terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Quando a realidade supera os melhores sonhos


 
É duma felicidade extrema ter pessoas assim para partilhar este momento que foi vivido por todos!

Estou há cerca de 10 minutos a olhar para um ecran branco e a imaginar com que letras o vou preencher. Letras que formam palavras. Palavras que transmitem sensações mas que dificilmente serão fiéis ao que passei no domingo.
Como explicar tudo? E nesta dúvida comecei finalmente a escrever e, conhecendo como me conheço, provavelmente quem queira ler este meu texto também vá precisar de resistência de maratonista!

Tal como uma rosa tem espinhos, os sonhos podem originar pesadelos. Foi o que aconteceu na véspera, em que sofri um dia terrível a nível nervoso e de ansiedade.
Quem já tem umas boas maratonas no currículo, pode achar um exagero, mas para mim era o desconhecido completo e uma distância para a qual não tenho capacidades naturais. Só com muito trabalho, dedicação absoluta e uma vontade férrea em cumprir o sonho que me alimentou durante cinco anos e meio é que pude chegar aqui. E o sábado era o último dia antes de...
Se convinha dormir bem na noite de sexta para sábado, tudo se alterou ao acordar às 4.40 e não pregar mais olho. A isso, junte-se uma tensão alta, palpitações e tremeliques. Foi este o meu menu na véspera.

Domingo, o despertador apontava para as 6 mas às 5 já estava de olhos bem abertos. Cantarolei no duche mas para me convencer que estava mais calmo. Saída de casa às previstas 7.30, chegada ao estádio e nada como despachar o que tinha que ser feito, casa de banho para a qual já se formava uma relativa fila.

O dia nem por encomenda! Temperatura ideal, sem vento nem chuva. Até o São Pedro quis colaborar para que tudo saísse perfeito!

Pelo meio, muitos atletas e amigos desejavam-me boa sorte. O aperto vai aumentando. quero sair dali para respirar um pouco e encontro o Paulo Sousa que me cumprimenta, deseja felicidades e foi testemunha do meu ataque de pânico reprimido.

Respirei fundo. O Nuno avisou-me que antes é mesmo assim e depois de começar a correr passa. Fui então em passo de aquecimento até ao carro para deixar o fato de treino, acompanhado pela Isa e João Branco que iam participar no primeiro percurso das estafetas.

Antes da prova, o sorriso não disfarça tudo o que lá ia dentro!

Regresso e está na hora de formar para a partida. O tempo está a voar. O correr no aquecimento não deu para acalmar fosse o que fosse.

Tiro! Começou. Dei uns passos apertado na multidão que se dirigia para cruzar a linha de partida e pensei: "Acalma-te! Isto é o que sempre sonhaste, não estragues tudo!!!"
Mas uma ebulição não passa com um sopro mas sim lentamente.

O pelotão foi-se alongando e ia ouvindo gritos de incentivo por parte de quem me passava e de quem ladeava a estrada nos primeiros metros.

Faço aqui uma pequena pausa para explicar que esta minha participação tinha uma bem elaborada logística de grandes amigos que não quiseram deixar de marcar presença com o seu imprescindível apoio. De 5 em 5 kms estava sempre alguém a dar-me gel. Claro que poderia ter levado comigo, mas para mim foi muito importante dividir mentalmente a Maratona em etapas de 5 kms e saber que ia encontrar a pessoa x ao km y, o que foi uma óptima táctica.

E para sentir sempre a presença dum ombro amigo, tive atletas que se foram revezando para nunca me deixaram sós. Na partida foi o casal Sandra / Nuno, a Sandra para ir até aos 10 e o Nuno seria até à Meia. E digo seria porque já tinha manifestado intenção de poder seguir um pouco mais (e esse mais era pelo meu Adamastor recta até Algés e retorno)

Regressando à corrida, antes do primeiro quilómetro sou apanhado por outro estreante, Pedro Carvalho, a quem desejo a melhor sorte. E aí segue ele em bom estilo, enquanto nos juntámos ao José Magro e Artur Beja, com quem iríamos até ao retorno em Algés.

