terça-feira, 25 de março de 2014

241 batoteiros desclassificados na Meia da Ponte


Seja qual for o propósito de um atleta numa corrida (quer por competição, prazer ou brincadeira), o respeito pelas regras e pelos restantes intervenientes, tem que estar sempre no topo das suas prioridades, onde se destaca correr devidamente inscrito e ter realizado o percurso na integra, caso corte a meta.
Foram mais ou menos estas as palavras com que comecei este artigo em Abril do ano passado.

Vinha a propósito de na edição de 2013 da Meia-Maratona de Lisboa terem sido desclassificados 169 ditos atletas  que não cumpriram as regras, muitos cortando aos 15 kms directamente para a meta, cortando-a num tempo muito inferior ao que poderiam realizar, numa distância que não foi a sua.

Pois este flagelo aumentou este ano. Pelas mais diversas razões, seja por não terem cumprido na íntegra o trajecto, por terem corrido com dorsais fotocopiados, trocados, do ano passado, homens com dorsais de mulheres, etc. Até houve quem pintasse o dorsal para entrar na zona vip!

Após a primeira classificação publicada, com 9.648 classificados, esse número desceu agora para 9.407 pois foram desclassificados 241 batoteiros. Uma relação de 2,5%, número acima dos 2,0% de 2013.

Já no ano passado apelidei-os desta forma, o que suscitou algumas críticas, "corajosamente" anónimas, mas repito e friso a palavra. Quem não cumpre as regras faz batota, quem faz batota é batoteiro. Temos que chamar as coisas pelos seus nomes e deixar de apaparicar situações que colocam em causa o bem que são as nossas corridas.

A nova classificação geral, expurgada de quem não mereceu entrar nela, pode ser vista aqui

46 comentários:

  1. Nem mais. São batoteiros mesmo. Já para não falar na mini que também tinha a sua quota parte de batoteiros. Espero que para o ano a organização esteja mais atenta a estas situações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As organizações podem fazer alguma coisa mas não tudo. Parte muito da falta de educação e cultura que muitos ostentam.

      Beijinhos

      Excluir
  2. Isso nem parece batota. Então andamos a treinar de graça, ao frio, chuva etc para depois pagar e ainda por cima fazer uma distancia inferior? Isso é mesmo de BURRO

    ResponderExcluir
  3. São os Xico-Espertos da nossa praça...que infelizmente abundam.

    São felizes assim: a desrespeitarem o outro, a arranjarem esquemas manhosos, a falsiarem dados, tudo pela imensa satisfação que lhes dá o facto de ao agirem assim, se sentirem de alguma forma superiores aos restantes mortais: eles foram mais espertos, eles enganaram alguém, eles conseguiram obter o "prémio" sem ter de fazer o que os outros fazem. Este cenário é vulgar na idade infantil até alguém os ensinar ou perceberem por si próprios que tal não etá correcto e se estamos a enganar alguém, é a nós proprios que enganamos principalmente..mas há seres que continuam na mesma idade mental e nunca chegam à idade adulta...

    Maturidade nem sempre vem com a idade... e respeitar o outro...não é para todos...

    ResponderExcluir
  4. Quem faz batota simplesmente não comprrende o que é ser um atleta de pelotão, aquele que sabe que não tem hipótese de correr para ganhar qualquer prémio, que não seja aquele, que porventura será mesmo o mais importante, que é desafiar os seus limites, saber que é capaz e que consegue fazer melhor do que já fez anteriormente.

    Simplesmente não são atletas, pois não conseguem perceber o que isso significa.

    Fernando Varela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Completamente de acordo. E não há satisfação maior que conseguirmos alcançar os nossos sonhos ou, não conseguindo, lutar por eles. E essa satisfação, nunca irão sentir!

