domingo, 21 de junho de 2015

Dose dupla: Challenge 3000 (em grande!) e Base Aérea do Montijo (com esbardalhanço incluído)

Tal como há duas semanas, este fim-de-semana foi de dose dupla. E a primeira foi...


Challenge 3000

Após a espectacular Marginal à Noite sete dias antes, onde realizei a corrida com a melhor média de sempre (8 km a 4.50), as expectativas estavam mais altas para este desafio.

Desde que me inscrevi que me empenhei muito nesta prova, a mais curta alguma vez realizada, e era o meu grande objectivo até final do mês, altura que inicio a preparação para a Maratona de Lisboa.

Devo confessar que estive todo o dia algo nervoso/expectante, o que aumentou mais à medida que a hora se aproximava. Sabia que estava a valer um bom tempo mas a dificuldade iria ser gerir uma prova com apenas 3 km sendo a minha experiência nesse capítulo, nula!

Ao contrário do habitual, teria que entrar a matar logo desde o apito inicial, mas não o suficiente para morrer antes da meta. Tive treinos específicos para este fim, na pista do Inatel e tal permitiu-me ir medindo o pulso a diversos ritmos.

Nesta prova não contam os lugares que se alcançam mas sim o desafio que cada um se propõe ao escolher a série sub18 ou 15 ou 12 ou 10, tendo que baixar dessa marca.
Naturalmente escolhi a sub15, o que implicaria uma média de 4.59 para baixo, o que com esforço e em condições normais conseguiria, mas o meu desafio pessoal era aproximar o mais possível do minuto 13, sabendo que não seria possível entrar nele (o que obrigaria a uma média de 4.39 para baixo) mas ficar o mais perto possível.

O calor em excesso não foi um aliado mas não sinto que tenha prejudicado, dado que às 19 horas já a maior parte da pista estava à sombra. 

O meu primeiro grande segredo foi ter realizado um muito adequado aquecimento para preparar a máquina para começar em rotação muito alta.

Dado o tiro de partida, e ao longo de toda a prova, o meu maior trunfo foi aquele que tanto receava. Geri a prova de forma impecável e sentia-me no limite mas bem, sem qualquer sinal de quebra.

Pelo canto do olho ia controlando o tempo e o abaixo de 15 foi desde logo mais que garantido. Mas outro tempo começou a configurar-se. Foi questão de manter o esforço no máximo (confesso que até nem custou assim tanto) e chegar à última volta ainda com 5 tostões de força adicional para fazer uma volta mais rápida.

No final, recebi como prémio um tempo que considerava impensável: 13.53, média de 4.37,6!

Como se compreende, tal deixou-me muito feliz. Este foi um desafio a que me dediquei e empenhei muito e o ter alcançado uma marca melhor do que ambicionava, é extraordinário.

Este ano tem sido realmente fantástico. Em 4 meses, esta foi a 4ª prova em que me excedi. Tudo começou nos 20 Km de Cascais onde baixei da hora e cinquenta, algo que nunca imaginei. No 1º de Maio, escassos 19 dias após a Maratona de Paris, fiquei a escassos segundos do record de 15 km. Na semana passada fiz a também nunca imaginada loucura de 8 km a 4.50, e hoje foi o que foi.
E o momento alto do ano foi o ter realizado o velho sonho de correr na Maratona de Paris.  
E isto tudo sem esquecer o ter conseguido 5 treinos de 30 km em 2 meses e meio, como preparação para a Maratona, quando nas anteriores nunca tinha passado dum.

Razões há muitas, onde a ausência de lesões ou outras maleitas que me afectaram em especial no ano passado contam e muito, mas temos que reconhecer que desde Novembro tenho andado incansável no trabalho que tenho feito e dedicado.

Também mantém o moral em alta o facto de na sexta-feira ter realizado um exame cardiológico para controlo da máquina e o médico ter feito os maiores elogios à forma como está o meu coração!   

E passemos à segunda:



2ª Corrida da Base Aérea nº6 - Montijo

Na conclusão do Circuito das Forças Armadas, a 2ª edição da Corrida da Base Aérea nº6 no Montijo.

Um percurso variado entre o alcatrão, terra batida e areia (tanto de praia como de pinhal).