Já vamos no segundo quilómetro, na Gago Coutinho, quando questiono ao Nuno se era mesmo verdade com o correr os nervos passarem. Ele diz-me que vão passar mas o que é certo é que no estado que vou, as pernas mexem-se de forma rígida e não vou em boas condições. 

Jorge no abastecimento dos 5 kms. Quem sabe, nunca esquece

Entretenho-me com a subida para o Areeiro e já em plena Avenida de Roma chegam os 5 quilómetros e o primeiro abastecimento de gel, dado pelo Jorge Branco que, recordando-se do tempo que colaborou em diversas organizações, disse "a ver se me lembro como isto se faz". 

Passo a primeira vez pelo Gonçalo Seabra que irei apanhar mais vezes ao longo do percurso a tirar fotografias e a gritar-me "é hoje, João!" e de repente sinto a pressão a deixar-me, o corpo a descontrair, a passada a ficar natural e o prazer de corrida a aparecer. Estávamos nos 5, 5 kms e iria ter um período inacreditavelmente belo durante quase 25 kms. 

O alcatrão ia desaparecendo debaixo dos pés, o conta-quilómetros a aumentar sem esforço e o sonho a tomar forma.

Perto do Estádio do Sporting, passo por um atleta que tem escrito nas costas "57 anos, 244 Maratonas e agora avô". Cumprimenta-me. Era o Rui Cabral, o português com maior número de Maratonas. Meto-me com ele pelas 244 e esclarece-me que já são 251, ainda não tinha actualizado o número nas costas e que para a semana é mais uma na Holanda, onde reside. 
Se já pensava ser tão difícil fazer uma, agora que sei o que custa, mais me espanta este número!

O sorriso não engana. Tudo estava perfeito!

O cartaz amarelo "Força Pappi" 

E com os quilómetros a voarem, pouco antes dos 10 tenho a grata surpresa de ver o Rúben a filmar e a Joana a empunhar um cartaz, amarelo pois então, com "Força Pappi!". 
Cada vez mais bem disposto e a tirar um prazer enorme do momento, vou para passar o pórtico dos 10, passo pelo João Branco que já tinha feito a sua estafeta e vejo a Mafalda (que me deu o gel dos 10 kms), o Ricardo e a Isa. Pergunto-lhe pela sua estafeta e fico muito feliz quando soube que dizimou o seu record pessoal dos 10. Sempre lhe disse que vai longe! 
A Sandra ficou aí e até me esquecia de lhe agradecer quando parou!

10 kms e em grande!

Continuámos, enquanto o José Magro ia regularmente falando de comida, o que entretinha e divertia. Passo por uma estrangeira a quem dou um "thumbs up" (não se esqueçam dela). O espantoso é que nem dava pelo tempo passar. Aquela recta grande junto à linha de comboios, tanto apareceu como logo acabou e surgiu novamente o Jorge Branco a dar-me o gel dos 15, enquanto o Egas registava o momento para a posteridade. 

 E o Jorge voou dos 5 para os 15 para novo gel

Na José Malhoa novamente o Gonçalo Seabra a tirar mais fotos e novos incentivos.

Vejo a placa dos 16, passamos por uma alemã que aos 50 anos fazia a sua 50ª Maratona e aparece a placa dos 17. Comento ao Nuno " Nem dei por este quilómetro passar!". Quase de seguida, placa dos 18 e reforço "Os quilómetros estão a passar e eu nem os sinto" (não se esqueçam desta frase quando chegar aos 41...) e vamos descendo para os Restauradores.  Numa Maratona a noção de distâncias é muito diferente. Sinto-me muito bem mas tenho a preocupação de como irei reagir na recta que dá sempre cabo de mim. O Nuno irá até aos 21 e depois "pega ao serviço" a Lúcia. Mas dois são sempre melhor do que um e o Nuno já tem muita experiência de Maratona e pergunto-lhe um pouco a medo o que vai fazer. Diz-me que vai continuar até aos 35, o que é uma excelente notícia!

