segunda-feira, 15 de abril de 2013

A terrível natureza humana

Incapaz de expor um raciocínio lógico, devido ao choque que me encontro, não quero deixar de dirigir o meu pensamento às vítimas da barbaridade de Boston.

O ser humano tanto é capaz das acções mais fraternas em prol de outros, como duma maldade sem limites, transformando-se no pior dos selvagens.

22 comentários:

  1. Respostas
    1. Não é e desconheço o que isto irá implicar no futuro destes grandes eventos internacionais

      Excluir
  2. Já estive em locais onde ocorreram atentados pelos mais diversos motivos e embora o medo seja algo que está presente, sempre que estamos em locais como esses, é preciso perceber que é precisamente a capitalização desse medo o grande intúito de quem perpetra esse tipo de acções.

    É um exercício de crescimento pessoal e civilizacional perceber, contextualizar e desvalorizar esse medo. Nisso, os britânicos são exímios, com o seu "carry on", que recentemente anda a ser prevertido e banalizado neste país de brandos costumes.

    "Carry on", que para o ano, há maratona de Boston. :)

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que haverá Boston em 2014. Quando disse que desconhecia o que iria implicar, referia-me ao à vontade com que se anda poder ser limitada, estilo aeroportos.

      Excluir
    2. Nisso, desde o 11 de Setembro, os aeroportos americanos deixaram de se parecer com estações da rodoviária nacional, para se assemelharem mais a aeroportos europeus... quanto muito, poderá haver mais precauções na organização, um trabalho mais incisivo por parte da polícia, etc. :)

      Excluir
    3. As minhas desculpas mas neste momento não estou com capacidades analíticas

      Excluir
    4. João, não tens que pedir desculpas por seres, como um jogador de bola uma vez disse, "humano como as pessoas". :)

      Eu também fiquei enraivecido / afectado, combalido, quando soube. Isto, para nós, corredores, ataca algo que nos é muito querido: a corrida. É o mesmo tipo de sensação que tínhamos em miúdos quando um pulha qualquer nos roubava ou tirava um brinquedo do qual gostávamos muito. Perante a brutalidade e irracionalidade do acto e queremos nós buscar justificações para tal, andamos em raciocínio circular toldados pelas emoções durante uns tempos.

      Mas não obstante, são oportunidades de crescimento pessoal :)

      Certamente, daqui a alguns dias ou mesmo amanhã, já todos conseguiremos olhar para este acontecimento da melhor forma como ele merece ser olhado: um episódio de bullying civilizacional :)

      Abraço

      Excluir
    5. Num acontecimento destes, com perda de vidas humanas, não consigo entender a "oportunidade de crescimento".
      Tudo o que eu tiver que crescer que seja à minha custa e não da desgraça alheia.

      E tenho que dizer isto, pois ficava mal comigo próprio, também não consigo entender os smiles neste assunto.

      É uma questão de minha sensibilidade.

      Excluir
    6. São formas de sentir o mesmo acto diferentes. Compreendo, respeito e percebo perfeitamente. Uma das razões que me levou a seguir os teus post, foi precisamente a tua extrema sensibilidade pelos diversos aspectos da corrida. Embora eu pareça um bocado "rústico" a analisar certos acontecimentos, é apenas uma forma diferente de olhar as coisas.

      A internet / blogs , etc. são espaços em que a comunicação é mais pobre do que presencialmente. Eu uso os smileys não num sentido de transmitir leveza na minha mensagem, mas para significar empatia, ou seja, que estou a tentar compreender atentamente cada palavra que é escrita.

      Excluir
  3. "When I was a boy and I would see scary things in the news, my mother would say to me, 'Look for the helpers. You will always find people who are helping.' To this day, especially in times of disaster, I remember my mother's words and I am always comforted by realizing that there are still so many helpers — so many caring people in this world." Fred Rogers

    (Desculpa o inglês, mas está no original)

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Ninguém consegue ficar indiferente a um ato destes.
    Isto é uma tragédia mundial.

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. A tal natureza humana... capaz do melhor ou disto (aconselho a leitura do comentário de "Corre como uma menina")

      Excluir
  6. É maldade pura, não percebo...
    Ainda hoje estava a comentar que gostava de ir a esta prova, agora tenho mesmo a certeza que quero ir

    ResponderExcluir
  7. SÃO REALMENTE COISAS QUE CUSTAM A PERCEBER , COMO É POSSIVEL...MAS A VIDA TEM QUE CONTINUAR , AFINAL TEMOS QUE HONRAR AQUELES QUE PARTIRAM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exacto, cabe-nos honrar os que partiram!

      Excluir
  8. João, a maldade humana não tem limites.

    Sabemos o quanto foi importante cortar aquela meta naquele dia, foram meses, semanas a fio de treino, sacrifício e disciplina para poder chegar aquele "instante" em que se corta a meta. Ninguém devia morrer num dia assim tão glorioso, não há ideologia, nem religião, nem regime, nem ditadura que mereça ser aplaudida por um acto tão cobarde e nojento. O terrorismo alimenta-se do medo mas morrerá ás mãos dos bons e dos justos!

    ás vitimas a nossa solidariedade e as nossas preces

    desistir nunca !!
    abraço

    ResponderExcluir