quarta-feira, 29 de julho de 2015

Uma noite musical com Mark Knopfler


A poucos dias de completar 66 anos, Mark Knopfler demonstrou no Estádio Municipal de Oeiras, perante lotação esgotada de 30 mil pessoas, que mantém intactas todas as suas virtudes e força musical, num concerto de 2 horas que encantou quem teve o privilégio de assistir.

Entre músicas do recente disco e mais antigas, o tempo voou num ápice com um Mark Knopfler bem disposto e muito comunicativo.

Claro que não faltaram canções dos Dire Straits, desde Romeo and Juliet, Sultans of Swing, Your Latest Trick, So Far Away.

Sultans of Swing foi a que lançou para a ribalta os Dire Straits, de que Mark Knopfler foi líder. Estávamos em 1978, tinha eu 18 anos e dificilmente imaginaria que 37 anos depois a estaria a ouvir ao vivo.

O final, emblemático, com aquela que se tornou um verdadeiro hino seu desde que foi lançada em 1983 como banda sonora do filme Local Hero. Estou a falar de Going Home que, simbolicamente, passou a fechar todos os seus espectáculos.

Uma rica noite! :)

25 comentários:

  1. :) O João foi curtir à brava!!! GOSTO DISSO!!! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gosto (ih ih ih)

      Beijinhos, Marta

      Excluir
  2. Layke!!! Os Dire Straits foram a minha banda preferida durante uns anitos, ali pelos meados dos 80's, especialmente pelo álbum Brothers in Arms ....
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande álbum, Brothers in Arms!

      Um abraço

      Excluir
  3. Muito bom!
    Um excelente músico só podia resultar num excelente concerto e num João feliz e contente :)
    Beijinho

    ResponderExcluir
  4. Não me faças chorar mais.
    Infelizmente, por motivos que não importam, não consegui ir.
    Os Dire Straits são a minha banda favorita desde jovem. A minha devoção é tal que o meu pai, também fã, há mais de 25 anos atrás, proibiu-me de levar a cassete do Alchemy no carro. Era o que tocava SEMPRE que saía-mos.
    Também nos tempos em que joguei voleibol no Benfica e futebol no Oriental, quando me deslocava de transportes ou a pé, ouvia muitas vezes os vários álbuns, ao ponto de, durante muitos anos, ao passar por determinados locais desses trajectos, lembrava-me os trechos das musicas que tocavam nesses mesmos locais.
    Já deu para perceberes que não gosto nada dele.
    Já assisti a dois concertos no Pavilhão Atlântico e espero ainda assistir a mais algum. Tenha ele e eu saúde. ;)
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. És um Dire Straitiano por direito! :)

      Um abraço

      Excluir
    2. Falaste no Going Home, das várias versões que já ouvi esta é a que mais gostei. É arrepiante!
      https://www.youtube.com/watch?v=Vh2GFoDae8Y

      Excluir
    3. O Going Home é um verdadeiro hino!

      Uma que também é especial para mim, por todo o seu ambiente tão sui generis, é o Private Investigations

      Excluir
    4. Sim, Private Investigations, Sultans of Swing, Telegraph Road, Romeo and Juliet, So Far Awa... and so on.
      E não falo dos álbuns a solo. ;)

      Excluir
    5. Ainda tenho (algures) uma K7 gravada directamente da RTP com um concerto de Londres...oitentas e ...penso ser o que dá origem ao Alchemy Live.

      Acho que faltam mesmo aí o Money for Nothing e o Tunnel of Love.

      Ahhhh

      Excluir
    6. Se é o concerto que penso, também tenho em VHS :)

      Faltar, faltavam muitas, não se podia era prolongar o concerto indefinidamente :)

      Um abraço

      Excluir
    7. VHS???

      Não. Eu tenho mesmo apenas audio :(

      Pois, era a noite toda :)

      O rapaz ainda é novo, há-de vir cá novamente e dessa vez não pode passar!

      Abraço

      PS: por coincidência o spotify cá do je tem andado a correr o alchemy (live)

      Excluir
    8. É verdade! Eu ainda tenho bué de cassettes VHS :)

      Excluir
  5. Mark Knopfler,uma referência eterna. Não cansa e é sempre agradável escutar. Lovely.

    ResponderExcluir
  6. Caro João Lima, parabéns pela tua brilhante análise! Mark Knopfler, de facto, mostrou na noite de ontem em Oeiras o porque ser um dos melhores guitarristas e compositores que o Mundo já conheceu! Um concerto irrepreensível, tocado ao mais altíssimo nível! Talvez para quem, como eu, grande entusiasta dos míticos Dire Straits desde o tempo do "Love Over Gold" (1982), as 6 músicas do tempo dos DS, soubessem a pouco! Para mim, ficaram a faltar apenas "Private Investigations" e "brothers in Arms"!!! O show com a inclusão destas duas teria ficado galáctico! Mas, claro, para quem acompanha o percurso deste génio da guitarra, sabe que os tempos dos Dire Straits já lá vão há muito! Desde 1996, como o álbum "Golden Heart" (que deu direito a uma passagem por Cascais a 24.07.2015, na antiga Praça de Touros, onde também lá estive!) que o MK enveredou por uma sonoridade mais folk, country, e até céltica, convidando para públicos mais intimistas e plateias mais reduzidas que os grandiosos Dire Straits!... apesar, de na noite de ontem em Oeiras, em estádio a céu aberto, com 30,000 pessoas fizesse recordar esses antigos ambientes! Um concerto que dou 5 estrelas, apesar de "só" ter tocado 16 músicas, ao contrário das 18 no Royal Albert Hall (Londres) e 19 em Newcastle já nesta digressão de 2015 "Tracker Tour"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Victor!

      Muito boa análise!

      Um abraço e obrigado

      Excluir
  7. Fixe João! A música faz bem à alma! E com MK melhor ainda!

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Já vi tantos espectaculos dele e ainda assim estou triste por ter perdido este.
    O homem marcou-me para a vida.
    Obrigado pela descrição
    Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico contente de ver tanto admirador a comentar :)

      Um abraço e obrigado

      Excluir