quinta-feira, 26 de março de 2015

Há 9 anos atrás

A minha estreia em corrida

Faz hoje 9 anos que me estreei numa corrida. Foi na Mini-Maratona englobada na Meia-Maratona de Lisboa 2006.

Longe de mim imaginar que passados 9 anos tinha no currículo 327 corridas, das quais 3 Maratonas, a 17 dias de tentar a 4ª.

Eu que, na semana anterior à estreia, respondi a um colega que me questionou se ia à Meia ou Mini: "Mini! Meia não faço nem nunca farei!" E acreditem que foi dito com toda a convicção. Na altura, 10 quilómetros pareciam-me o limite dos limites para um "ser humano normal" como eu. 21 só para super-atletas e 42 reservado a ETs!

O que me levou a estrear nesta prova? A meio de 2005 o meu organismo estava farto de me enviar sinais que não andava bem. Muito stress laboral, demasiado imobilismo físico. E recordo que o imobilismo até um tanque destrói.
De vez em quando lembrava-me de ir ao Jamor fazer o circuito de manutenção, sempre a andar, e no final dava uma volta à pista a correr. Acabava completamente estoirado e a meio da volta já só suplicava pelo seu fim. Esses 400 metros eram infindáveis!
Ora cada vez que lá ia, a próxima demorava um, dois, três meses... 
Até que nesse referido meio de 2005, decidi ser mais constante e experimentei o Passeio Marítimo de Oeiras, forçando-me a ir de 3 em 3 dias.  

Começa a nascer em mim o gosto de correr aquele bocadinho (que pensava ser muito!) e a ansiar a vez seguinte.
Na altura, o Passeio acabava no Saisa, perfazendo 2.300 metros. Ia até onde conseguia, e regressava a andar. 
Foi uma festa quando fiz uma ida completa mas festa maior foi quando cheguei aí, dei a volta e ainda corri mais 700 metros, totalizando 3 km o que me fez sentir uma espécie de super qualquer coisa.

Ao 3º mês consegui ida e volta, 4.600 metros. 4.600 metros, imaginem! Foi a loucura e durante 3 meses contava o número de treinos consecutivos onde conseguia completar a ida e volta. Após 18 seguidos, arrisquei mais 400 metros e completei uma légua.

Estávamos no início de Dezembro e leio no jornal de Oeiras que a câmara edita, a reportagem da Corrida do Tejo.
De imediato comecei a sonhar. E se? 
Mas são 10 km!!! Bom... se de 2 em 2 meses conseguir evoluir 1 km, chego a Outubro apto a realizar os 10 km.
E assim, comecei a mentalizar-me como quem visa os Jogos Olímpicos. 

Mas em Fevereiro, um colega que já me tinha ali visto a correr, oferece-me um folheto da Meia da Ponte, competição que englobava uma Mini. Mini, quer dizer, eram 7.200 metros... mas nessa altura já tinha chegado a 8 km, vamos lá atacar a Ponte. Afinal a estreia iria ser bem mais cedo que Outubro, seria a 26 de Março de 2006.

Que emoções passei! O ir levantar o dorsal (31805, o número mais alto que alguma vez tive mas que irá agora ser batido em Paris pelo 59295), ver a feira, aperceber-me do ambiente e absorver tudo inspiradamente.
Já antes tinha feito o percurso de carro por duas vezes para não ter surpresas no trajecto (notem o grau de preparação!).

Chega o dia, após uma noite pouco dormida pela excitação, e tudo foi novo. O apanhar o comboio. O ouvir o maquinista desejar pelo microfone boa sorte a todos os atletas à chegada ao Pragal. Sentir o ambiente que estava criado. Chegar cedo e ficar lá para a frente da Mini, o que sem na altura saber, foi o melhor pois pude realizar a prova toda a correr. Ver o pessoal da Meia passar do outro lado das grades e admirá-los como super-atletas. Mas... surpresa das surpresas, muitos pareciam "normais" e uns até já eram de certa idade. Como era possível?
(abro aqui um parêntese para elucidar que seguia muito o Atletismo profissional, não perdendo uma transmissão mas não tinha a mínima luz do que se passava nas corridas abertas a todos).

O tempo de espera voou enquanto admirava tudo com olhos bem abertos e deu-se a partida. O meu pensamento foi "estou numa corrida!". Controlei muito bem o andamento para não entrar em euforias nos quilómetros iniciais e lá fui. E fui bem, até chegar à longa recta final. Via o Museu da Electricidade ao fundo e parecia que não se aproximava. Não ia a perder andamento mas começou a custar. O facto de ir com uma camisola de manga comprida e quente (algodão...) debaixo da de manga curta, em nada ajudava (falta de experiência), mas finalmente curvei para a meta. Cortei uma meta, no que foi um momento marcante e recebi uma medalha! O relógio marcava 47.24 para os 7.200 metros (6.35 de média o que na altura foi bem bom).

Feliz da vida, regressei a casa, com a Mafalda a sugerir que depois do banho fossemos almoçar fora para festejar eu ter entrado numa corrida.

Entretanto, na feira tinha recebido um folheto da APAV para uma prova a realizar passadas 2 semanas. Corrida com perto de 10 km. E outro folheto duma prova aberta englobada na Maratona Carlos Lopes com 11 km. Arrisquei as duas. Mas para a de 11, andei a dormir mal com medo da distância. Da distância e de ter que subir aquele viaduto entre Santa Apolónia e o Parque das Nações, subida que mais a via como um Adamastor. Consegui vencê-lo e completar essa prova. E sem dar conta, estava viciado da melhor forma.

Ah! E a tal frase que nunca faria uma Meia-Maratona, foi desmentida um ano depois da estreia, na mesma Ponte. Foi a primeira Meia duma relação que contabiliza agora 40.