      Um abraço

      Excluir
  5. Apoiado João, é de facto muita gente sem vergonha, junto dos pórticos de controlo devia haver um rigoroso controlo dos atletas e partir daí tirá-los da corrida, sei que não é fácil mas enquanto estes batoteiros não deixarem de o ser tem que ser feito alguma coisa, abraço

    ResponderExcluir
  6. Apoiado João , esta gente não merece outro tratamento, ainda não consegui perceber o que leva estes trapaceiros a terem uma conduta destas, duplicação de números, cortar caminho, artistas a pintar outras coisas é facto demasiado, se sabem quem foram os autores só há uma medida a tomar: impedi-los de se inscreverem em próximas edições, é muito dinheiro deitado fora? Creio que é um preço a pagar para limpar os batoteiros de andarem infiltrados, nesta e em outras provas. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Adelino, deveria haver uma forma de os castigar durante x tempo

      Um abraço

      Excluir
  7. Eu não diria só batoteiros, Apelido esses "artista" de falta de ética, despidos de valores morais que não sabem respeitar o seu semelhante. Indivíduos sem formação moral e um mau exemplo para quem é amante do desporto .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso temos que denunciar estes casos e não virar as costas. Temos que proteger o que estimamos.

      Um abraço

      Excluir
  8. O pior é que o exemplos vêm de cima!
    Com a cambada de políticos corruptos que temos (mas não todos que há quem esteja na politica para servir os outros e não servir-se a si próprio) com a corrupção que grassa em Portugal como é que as pessoas podem ter bons exemplos para seguir?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que muitos confundem cargos de responsabilidade com impunidade e poder de usar o poder...

      Excluir
  9. Já agora em relação à mini a situação talvez seja algo diferente visto aquilo não ter classificação e ser mais um passeio que outra coisa! E quanto as organizações estarem mais atentas é completamente impossível um controle total de uma prova no que toca a batoteiros a não ser que sejam só meia dúzia a correr!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens razão. Casos como este, a organização apenas pode actuar após, como aconteceu e bem. Não é possível na altura, com a série de atletas que chega por minuto, detectar logo se fez a distância correcta ou não.

      Um abraço

      Excluir
  10. Enfim...tá tudo dito...são coisas que eu não entendo...falta de respeito pelos outros e por eles próprios. Infelizmente estes 241 que foram apanhados não serão os únicos. Depois existe ainda a batota escondida - quanto mais ando neste meio, mais incrédulo fico com algumas situações - só como exemplo, nem imaginam a quantidade de "dopados" que andam no meio do nosso pelotão, e atletas daqueles de meio/fim de pelotão como eu.....correr sérios riscos de saúde para ficar em 237ºlugar e um tempo mediano???? Enfim...além de batoteiros são doidos!!!
    Felizmente a grande grande, grande maioria não é BATOTEIRA!!!
    Fica na consciência de cada um.
    Abraço e parabéns por colocares mais uma vez o dedo na ferida.

    P.S. Uma valente lista de Batoteiros, com nomes e fotografias a corta a meta sorridentes....para vermos os rostos da batota....isso é que era...mas teria que ser a organização a fazer isso....eu ajudava a divulgar ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também colocas o dedo na ferida com o doping. Há quem o faça à caca de prémios no seu escalão e quem o faça para mostrar a amigos que conseguiram um determinado feito. Loucos e do pior que há. Deveriam existir controlos surpresa. No caso dos escalões, prejudicam os restantes de duas formas, por lutarem com armas desiguais e ilícitas e, não existindo o controlo, poderem também lançar a dúvida sobre os restantes.

      Mas como dizes e bem, a maioria não é assim e dos fracos não reza (ou não deveria rezar) a história!

      Um abraço

      Excluir
    2. Essa lista de batoteiros não seria difícil de fazer, daria um pouco de trabalho... Bastava comparar quem constava na 1ª classificação e nesta já não aparece. Mais, fui ao site da prova e reparei que o número de participantes baixou dos 9407 para 9385, ou seja, apanharam mais 22 batoteiros! E o primeiro destes 22 que foi desclassificado ficou em 181º lugar na tabela que o João disponibilizou, com o dorsal nº 7094...