Quase a primeira metade concluída e o prazer e boa disposição cada vez melhores

Aos 20, e continuado a distribuir sorrisos, recebo o gel da Mafalda, a Lúcia junta-se, a Sandra exulta, e mais à frente a Isa e a Rute aplaudem (a Rute tinha terminado o 2º percurso da estafeta com um espectacular record pessoal aos 10. Outra atleta com imenso futuro!)

Os quilómetros seguintes foram de pura diversão e, pela primeira vez, nem dei conta daquela tão temida recta até Algés. Muitos e muitos atletas cruzavam e incentivavam-me, o que é uma força enorme. Alguns, nem os reconhecia! O Artur Beja comentava que tinha que passar a fazer as provas ao meu lado para ouvir aplausos! Foram momentos inesquecíveis.   
A Joana deu-me o gel dos 25 em Belém e testemunhou o quanto ia bem.

E ainda mais aos 25...

Começamos a aproximar do retorno e o gás começa a já não ter a mesma força. Vou dando uns toques no ombro do Nuno para ele não se entusiasmar com o andamento. A Lúcia vai controlando para se manter sempre ao meu lado.
Quase a darmos a volta no retorno, comento "acho que estou a entrar em crise". 
Fazemos o retorno e mais à frente, pumba! Nariz no muro!

Sempre disse que queria conhecer o que era isso do muro. Agora, já conheço mas... não é nada bom! 
Durou uns 3 quilómetros, período no qual cada levantar de pé para uma passada parece toneladas de esforço, a energia esgotada, uma sensação de fadiga extrema. Alturas houve que tive que andar. Colocava então uma meta, estilo "quando chegarmos àquele copo ali no chão, retomo". Doía ver como o copo se aproximava e tinha que retomar, mas chegado lá, ia buscar as forças ao sonho de entrar no estádio em direcção à meta, e corria. 
Uma vez cheguei mesmo a desabafar "eu não vou conseguir", ao que o Nuno e Lúcia me iam "batendo" mas logo de seguida estava a correr. Essa frase foi dita mais com a intenção de me provocar reacção. Ao ouvir essa frase que me agredia, reagi. E a Lúcia e o Nuno, ouviram dizer-me isso, vêm-me logo de seguida a correr e devem ter pensado que eu tinha pirado de vez!

Não é um sorriso. Já é um esgar de esforço em pleno muro

Entretanto, pouco depois do início do muro, já tinha passado pela Joana em Belém, gel dos 30 kms, que constatou que aquele que tinha passado aos 25, não tinha nada a ver com o dos 30...

Ao aproximar-nos dos 35, já corria o tempo quase todo, o muro tinha ficado para trás mas tinha acelerado o natural processo de fadiga. O Nuno ficou aos 35 kms, a Lúcia era para ter ficado mas estoicamente decidiu ir até ao fim, e entrou o ultra-maratonista Jorge Branco ao serviço, ele que tanto me aturou nos últimos meses, com todas as minhas dúvidas e receios.

A Mafalda transmite-me a sua força mas a cara diz tudo

Fomos uns pedaços a correr e uns bocadinhos a recuperar. Em plena Almirante Reis, a tal atleta a quem dei um "thumbs up", passou-me e retribuiu o mesmo gesto (mas a história com ela ainda não vai acabar aqui).
Comecei a sentir-me melhor e acreditei que não iria parar até ao final. Se assim fosse, algo por mim nunca imaginado iria acontecer, iria acabar com um tempo nas 4 horas, com cinquenta e tal minutos mas na casa das 4!
É então que começo a ser atacado com ameaças de cãibras, o que me obrigava a ter que andar uns metros, passar e retomar o andamento. Fui assim até aos 41.

Aí, senti ter esgotado toda e qualquer força, toda e qualquer energia. Andei um pouco mas o Gonçalo Seabra estava novamente a fotografar mais à frente e, conjuntamente com os seus acompanhantes, começaram a bater palmas ritmadas. Serviu como mola para retomar a corrida. 
Como uma simples palavra, um simples gesto, tem tanta importância aquando grandes esforços!

É então que chegámos à placa dos 41. A Lúcia aos pulos "João, 41!, João 41!, Falta um!!!" Lembram-se do que disse como os quilómetros estavam a passar que nem os notava por volta dos 16/18? Pois a minha reacção foi "Ainda um!!!" Completamente esgotado, um quilómetro não tem 1.000 metros, é quase uma Maratona em si!

