domingo, 11 de setembro de 2011

Meia-Maratona de São João das Lampas

A história começou a 6 de Setembro do distante 1977 e viu serem classificados 19 atletas. Prolongou-se, sempre em Setembro, criou raízes e em 1993 passou a ter distância oficial e certificada. Chegou agora ao bonito número de 35 edições, sendo a segunda Meia mais antiga do país, apenas batida pela "Mãe" das Meias, Nazaré.

E qual o segredo para esta pequena localidade nos confins do concelho de Sintra manter uma prova com esta longevidade?
A resposta é fácil, as suas gentes, a sua organização, consubstanciada num senhor de S bem grande chamado Fernando Andrade, ele também corredor, e que sabe o que os atletas gostam.

Falar de aspectos positivos nesta prova, é fácil e difícil ao mesmo tempo. Fácil porque se resume a tudo. Difícil pois tanto queremos falar de todos os aspectos, que o espaço necessário seria imenso.
É uma prova feita de alma e coração e apoiada por toda a população, que não regateia palavras de incentivo que caiem sempre fundo.
E falar de aspectos negativos ou pontos a melhorar? Pois... aqui é a altura de se darem voltas na cadeira até se concluir que não se pode escrever sobre o que não há.

Carlos Silva voa para a vitória

O percurso, é do conhecimento de todos, não é fácil. É mesmo considerada a mais dura Meia do país mas, sejamos práticos, as corridas são apenas para marcas ou também desafios a serem vencidos?
Quem quer exclusivamente marcas, com um manto à sua frente, tem a pista. Agora quem é estradista, sabe que há todo um percurso a vencer. Nalguns casos mais fácil, noutros não. Mas não são os maiores desafios que mais satisfação nos oferecem?
Esta prova não é nenhum bicho de sete cabeças, nenhum monstro, mas sim bela.

E todo o esforço da organização foi recompensado com novo aumento de participação. Se no ano transacto já esse aumento tinha sido de 71 (309 para 380), este ano tivemos mais 41 atletas, perfazendo 421 na meta.
E quem vem, fica contagiado por todo este ambiente, começando a sonhar com a próxima, após o empeno desta.

Anabela Tavares no seu ritmo rápido e eficaz, no caminho para mais uma fantástica vitória

E de todos os 421 vencedores, quem foi mais rápido foram Carlos Silva e Anabela Tavares, que inscrevem assim o nome na galeria de honra desta prova. Ele o 25º vencedor, ela a 21ª, duma relação onde abrilhantam os nomes do malogrado Carlos Capítulo e de Lucília Soares, ambos com 6 vitórias. E Lucília Soares, vencedora em 1988-1989 e 1996-1999, ainda ontem esteve, uma vez mais, presente e no pódio do seu escalão.
Carlos Silva do Sporting cortou a meta em 1.10.28 e um avanço de 1.22 sobre o 2º Bruno Fraga do Reboleira. Em 3º e com a marca de 1.14.01, Adelino Monteiro, também do Sporting.
Anabela Tavares do Arrudense cortou a meta em 1.23.18 e um avanço de 3.31 sobre Lucinda Moreiras do Penafiel. Cátia Galhardo, desta feita como individual, finalizou o pódio em 1.28.40

No final, todos receberam uma linda e prática mochila, água, batatas, bolos, um livro de cartoons e uma t-shirt técnica preta, com o emblema da prova. Uma camisola de muito bom gosto e que irá ser um orgulho envergar.

A vencedora, Anabela Tavares, a ser entrevistada, ela que nos 3 últimos meses conseguiu feitos como a vitória aqui, nas Fogueiras e campeã nacional dos 10.000 metros!

Estive presente pelo 2º ano consecutivo e, pela 2ª vez, venci as Rampas. Desta feita foi mais difícil que em 2010, tendo feito mais 3.52, mas nesta prova o tempo é secundário, interessa é, como já referi, vencer o desafio.
E, a menos que não possa de todo, esta é daquelas corridas que não quero perder no futuro.

Eu e Jorge Branco, os atletas dos dois blogs geminados

Outro aspecto muito positivo do dia de ontem foi o reencontro com tantos e tão bons amigos. Não vou dizer os nomes, pelo receio que me possa escapar algum. Mas eles todos sabem quem são!

8 comentários:

  1. Eu nessa altura da foto ainda me ria!
    O pior foi depois.
    Se conseguir ultrapassar todas as contingências logísticas e o medo da minha mulher (em ficar viúva!) ainda lá volto um dia, a essa prova que para mim é a melhor meia maratona de Portugal!

    ResponderExcluir
  2. João Lima,

    Gostei muito de o conhecer, foi um prazer! Só tenho pena é que nas corridas nunca temos muito tempo para conversar.

    Beijinho e tudo de bom... e que nos encontremos muitas vezes :-)

    ResponderExcluir
  3. João Lima, "roubei" uma foto das suas para pôr no meu blog, espero que não se importe ;)

    Obrigada

    ResponderExcluir
  4. Duas horas e dezoito, só pode ser provocado pelas férias e pelo calor. Agora vais mesmo ter 2 semanas de descanso e quando voltares é que vão ser elas. A parte do tempo espero que tenha sido uma boa prova. Abraço

    ResponderExcluir
  5. Grande desafio João Lima! Sempre em sobe e desce até à melancia! Excepcional reportagem. Copiei uma foto a cortar a meta. Obrigado.
    Carlos Melo

    ResponderExcluir
  6. Grande desafio João Lima, sempre a subir e descer até à melancia! Excecional reportagem. Copiei uma foto a cortar a meta. Obrigado.
    Carlos Melo

    ResponderExcluir
  7. Grande João

    O Algarve é de verá bom pro descanso... ai as o tempo meu amigo, 2 semanas parado, tem os seus contras. Os meus parabéns pelo belíssimo post aqui colocado

    ResponderExcluir
  8. Obrigado pelos elogios, amigo João.
    Não considero que tenhamos feito nada que seja muito complicado de fazer.
    Apenas indicámos o caminho e dissemos:
    "- Vá, agora é convosco! Ide e percorrei esta estrada, subi e descei, visitai as nossas aldeias, vê-de a nossa gente, ouvi a sua satisfação ao ver-vos passar, encontrai novas energias depois de cada curva e conclui com um sorriso ofegante o vosso esforço passando a portinhola da vitória. Sereis vós os vencedores e nós sentiremos o enorme prazer dessa conquista!"
    (Pró que me havia de dar!,,,)
    Foi um prazer ter-te cá, João.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir