
50.08
48.19
-1.49
5.000
24.22
23.44
-0.38
3.000
13.53
13.46
-0.07
1.000
3.57
3.54
-0.03
400
1.20
1.18
-0.02

Alguns destes records tinham já uma longa barba, os mais antigos de 2007. De assinalar o dos 10 km que lutei 10 anos para quebrar a barreira dos 50 minutos. O da Meia também me parecia ser muito difícil ser batido e já o foi por mais de 5 minutos. 

Como sabemos, nos primeiros anos alcançam-se vários, pela natural evolução, e depois começam a rarear. Ora atente-se neste quadro de records por ano. Contrariando o tal rarear, neste biénio alcancei 23 novos máximos! 
E se acabei 2016 a interrogar-me, perante as novas marcas, como iria agora conseguir bater mais algum, em 2017 foram 13 novos, o que me levou a concluir que o melhor seria deixar de pensar e prever, ir apenas ao sabor do momento adaptando-me a cada nova situação.

Ano
Total
42
30
21
20
15
10
5
3
1
0.4
2006
4





4




2007
9


3
2
3
1




2008
1









1
2009
2








2

2010
5








5

2011
2





1
1



2012
8
1
2




1


4
2013
3









3
2014
0










2015
2



1



1


2016
10
1
2
1
1
1
1
1
1
1

2017
13
1
4
1
1
3
1
1


1
Total
59
3
8
5
5
7
8
4
2
8
9

Hoje, quando finalizei o treino, soube que este ciclo tinha chegado ao fim. E chegou ao fim em plena forma. Não há, nem pode haver, espaço para lamentações ao estilo "que pena, estava tão bem", apenas pode existir espaço para orgulho de tudo o que foi feito e agradecimento por nada de impeditivo tenha sucedido.

Acabo um ciclo mas sei que outro virá. Como será? Não sei. Não vou dizer que ainda farei melhor ou que não o farei. Apenas posso garantir que será sempre em pleno prazer e alegria de corrida.

Se tudo correr da melhor forma com as intervenções cirúrgicas, estarei novamente a correr a meio de Março. E mal posso esperar!

Um grande agradecimento a todos pelo vosso sempre constante apoio!