Lá me fui aguentando, sabe-se lá como. Começa a cheirar a estádio! Curvamos para a Rio de Janeiro, o Pedro Carvalho, já maratonista, filma e incentiva. Começo a subir. Pessoal conhecido vem incentivar mas páro de repente, nova ameaça de cãibra! Sei lá se com os aplausos e gritos, passa logo e retomo. Curvo, entro no complexo e vejo ao fundo o portão para entrar para a pista! O Jorge a a Lúcia ficam ali mas ainda ouço o prometido grito do Jorge: "João Lima Maratonista!"

A sonhada entrada no estádio está a uma dezena de metros. Ao longe, Isa e Rute aplaudem

Todos os meus sonhos tinham a mesma imagem, entrar no estádio, dar a volta à pista e cortar a meta. Essa imagem estava à minha frente! Afinal as miragens realizam-se!

Aproximo-me do portão. Do lado direito a Isa e Rute aplaudem e gritam, no lado esquerdo o mesmo se passa com a Sandra e o Nuno. Interiormente, sorri, acenei, agradeci. Exteriormente, nada mais conseguia fazer do que canalizar as energias que já não tinha para as pernas.   

Cheguei à pista!

Estou em plena pista. Pela primeira vez após muitos últimos quilómetros, deixaram de me doer as palmas dos pés. Piso o tartan e parece que vou nas nuvens. À minha frente o Mayer Raposo e o Luís Oliveira. Na passada que levo, e que fui buscar não sei onde, não consigo reduzir e sou forçado a passá-los. Incentivam-me mas nem conseguir balbuciar o que quer que fosse. Se algum deles estiver a ler, compreende de certeza o que ali passamos.

Vou cortar a meta!

Acabei a curva, a meta está à minha frente e aproxima-se a cada passada. Ouço o Rúben, o Ricardo e mais vozes que não reconheci. A meta está ali! Eu, João Paulo Santos Lima, vou conseguir concluir uma Maratona! Eu, João Paulo Santos Lima, aguentei-me a correr durante 5 horas! Eu, dei uma lição a mim próprio! 
Levanto os braços. Meta. Vejo em frente a Mafalda e a Joana. Abraço-me a cada uma.  A Joana mostra-me outro cartaz amarelo "Dreams do come true!". Recebo os parabéns do Zé Gaspar e Carlos Viana Rodrigues da AMMA e António Campos da Xistarca.

Sou Maratonista!

Eu que sempre imaginei que não aguentasse as lágrimas na meta, estava com uma emoção tão mais forte que fiquei sem reacção. Absorvia tudo mas sem conseguir reagir.
Recebo o saco e os parabéns, e em frente está o Sequeira e a Júlia. Era uma velha promessa do Sequeira ser ele a colocar-me a medalha. Recebo-a e continuo sem conseguir reagir. 

 O casal Sequeira / Júlia colocam-me a medalha. Eu estou sem saber como

Vou para sair e aparece o casal Rui / Susana que felicitam e nos fotografam (é a última fotografia deste artigo). À frente, já lá estão a Isa e a Rute e começam a chegar os restantes.

E eu vou andando. Queria que me gravassem o nome e tempo na medalha e dirijo-me para junto do pavilhão. 

Mas antes, foto deste grupo maravilhoso. E umas inesperadas prendas. O Nuno, grande cartoonista, oferece-me uma caricatura alusiva à Maratona onde todo o apoio são gatos. Mais exactamente 8, tantos quantos os que tenho. E o Jorge Branco sai-se com um troféu com placa "João Lima Maratonista".
Esta maratona não foi só minha mas de muitos!

 O cartoon do Nuno

Até troféu do Jorge Branco tive direito!

Como agradecer tudo o que me fizeram, apoiaram e aturaram? Se não há palavras, também não há reacções possíveis, e eu continuei sem conseguir exteriorizar tudo o que me ia na alma.