      Excluir
    3. O número 9407 era a soma de 9389 mais as 18 de elite feminina que têm classificação à parte. Assim sendo, há mais 4 em vez de 22

      Um abraço

      Excluir
    4. Sim, tens razão. Acresce 4 à lista. Abraço!

      Excluir
  11. Não estava minimamente ciente deste "flagelo"! Nem sequer imaginei que houvesse pessoas deliberadamente a fazer batota numa corrida popular! Mas qual é o objectivo?! E pelos vistos estamos a falar de atletas de pelotão. Mas a ideia não é superar-nos a nós próprios? Ou será que fazem batota e depois recalcam a memória para continuar a sentirem-se vencedores? Olha, bom pra eles..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo Filipe. A sensação de nos termos superado é impagável! O que sentirão eles? Pois não sei... Mas também serão pessoas com "valores" muito diferentes dos nossos...

      Um abraço

      Excluir
  12. Já agora, existe a outra classe de batoteiros.... Homens a correrem em escalões de mulheres.... jovens a correr com dorsais de gente de idade... É dificil mitigar estes riscos... mas podem ser tomadas medidas... eu ja dei algumas ideias às organizações...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Homens a correrem com dorsal de mulher foi mato nesta prova. Basta ver a primeira classificação publicada e a última para ver o impacto que teve nos lugares cimeiros nos escalões femininos.

      Um abraço

      Excluir
  13. Como sempre um artigo e dos bons a chamar os toiros pelos cornos. A estes batoteiros seria a pena capital. não mais os seus nomes seriam aceites para provas pelo menos na Ponte. Acabava-se com esta corja que tudo faz para irem para a ponte mesmo com nomes femininos e com bigode farto.

    A meu lado na ponte estava um que se vangloriava pelo facto de lá estar sem pagar. Eu olhei e tinha dorsal. Como o fez? Colocou em cima do ano 2013 uma nova tarja com o ano 2014. E isso porque a organização mantém o mesmo tipo de dorsal todos os anos e, a estes xico-espertos, basta-lhes mudar o ano e está feito.

    Mas isto não tem cura, falam de ladrões a quem governa e depois esses mesmo no terreno, fazem o mesmo. São estes pequenos nadas que podem fazer pois se pudessem fazer os grandes "nadas" (para eles) seriam iguais a quem tanto criticam.

    A 6ª classificada no mais F60 tinha ficado à frente da Analice (8ª) e só fez a caminhada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Mário. Há um modo de vida enraizado do pequeno delito. E digo pequeno porque não têm acesso a mais, pois quando têm, temos do mesmo!

      Um abraço

      Excluir
  14. Em 1º o mais importante, Parabéns João pela participação e conclusão de mais uma Meia, facto que é sempre digno de ser realçado. Depois o menos importante, ou melhor, o que não tem qualquer importância, os BATOTEIROS. Somos um País onde essa raça abunda e num evento com esta projecção, 241 almas pobres representam nem 3% do total dos outros, aqueles que tal como o João foram ali para participar e para superar um qualquer objectivo auto-proposto. Acho que o melhor será ignorá-los, porque sempre houve e dificilmente deixará de haver essa sub-espécie que se junta, por exemplo, à sub-espécie dos PORCOS, que numa prova continuam a deixar atrás de si um rasto de lixo. Se bem que seja difícil ignorá-los ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens toda a razão! Dos fracos não deveria rezar a história. Mas indigna e se não se tomarem medidas, vão aumentando. O ano passado foram 2,0% e este ano 2,5%...

      Um abraço

      Excluir
  15. Não sei qual será o prazer de se enganarem a eles próprios...

    Hasta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitos vivem da imagem e ilusão...

