quinta-feira, 30 de junho de 2016

A 44 Km da metade


Concluída hoje a primeira metade do ano (* a propósito desta afirmação, ver nota final), altura para o balanço dum desafio que lancei a mim próprio.

Não sei se estão recordados mas a 3 de Janeiro publiquei os objectivos para o ano e terminava com um que dizia: 
"Ao longo de 2015 somei 1.556 km, o ano onde mais corri (entre treinos e provas). Pois gostava de chegar aos 2.000 km em 2016. Sim, sim, sei que são mais 444 km duma assentada, mas se pensarmos em termos diários, dá cerca de 1.213 metros a mais por dia. 
É um objectivo mais ao estilo "fait divers" e que não irá prejudicar os outros mas que seria giro conseguir."

Não foi apenas porque era giro mas veio na sequência de aumentar a carga de treinos, agora que tenho toda a disponibilidade para o fazer. 

O máximo que corri num ano foram 1.556 em 2015 e 1.555 em 2013, ora 2 mil quilómetros implica um aumento de 28,5% mas devidamente estruturado.
Chegue ou não a essa marca, a intenção é correr mais e melhor (e os resultados assim o estão a comprovar).

Até final de 2015, o mês com maior distância tinha sido de 180,030 Km. Pois este ano já houve dois meses que passaram as duas centenas: Janeiro com 221,191 e agora Junho com 200,497.

No entanto, e como terminámos o semestre, para estar em média para os 2 mil teria que já ter atingido os mil, o que não sucedeu pois estou a 43,973 km (o total vai em 956,027).
E a razão prende-se com o mês de Fevereiro onde a contractura no gémeo direito fez-me estar parado 3 semanas (em cima da Maratona de Barcelona) e perder cerca de 130 quilómetros.

Tenho estado a recuperar esse saldo negativo e penso que início de Agosto estará totalmente coberto. 
No entanto, e como se viu, basta uma pequena paragem para perder muito, com a consequente demora a recuperar.

Não sei se vou atingir os 2 mil mas sem qualquer lesão penso que ultrapassarei. E também não vou colocar qualquer objectivo em risco por ele. É apenas uma marca mas o estar atrás dela ajuda naqueles dias que o treino está a custar, obrigando a continuar.
E chegue ou não, o actual máximo de 1.556 Km será facilmente ultrapassado, a menos que surja algo grave.

Antes de terminar, fazendo a comparação com o período homólogo de 2015, realça o facto de em 6 meses já ter corrido cerca de 220 quilómetros mais. E os resultados estão a aparecer...
De referir que os 956 Km foram de 249 em 18 corridas e 707 em treino. 

Nunca corri tanto quilómetro como agora mas há quilómetros que são muito especiais. O mais especial do ano foi, sem qualquer dúvida, o da fotografia que encima este artigo, o último quilómetro na Maratona de Barcelona!


* A propósito da afirmação 'metade do ano', para ser purista, apenas é verdadeira se pensarmos em termos de semestres pois em termos de dias, o verdadeiro meio do ano é às 24 horas de 2 de Julho pois assim ficam cumpridos 183 dias e a faltar outros 183. Em ano não bissexto, a metade dá-se às 12 horas de 2 de Julho (182,5 dias cada metade)

10 comentários:

  1. Força João. Que as lesões andem longe para que também esse objectivo seja alcançado em 2016.

    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  2. Portanto...falta uma maratona...

    Força com os objectivos.



    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Contabilidade excelentemente feita, só falta mesmo chegar a 31 de dezembro e 2000 km nas pernas... e no coração! Siga para objetivo que a vontade que tens já é o teu verdadeiro alento. ;) Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Força!
    A mim tantos números já me fazem confusão pois como sabes estou reformado e só quero é curtir! :)
    Aquele abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu também curto com estes números :)

      Um abraço

      Excluir
  5. Óh pá tenho que te pedir para me fazer uma estatística dos meus treinos e kms, houve um ano que tentei mas, perdi-me a meio e acabei por fazer uma grande confusão...
    Acho que estás realmente em grande e deves festejar e aproveitar, deus te conserve assim, beijinho

    ResponderExcluir