Ao entrar no pavilhão para a gravação da medalha, está a sair a tal estrangeira do "thumbs up". Vem eufórica e ao ver-me dá um grito "We did it!". Respondo com "Yeah!" enquanto batemos as mãos e acrescento "It was my first", ao que ela responde aos berros "Me too!". Como é boa a sensação de superação!


A medalha e a respectiva gravação

Algumas horas depois, ao ver a classificação, apanhei um enorme susto. Não estou classificado! Quase em pânico ligo para o Sequeira que me esclarece, poucos minutos depois, que o meu registo está apanhado, para não me preocupar.
Segundo parece, nos controlos de passagem funcionou tudo perfeito mas na chegada muitos falharam. Como felizmente há o filme da chegada, estão a apanhar todos e, ao que consta, os números finais são impressionantes!

Se dúvidas houvesse, a camisola que oferecem no final bem diz "I finished Lisbon Maratahon"

Acabou! Consegui! Em imensas mensagens de felicitações, muitas falam na próxima. Não sei se haverá, nem digo que não haja.
Neste momento tenho que acabar a Maratona na minha cabeça. Foram anos a sonhar, um último ano a idealizar, e estes 3 meses focado constantemente nela. 
Cada passada minha em treino ou corrida, cada acto, cada decisão, estava sempre a Maratona por trás.
Preciso agora de descansar, regressar às minhas habituais corridas de 10 kms a Meias-maratonas. Tirar todo o prazer de correr. Sem outros objectivos. 
Sei que ainda me falta um, baixar dos 50 minutos aos 10 kms, mas só quando me sentir capaz, se é que torno a regressar a uma velocidade dessas pois os anos vão avançando.

Agora não planeio nada. Apenas as minhas corridas e disfrutar desta sensação de superação inexplicável.

Não há palavras para agradecer a todos os que me apoioram, fosse de forma mais presente, fosse com qualquer simples palavra. 
Guardo tudo no meu coração. 

(Aceder ao album com 913) Fotografias
(Mafalda Lima, Joana Lima, Ricardo Lima, Rúben Gonçalves, Sandra Martins, Nuno Espirito Santo, Egas Branco)

Uma mais que justa foto. Sem a Mafalda, nada seria, nada faria

52 comentários:

  1. É a primeira vez que me vêm as lágrimas aos olhos ao ler um texto num blogue!
    Feliz, imensamente feliz, por ti!
    JOÃO LIMA MARATONISTA!
    E mais não digo...

    ResponderExcluir
  2. Gostei TANTO do teu relato... :) Parece que fiz a Maratona contigo. E as dedicatórias finais são lindas... Retribuo a parte que me toca, gostei de partilhar o teu momento com todos os que fizeram parte dele.
    O cruzar dessa Meta foi o culminar de uma fase e o início de outra... Agora aproveita a sensação indescritível e merecida de teres concretizado um sonho: és Maratonista!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vais sentir esta sensação inexplicável quando fores tu. E eu quero lá estar a apoiar-te de início ao fim! :)

      Beijinhos!

      Excluir
  3. Magnífico, João.
    Sempre que encontrar alguém reticente em tornar-se maratonista, recomendar-lhe-ei este texto. Acho que convencerá até o mais cético!
    "Aqui há magia"!...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Carlos pelas palavras.
      Se convencer alguém, será um grande orgulho

      Um abraço

      Excluir
  4. É muito emocionante ler o teu relato João.
    Estou muito feliz por ti. Muito feliz!
    Para mim também foi um dia inesquecível, nem tanto pelo meu recorde, isso foi quase secundário, mas por toda a experiência vivida nesse dia. A festa que é uma maratona. Apoiar os atletas, ver a felicidade das pessoas e sobretudo ver toda a felicidade e emoção vividas por ti, pela tua família e amigos.
    Momentos inesquecíveis.

    MUITOS PARABÉNS!