      Um abraço

      Excluir
  16. Não posso concordar com esyas palavras. Concordo que alguns tenham a intencão de enganar o proximo, maa por acaso alguem viu forma de quem desiste passar sem ser pela meta? Porque razão a organização não retira logo da classificação os atletas que não têm todos os controles. Eu senti-me mal por volta dos 15 km, voltei para trás ao fim de algum tempo, e não quis enganar ninguem, escrevo no blog prazer do desporto e não coloquei lá o meu nome nem tempo. Não somos todos vigaros.
    Jose andrade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro José Andrade, porquê a necessidade de se passar a meta? Eu desisti em Cascais, retirei o dorsal, regressei pelo passeio mas não fui para a meta. Na Meia da Ponte, e aos 15 kms, podia-se passar para o passeio sem qualquer problema, não havia necessidade de ir para a meta. Aliás perto da meta, após a curva e já na recta final, vi um elemento da organização a desviar um atleta sem dorsal que saiu por uma abertura nas cancelas. Portanto quem desiste tem mil e uma formas de sair, o que não pode fazer é cortar a meta pois não cumpriu o trajecto na sua totalidade.

      Excluir

  17. Muito bem João , temos que desmascarar estes "artistas" , já o ano passado desconfiei de alguns tempos de malta cá da minha praça...depois de conferir as passagens vi que de facto fizeram batota.Tambem este ano vi um tipo cá do Burgo que fez 1:23:05 ...desconfiado fui ver a passagem lá estava...não passou . ...A desonestidade infelizmente está em todos os sectores da sociedade .ABRAÇO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois esse super campeão agora já não deverá constar na classificação...

      Um abraço

      Excluir
  18. Estive a ler o teu artigo sobre o que se passou na meia maratona da ponte 25 Abril e claro, já sabes que estou totalmente de acordo contigo. E li os comentários dos leitores, à excepção de um, todos concordam contigo. Mas infelizmente, os batoteiros existirão sempre por muito que as Organizações os combatam. É o que se passa na sociedade portuguesa e o atletismo não é uma ilha/paraíso. O que é curioso é que muitos destes batoteiros serem muito críticos das corrupções do peixe graúdo que vamos ouvindo diariamente nos meios de comunicação social. Olha se eles também lá estivessem!

    Manuel Sequeira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela tua sempre oportuna opinião, Sequeira

      Um abraço

      Excluir
  19. Nem todos são vígaros, como diz o José Andrade. Eu senti-me mal, desisti aos 15 km e cortei a meta pura e simplesmente porque queria muito uma garrafa de água e uma banana... e até paguei para para isso, certo? E tirar o chip e o dorsal nem sequer me ocorreu porque, na minha ingenuidade, confesso que sempre pensei que ia ter desclassificação automática porque não passei em todos os controlos. Qual não foi o meu espanto quando me disseram que o meu nome aparecia na classificação geral!
    Há muitos batoteiros, sem dúvida. Mas as pessoas sabem que se não passarem em todos os controlos são desclassificadas. Não deixa de ser estranho que se faça batota quando se sabe que se vai ser "apanhado". Acho por isso que não devia generalizar-se dessa forma a suposta leviandade de quem não faz o percurso todo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro anónimo. Se a necessidade era de água, havia um ponto de reabastecimento exactamente aos 15, enquanto a meta estava a 2 kms...
      Sobre as pessoas saberem que são desclassificadas se não passarem nos controlos, infelizmente nem todas as organizações fazem isso, e além disso, também sabem que aparecem na primeira classificação pelo benefício da dúvida. O chip pode ter falhado no controlo e se não aparecesse na classificação tendo feito tudo, caía o Carmo e a Trindade. Todos exigem que a classificação seja célere, não dá tempo para grandes verificações. Tal fica reservado nos próximos dias.
      E o que se ganha com isso? O que já vi nalguns com tempos impossíveis para si, publicarem logo no Facebook o seu diploma como se real tivesse sido esse feito. Depois... depois quem vai verificar se esse "herói" ainda aparece na classificação?
      Isto há gente para tudo...
      Eu já desisti em provas e uma coisa que sei é que a meta está reservada para quem cumpriu na integra o trajecto. E não é como já me disseram que foram apenas buscar a medalha pois tinham pago por ela. A medalha não se compra, é um prémio que atesta o atleta ter efectuado o percurso.

