terça-feira, 16 de abril de 2013

A cultura do ódio

Basta passar os olhos em qualquer site desportivo e ler os comentários para vir ao de cima todo o descarregar de ódio em relação a outros. Festeja-se mais os desaires dos "inimigos" do que as suas próprias vitórias, tudo numa linguagem a exalar violência. Onde se promove o estatuto de anti mais fortemente do que pro.

Se isto é em assuntos de desporto, o tal que deveria ser uma escola de virtudes, imagine-se noutros temas. Cresce-se a odiar alguém porque é diferente, tem outra cor, sexo, bandeira, seja lá o que for.

Promove-se a cultura do ódio no dia a dia, bastas vezes com simples palavras ou gestos. E como tudo que se cultiva, cresce, de seguida ficamos espantados por adolescentes entrarem aos tiros numa escola ou por alguém colocar bombas junto a uma linha de chegada, vitimando quem estava a realizar o seu sonho.

Só nos resta combater essa cultura, sem ódio mas com a força da paixão em cada uma das nossas acções. Devemos isso a todas as vítimas de ontem ou de qualquer outra situação.

7 comentários:

  1. Muito bem resumido João.

    E quando estamos a falar de desporto, entristece-me muito, quando assitimos permanentemente ao achincalhar, atacar, guerrear e mais adjectivos negativos e provocadores poderia arranjar, para me referir aos comentários a que permanentemente estamos sugeitos a ler e ouvir.

    Hoje em dia a facilidade com que publicamente expomos uma ideia é brutal...maior liberdade->maior responsabilidade e tratar os demais como gostamos que nos tratem...assim deveria ser sempre.

    Paixão sempre e em tudo o que fazemos, mas direccionada ao positivismo e respeito pelos outros e pelas ideias diferentes das nosssa.

    Um dia, quem sabe...talvez a gente lá chegue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo excelente contributo, Nuno.

      Quando referes a facilidade com que se expõem ideias, faz-me recordar uma passagem do filme "A culpa humana" (The human stain) onde às páginas tantas uma senhora de idade diz "O problema é que hoje em dia as pessoas estão cada vez mais opiniosas... mas ao mesmo tempo mais estúpidas!"

      Um abraço, Nuno

      Excluir
  2. Lamento muito os inocentes mas, saberemos quem são os inocentes????
    Acho que nestes casos são poucos os inocentes, a grande maioria tem culpas no cartório.....
    Eu sinto-me culpada porque sou humana e erro muito.
    beijinho

    ResponderExcluir
  3. A via do ódio está muito ligada ao facilitismo e à incapacidade para lidar com o medo. É muito mais fácil odiar do que amar. Numa cultura de descomprometimento, de relativização, o radicalismo e o extravasar do medo através de acções violentas é cada vez mais frequente. São sempre estes dois factores que me parecem sempre presentes: incapacidade em lidar com o medo (por parte de quem faz o ataque) e a escolha da via mais fácil (seja para passar uma mensagem, por inveja, etc.).


    Mas sempre que acontece uma brutalidade como a de Boston, um número cada vez maior de pessoas condenam tais actos e comprometem-se a trabalhar mais para dizer que o caminho é precisamente o oposto. Isto, pelo menos a mim, tranquiliza-me.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo excelente contributo

      Um abraço

      Excluir
  4. Concordo plenamente. Eu desisto de ler as caixas de comentários de certas notícias (e às vezes mesmo certas notícias tendenciosas) para não peder a fé na humanidade...
    Reconforta-me mais ver os actos espontâneos de generosidade que despontam na maioria das pessoas em reacção a acontecimentos destes.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens toda a razão. Ler a maioria dos comentários dos sites noticiosos é mesmo de perder a fé na humanidade!

      Beijinhos

      Excluir