    E tu és a prova que "Dreams do come true" =)

    Beijinhos para o maratonista :)


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E imagina, Isa, quando fores tu a estar do lado de dentro!
      E eu quero lá estar a apoiar-te do início ao fim! :)

      Beijinhos

      Excluir
  5. Parabéns João, como é bonita a sensação que viveste, a magia da Maratona constrói em nós momentos inesplicáveis, atingimos limites que nem imaginamos que fossem possíveis, superamo-los sem saber como com um único objectivo, chegar e vencer. Há quem não resista à emoção seja à 1ª seja há 15ª, todas elas são especiais e representam a superação e a vitória pessoal, por isso amigo João também estou muito feliz por ti não esquecendo nesta hora o grande apoio e incentivo que sempre recebi de ti. Mereces toda a festa que foi montada em teu redor e só podes estar orgulhoso por teres tantos amigos a rodear-te. Um abraço emocionado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um agradecimento emocionado, amigo Adelino

      Excluir
  6. Bolas pá, quase me fizeste chorar. Ainda por cima vivendo as experiências na primeira pessoa é mais difícil não me emocionar.
    Tive pena de não estar contigo no final mas no tempo que estive a aguardar no final gelei completamente. Isto aliado ao cansaço e ás dores musculares não me deixaram ficar. Disse à Carla para irmos andando para o carro e esperarmos aí. Felizmente chegaste mesmo na altura certa. Que alegria foi ver-te aparecer na curva.
    Foste grande!!!
    Uma vez mais, PARABÉNS MARATONISTA!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Pedro! Quem vive as coisas vê duma outra forma

      Excluir
  7. João, gostei muito da tua narrativa e mais uma vez te dou os parabéns. Porém, sem querer vulgarizar a frase, quero dizer-te que atrás dum maratonista há sempre uma grande mulher, e foi muito bonito terminares a crónica com uma foto que homenageia o (a) grande pilar deste teu sonho…

    Orlando Duarte

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Orlando

      Isso é uma grande verdade!

      Excluir
  8. João, gostei muito de ler o seu relato.
    Mas que grande dia!!!
    Realizar um sonho e ter a família e os amigos a seu lado.

    MUITOS PARABÉNS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Vítor

      Por isso é que a realidade superou todos os melhores sonhos!

      Excluir
  9. Boa noite João, parabéns mais uma vez pela Maratona mas tb por este magnifico texto...é verdadeiramente emocionante. Não te conheço pessoalmente, mas olhando ao apoio que tiveste, de tantas pessoas amigas que tens e que te ajudaram nesta empreitada, só podes ser uma bela pessoa e deves estar orgulhoso tb por isso. Desejo-te uma boa recuperação e um bom regresso às corridas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carlos!

      Havemos de nos conhecer numa corrida!

      Excluir
  10. João, que magnifico texto.
    Desta vez não me fugiu uma única linha, e mais emocionante foi porque o Nuno o leu em voz alta :)

    É muito emocionante, incrivelmente bonito...

    Hoje no treino disse e volto a repetir:

    Esta maratona foi tua, amigo!

    Parabéns!

    Sandra e Nuno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Não fugiu uma única linha porque o Nuno leu em voz alta! :)

      Obrigado casal maravilha

      Excluir
  11. Parabens João, mais um maratonista Tomarense, vai merecer uma referencia nos jornais locais. Um abraço pessoal e tambem em nome da Secção de Atletismo do União de Tomar. Paulo Saldanha

    ResponderExcluir
  12. Relato extremamente delicioso, muito orgulhosa pappi :)

    Recordando as tuas palavras quando começaste a correr "uma meia maratona não faço nem nunca farei!" e agora já cá canta uma maratona ;)

    Foi uma correria para te apanhar em todos os sítios e ainda tentar surpreender pelo meio..(viva a CP que fez greve num dia não anunciado grrr)
    Tantos nervos da tua parte e da nossa fizeram com que os sentidos estivessem todos despertos e a emoção também, foi complicado conter a lagriminha no final..
    Ainda pensámos em arrancar contigo nos 35km para tentar dar mais apoio (não sei quanto apoio seria já que somos umas patas chocas e correr é de deixar a língua de fora que nem a Farrusca) ainda tínhamos pensado em ir de bicicleta ao lado mas o belo do furo no pneu não ajudou..O que é certo é que já foi e foi muito bem desempenhada!
    Muito orgulhosos, obrigada por partilharmos todos esta experiência

    Beijinho grande

    J

    ResponderExcluir
  13. Parabéns! Pela corrida e pelo texto. Emocionante. Foi como se tivesse feito também a Maratona (é imensamente mais fácil 'fazê-la' sentado, em frente ao computador...).