Após o meu voo de ontem, aterrei na Base Aérea para uma corrida calma em modo desfrutar.

E na realidade, esta corrida nem é propícia para tempos, tanto mais que tem cerca de 300 metros mais que os 10 quilómetros e a passagem na praia (cerca de quilómetro e meio na fase inicial) e em especial o último quilómetro com areia de pinhal onde se demora mais tempo a desenterrar o pé que a impulsioná-lo, não permite veleidades.

Essas duas passagens em areia fizeram-me recordar porque não corro em praia e evito provas de trilhos. Coloco o pé demasiado de lado e este tipo de piso obriga-me a ir com muito cuidado, além de ter ficado com o pé queixoso apenas por esse pedaço. Mas mais queixosos ficaram os joelhos que gritaram várias vezes "oh tu aí em cima, não sabes que não damos para isto?"

Apesar de ter sido a minha prova número 338, faltava-me estrear algo em corrida: O ir medir o grau de dureza dum chão. Vulgo "esbardalhanço". Certo que já tive coisas bem mais graves em corrida, e de que maneira!, mas queda nunca. Alguma vez teria que ser.

Ia eu por volta do quilómetro 8, numa altura de terra batida, quando passámos ao lado de dois aviões e um helicóptero. E foi este que me chamou a atenção pela sua pintura de camuflado e o seu aspecto típico dos que vemos nos filmes do Vietname. A olhar para o lado, para o ver, não vi uma raiz mais saída e quando dei por mim estava estatelado.

Caí sobre o lado direito e, felizmente, não me magoei. Apenas uma feridazinha de lado no joelho direito (que já vinha zangado comigo por causa da areia) e no braço.

Agradeço aos caminhantes que mostraram preocupação se me tinha magoado mas foi só levantar-me, fazer um rápido check-up, agradecer e continuar a corrida. Terminei os cerca de 10.300 metros nuns calmos 1.01.03

Em resumo, gostei da prova, gostei de a ter conhecido mas ficará como única presença pois não quero lesionar-me por causa da areia, terreno para o qual, decididamente, não dou.

Próxima paragem: Corrida das Fogueiras no sábado (a minha 8ª presença) 



  

27 comentários:

  1. Parabéns pelo recorde João!

    Grandes prestações! :)

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado João! Está a ser um momento especial! :)

      Um abraço

      Excluir
  2. Estou numa fase de resumir tudo por isso é assim: A BALA HUMANA ESPALHOU-SE!
    :)
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já te disse que és terrível? ((ih ih ih)

      Um abraço

      Excluir
  3. Grande João

    Quando pensei nesta prova, pensei quem algo diferente. Seria muito fácil fazer 10 km ida e volta sempre para estrada. Mas a ideia, seria uma prova diferente, uma prova, desfrutar a paisagem, a vida selvagem que existe tempo da BA6. Uma velha frase que diz " Se fosse fácil, todos eram corredores". Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carlos

      Mas eu não critiquei o percurso, pelo contrário, até o elogiei e disse que gostei. Refiro é o meu problema específico com a areia, sem tirar mérito ao percurso variado como o referi.
      E até prefiro provas mais difíceis do que fáceis, e há vários exemplos, por isso não compreendi bem a pertinência da frase final.

      Um abraço

      Excluir
  4. Tiveste um fabuloso fim de semana... com uma "série" de 3.000 metros em que a fizeste muito bem :) e com uma prova no Domingo recheada com um pouco de tudo, incluindo uma "plantação de figueira" :)

    Boa João.. tu és um excelente exemplo de quando se quer muito uma coisa, é alcansavel :)

    Beijinhos e Parabéns pelo excelente recorde :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sandra. Espero que esse exemplo que falas se mantenha para 18 de Outubro...

      Beijnhos

      Excluir
  5. Pronto, confessa, quiseste ser solidário com a minha média de 0,75 quedas ao ano!! ;) Ainda bem que foi só susto.
    E parabéns pelo Challenge, média muito boa!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Descobriste-me, Rute! Foi isso, foi :)

      Obrigado, beijinhos

      Excluir
  6. Saíste tão rápido do Challange 3000 que tropeçaste na raiz da prova do dia seguinte. Felizmente não foi nada de especial.