      Excluir
  20. Segundo a nova classificação subi uma posição :)
    Parece que anda por aí pessoal que ainda não percebeu o prazer da corrida e não se conforma com a sua posição geral e não tenta é tirar o que isso tem de positivo.
    Não adianta fazer batota, esta malta anda a tentar enganar quem?
    Quando não corre bem paciência. Cada um só tem que provar alguma coisa a si mesmo, quando se corre em função de outras questões perde-se tudo o que a corrida tem de bom.
    Existe gente para tudo, com o aumento do numero de pessoas a correr é natural que se comece a ver mais situações destas pois o numero de pessoas á partida tem vindo a aumentar e consequentemente aumenta a pressão de não se conseguir um bom tempo porque se parte lá de trás.
    É preciso que cada um saiba a sua posição, não adianta uma pessoa se posicionar na frente da linha de partida se depois vai demorar uma hora a correr 10K, se calhar devem pensar que vão ser empurrados. :)
    Nesta prova em particular passei por pessoas a andar ao fim de 500 metros, continuo a achar isso um pouco estranho apesar de não ir com a ideia de me preocupar que estas questões, mas uma pessoa não consegue deixar de reparar nelas.
    A meia maratona que melhor me correu até comecei bem lá do fundo e não foi por isso que não fiz o meu melhor tempo nessa distancia.
    Apesar de não participar em muitas provas já percebi qual a minha posição na linha de partida, talvez também por esta razão prefiro provas mais longa pois não existe o problema de começar mais atrasado pois temos muito tempo para recuperar.
    Resta agora a cada um saber a sua posição.
    Boas corridas

    abraço

    Manuel Nunes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, caro amigo
      Há coisas que para atletas como nós não encaixam...

      Um abraço

      Excluir
  21. Penso que, no caso específico da meia de Lisboa, conseguia-se evitar isto se os Jerónimos fossem o ponto final da corrida porque passar ao lado da meta e ter de fazer mais meia dúzia de quilómetros pode ser bastante duro, do ponto de vista psicológico, para alguns corredores (embora não desculpe, claro !).

    As primeiras edições da meia maratona de Lisboa desciam da ponte, chegavam a Alcântara, iam ao Rossio e terminavam assim que se chegava aos Jerónimos. Pena que não possa ser assim até porque era muito mais agradável correr pelo cais do Sodré, praça do comércio, praça da figueira e rossio, do que fazer o equivalente lá para o Dafundo onde já não há nada de nada para ver. Ir até à torre de Belém e regressar, como na corrida da APAV, compreende-se, agora ir ao Dafundo ? Mas, pronto, penso que seja o preço a pagar para termos em Lisboa uma das melhores meias do mundo.

    Abraço
    Ricardo_A

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que será por uma questão de trânsito/policiamento

      Um abraço

      Excluir
  22. Tudo dito!
    Penso que há de tudo, o xico esperto que está lá sem pagar, sempre achei que os dorsais trocados entre homens e mulheres tinham a ver com a desistência, antes da prova, delas...agora já não digo nada.
    Claro que quando passei na zona da meta e segui vi caras alegres a chegar, contrastando com as esforço generalizado.
    Sendo esta uma corrida popular desculpo mais alguns casos, ficou na memoria 2 piquenas de 2@ anitos, quiseram ir à Meia e pagaram mais por isso, ficaram cansadas, quiçá despenteadas, e por isso ficamos já aqui...mas passamos a meta, é mais Fashion...
    Também há quem se inscreva na Mini e tente ou faça a Meia...e depois podemos entrar no doping mas nem quero ir por ai.
    Percebo a suplementação, claro, nunca o doping, mas se até no ginásio, para competirem pelo músculo mais inchado do espelho eu os vejo:-(!
    É um problema cultural, não apenas português, mas que afecta transversalmente a nossa sociedade.
    Não fosse lançar uma suspeita sobre todos nós, que treinamos, sofremos, lutámos connosco para atingir aquele objectivo nem ligava a esses cromos.
    Mas eles andem aí, temos, e tu João o fizeste muito bem, que mostrar que existem mas sem lhe dar demasiada importância.
    Abraços.

    ResponderExcluir