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns João pela estreia.
    Acredita que correr com alguém que tem um grupo, como o teu, a apoiar é maravilhoso.
    Obrigado a ti e ao teu grupo pelos km que partilhamos e pela alegria contagiante.
    Forte e fraterno abraço
    AMB

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras e pela óptima companhia!
      Um abraço

      Excluir

  15. Amigo João,

    Belo texto, aposto que ainda tens mais sensações para descrever porque o turbilhão de pensamentos ainda não acabou!
    Repousa bem e volta rápido aos convívio dos treinos e das provas, lá nos encontraremos!
    Grande Abraço,
    Rui e Susana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora, apenas nas 3 S. Silvestres.

      Muito obrigado por terem esperado, pelo vosso apoio e pela fotografia!

      Um grande abraço

      Excluir
  16. João

    Relato emocionado e emocionante desta tua 1ª Maratona. O que me espanta é que, para além das emoções do momento, te recordares de quase todas as tuas passadas desde o 1º ao último km.


    Parabéns pelo texto e pela concretização do sonho.

    Se o sonho comanda a vida este... Está feito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Mário

      E foi tudo vivido tão intensamente que difícil seria não me recordar de cada instante! :)

      Excluir
  17. Muitos Parabéns Maratonista João Lima!!! Eu sabia, sempre acreditei que o conseguias!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Ana pela tua confiança!

      Beijinhos

      Excluir
  18. Caro João, mais uma vez - PARABÉNS!!!
    Aqui ficam, para quem quiser ver, todas as fotos que tirei no domingo - algumas estão um pouco fora de ordem, mas estão lá todas divididas em 3 álbuns.
    https://picasaweb.google.com/107767191619319662503/MaratonaEMeiaMaratonaDeLisboa2012AlbumI?authuser=0&feat=directlink

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Gonçalo!

      E excelentes albuns!!!

      Um abraço

      Excluir
  19. João, parabéns pelo teu belo texto sobre esse momento único na vida de um corredor de fundo - a sua primeira maratona. E a partir daqui todos os sonhos desportivos são possíveis! Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Egas pelas palavras e pelo importantíssimo apoio ao longo da Maratona e não só!

      Um grande abraço

      Excluir
  20. Parabéns, fiquei emocionado com o teu relato, muito bem escrito, eu também fiz a minha 1ªMaratona e foi uma sensação única, nunca desistas........Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitos parabéns pela tua estreia!

      Um abraço

      Excluir
  21. Excelente relato João, parabéns!
    Vi-te durante a prova, bem como os teus apoios, foi a minha primeira também, e na próxima cumprimento-te ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado "Visitante X" e parabéns pela estreia.

      Fico então a aguardar encontrar-nos

      Excluir
  22. Muitos parabéns João Lima! Quer na dimensão atlética, por ter alcançado o seu objetivo, quer na dimensão humana, por ter gerado uma onda de amizade, solidariedade e companheirismo em torno de um objetivo individual (que passou a coletivo).
    Hip hip hurra ao maratonista João Lima!

    ResponderExcluir
  23. João, muitos parabéns. Que relato fantástico e envolvente.

    ResponderExcluir
  24. João,

    Grande abraço de parabéns por o meu amigo fazer parte do grupo de maratonistas!

    Quanto ao texto, óptimo, é um relato que se pode aplicar a muitos de nós, mesmo os que já concluiram dezenas de provas longas, há sempre noites mal dormidas, alguns receios, e sensações diferentes, pois a nossa máquina também tem reacções diversas.

    Aquilo que sentimos, aos outros pode parecer caricato, só experimentando, por isso recordo o verso de um poema - eles não sabem nem sonham...!

    A próxima já está agendada?

    Para o novo maratonista e aos que estiveram ao longo do percurso, UM ENORME ABRAÇO!

    ResponderExcluir