    Estás em grande forma João, estou curioso para ver o que vais fazer nas Fogueiras.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ver se não me queimo nas Fogueiras! :)
      Eu também estou curioso em ver o que fazes, depois desta preparação triatlética

      Um abraço

      Excluir
  7. Eh catano, 4:37\km? Excelente João :) Correr em pista é sempre uma surpresa! Gostava de lá ter ido, já tenho saudades da pista mas pronto fica para a próxima.

    Epa essa prova de domingo ainda bem que não fui então, correr na areia era caso para ficar sem os meus joelhos eheh sou mesmo desengonçado!

    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi que os nossos joelhos são semelhantes!

      Obrigado, para mim, foi voar :)

      Um abraço

      Excluir
  8. "Ia eu por volta do quilómetro 8, numa altura de terra batida, quando passámos ao lado de dois aviões e um helicóptero. E foi este que me chamou a atenção pela sua pintura de camuflado e o seu aspecto típico dos que vemos nos filmes do Vietname. A olhar para o lado, para o ver, não vi uma raiz mais saída e quando dei por mim estava estatelado."

    É mesmo por motivos semelhantes que eu corro em estrada! Vou a trilhos mas nunca na verdade corro, quanto muito faço jogging e mesmo assim se calhar nem isso! E sempre a olhar para o chão, já perdi a conta as vezes que cai em trilhos

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, em estrada vou a apreciar a paisagem, em trilhos vou o tempo todo a olhar para o chão...

      Excluir
    2. Sim, o meu "pois..." foi a querer dizer que eu devia fazer o mesmo, ter ido a olhar para o chão! :)

      Excluir
  9. Quando se supera o objectivo é sinal que o trabalho está lá .Sei quanto é importante a opinião cientifica sobre a "máquina"até parece que aumenta a confiança e claro depois tudo se reflecte nos resultados.Um Grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Antes de mais um GRANDE Parabéns por mais uma excelente prova ... espero que a segunda metade de 2015 seja no mínimo tão boa como a primeira :)
    ...até já te esbardalhas e tudo :) ... eu juro que quando li que o percurso tinha terra batida pensei logo em "raízes" :) ... é a voz da experiência, essas malvadas já me passaram umas belas de umas rasteiras e nem amarelo viram ... tb existem aquelas pedrinhas fixas no chão, com um biquinho para cima.. tás a ver? ...estão quase ao nível das raízes :)
    Grande abraço

    P.S. Tudo isto tem muito a ver com um trabalho de casa muito bem feito, e a parte da nutrição e perda de massa gorda/peso é muito importante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Carlos, uma coisa que não posso ser acusado é de não me estar a esforçar ao máximo desde Novembro. Em todos os sentidos.
      Quanto ao 2º semestre, reconheço que parvamente, há ali um grande fantasma a ser vencido a 18 de Outubro

      Obrigado e um abraço

      Excluir
  11. O homem voa!!! =)
    Grande média João! Que ritmo alucinante nos 3000m. Estás em excelente forma!

    Quanto ao esbardalhanço....corro há muito menos tempo que tu e já contabilizo mais esbardalhanços... ;)

    Força para as Fogueiras!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amiga! Para mim, esse ritmo é mesmo voar :)

      Quanto ao rol de esbardalhanços, é natural que sim dado os caminhos "menos direitos" que corres várias vezes :)

      Beijinhos e boa recuperação

      Excluir
  12. Os treinos em pista, tenho saudades...

    Mas, João, belo tempo!

    Ainda mais porque não tinhas ponto de comparação, foste à descoberta.

    Para o ano se ainda houver esse circuito a ver se faço, por várias razões.

    Mas eu não podes ver um bando de aviões que te esbardalhas todo???

    Ainda bem que não foi nada sério.

    Em Outubro, pff, venha ela;)

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por acaso não foram os aviões a distrair-me mas sim o danado do helicóptero que a esta hora ainda deve estar a rir!

      Obrigado

      Um abraço

      Excluir
  13. Parabéns! Estás a ficar uma máquina! Acho que esse avião teria duas pernas e devia ser muito jeitosa... :D

    ResponderExcluir