Foi há 9 anos. E tanto se passou! 

Só estilo! :)
  

21 comentários:

  1. Essa foto está qualquer coisa eheheh

    Bem é realmente engraçado ver que todos temos uma boa história antes de começar a correr :) só de pensar que nem à cinco anos conseguia acompanhar a minha namorada... a andar! Custa só de pensar nisso.

    Um abraço João

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu que voas a correr, não conseguias acompanhar a namorada a andar?!?
      Devias contar essa história.

      Um abraço

      Excluir
    2. Embora já tenha um post no inicio do meu blog sobre um pouco da minha história, talvez agora faça sentido relembrar mais alguns pormenores desta caminhada :)

      Abraço

      Excluir
  2. Muito bom :):) ....espero que esta tua história possa ajudar outras pessoas, que tal como tu à 9 anos atrás, gostariam de experimentar correr (ou outro desporto qualquer) e não o fazem por acharem impossível, terem vergonha, falta de coragem, etc....é preciso dar o primeiro passo, e insistir um bocadinho...todo o resto vem naturalmente depois do bichinho se entrenhar....tu és o exemplo que é possível.
    Aquele "cabeludo" que está nestas fotografias estava longe de imaginar o que viria a conseguir na corrida, a inspiração que viria a ser para muitos e muitos outros atletas de pelotão que seguem o blogue e a importância para o atletismo português em geral com as suas estatísticas espectaculares.
    E isto tudo "apenas" em 9 anos....
    Grande João....aquele abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Carlos, se se analisasse a minha forma física em 2005, nunca ninguém daria a mais pequena hipótese que me tornasse maratonista...
      Obrigado pelas tuas palavras!
      Um abraço

      Excluir
  3. PARABÉNS!
    EXCELENTE!
    Mas....
    Cuidado com as convicções
    "Eu que, na semana anterior à estreia, respondi a um colega que me questionou se ia à Meia ou Mini: "Mini! Meia não faço nem nunca farei!" E acreditem que foi dito com toda a convicção. Na altura, 10 quilómetros pareciam-me o limite dos limites para um "ser humano normal" como eu. 21 só para super-atletas e 42 reservado a ETs!"
    [Cada vez me faltam mais as forças mas enquanto houver um restinho de Jorge Branco de vez enquanto lá me meto contigo! Esta-me no sangue e a ajuda-me a sentir-me vivo! :) ]
    42,195 ABRAÇOS (Já te disse que és o meu Maratonista preferido?. Calos Cardoso e outro nada de ciumes que vocês são os meus Ultra Maratonista preferidos!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Jorge!
      O teu maratonista preferido corre na liga dos últimos, mas o clube do meu coração também joga na liga dos últimos :)

      Um abraço :)

      Excluir
    2. Não sou ciumento, e "perder" para o João Lima não é vergonha nenhuma :):):)
      Aquele abraço

      Excluir
  4. Parabéns João pela decisão que tomaste ao enveredar nas corridas, que te reservaram algumas supresas!
    No meu retorno à corrida também me lembro de me convidarem para uma prova de 10 km e eu responder que era muito!
    Continua!

    Gostei da foto, e claro, do cabelo à metaleiro! :)
    Up the Irons! :)

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Metaleiro?!? (eh eh)

      Obrigado e um abraço

      Excluir
  5. Que espetaculo.. A minha primeira prova também foi nesta ponte, mas atirei-me de cabeça à meia! Penso que em 2004 ou 2005. Cometi tantos, mas tantos erros eheh A diferença é que cheguei completamente esgotado, mesmo ao ponto de não conseguir dar 2 passos seguidos! Foi horrível! ... demorei mais ou menos 2 dias até me inscrever noutra ehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eh eh!
      Mas olha, nunca vi tanta gente a ser assistida perto do fim como este ano. Cheira-me que havia lá muita gente sem experiência e quilómetros para a distância e que foi sem estar preparada.

      Um abraço!

      Excluir
    2. Este teu post fez-me ir revirar os resultados da Meia de Lisboa e lá me encontrei! Foi mesmo em 2005, há 10 anos! 2h10, depois de passar aos 10km com 50 minutos. Devia achar que eram só 12km ehehe

      Excluir
    3. Deve ter sido um daqueles estoiros que se ouviu na outra banda! :)

      Excluir
  6. Muito bom! Venham mais nove... ou noventa. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Noventa... deixa-me fazer contas... terei 145 anos... hum... quem sabe?!? (ih ih ih)

      Um abraço

      Excluir
  7. E em 9 anos o tanto que já conquistaste!
    És um grande atleta a todos os níveis, mas principalmente a nível de solidariedade, amizade e humildade.

    Este vício saudável só nos faz é bem a todos.
    Que continues a correr por muitos muitos anos e a espalhar alegria pelo pelotão.

    Beijinhos grandes amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, amiga, pelas tuas palavras.

      E agora imagina tu, em relação ao número que falámos ontem, em quanto irás quando fizeres 9 anos de corridas :)

      Beijinhos e força para este restinho que falta! :)

      Excluir
  8. Bom, o estilo é TOP!!! Cabelinho comprido... Ficava-te bem!
    Destaco do teu relato a emoção das primeiras provas. O sentimento de nervoso miudinho, que tentamos desvalorizar (porque afinal é só uma corrida e nem sequer vamos competir 'à séria') mas que nos consome por dentro. Recordo-me bem das minhas primeiras e com saudades. Muitas...

    Beijinhos e parabéns por esse fantástico CV :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora até que enfim que alguém elogia o "style" :)

      Obrigado, Anabela. Beijinhos :)

      Excluir