domingo, 24 de novembro de 2013

Mendiga sempre!


Os nossos companheiros de viagem, o sempre simpático casal Nuno/Sandra

Com boas provas ao pé de casa, o que me tem levado a percorrer 130 quilómetros até uma pequena povoação chamada Mendiga, pelo 4º ano consecutivo? 

Esta pergunta só tem razão de ser se feita por alguém que não conhece este verdadeiro acontecimento chamado Grande Prémio da Mendiga e onde a corrida é apenas um pretexto.


Localizada no concelho de Porto Mós e com uma população de 930 habitantes (censos 2011), unem-se para dar vida a esta prova de Atletismo, usando o lema "Mendiga sabe receber". 
O ponto nevrálgico é o pavilhão onde decorre uma feira de artigos regionais, daqueles que em linguagem científica costumam caracterizar-se como "bons comó caraças!". A animação é dada por um grupo regional, desta feita composta por 4 jovens acordeonistas. A simpatia das suas gentes está presente em todo o momento, antes, durante e após a prova. Corrida que tem uma extensão de 16.300 metros e que decorre junto ao sopé da Serra d'Aire, num percurso agradável e selectivo qb. Dois reabastecimentos e no final mais água, bolos, fruta e um troféu de presença.

O troféu de presença

Segue-se o momento que todos anseiam, o almoço convívio, bem servido, sem esperas e com a animação do tal grupo. Todos se divertem e convivem pois o Atletismo é isto, a corrida um motivo.

O animado pavilhão onde se almoça

No final, regresso ao salão onde decorre a tal feira para sobremesa, entrega de prémios e sorteios que vão desde um fim-de-semana, bicicleta, presunto, etc.

No salão da feira regional e entrega de prémios

No regresso, trazemos a certeza que ainda há esperança quando se encontra uma população assim tão generosa. 

Mendiga, só se não puder mesmo é que não estarei sempre presente!

Apesar da crise que tem feito diminuir a presença em provas mais afastadas, esta manteve-se praticamente na casa das 4 centenas, quase sempre os mesmos que após descobrirem esta pérola no nosso calendário, não prescindem de aí regressar.

O vencedores, Carlos Silva e Vera Nunes

Os vencedores foram exactamente os mesmo do ano passado, Carlos Silva, então no Sporting e agora no Gabinete Fisioterapia Desporto / Reboleira, que marcou 51.14, e Vera Nunes do Benfica que com os seus 59.34 retirou 1.06 à sua marca do ano passado, 3 semanas após brilhante estreia na mítica distância em Nova Iorque.

Colectivamente, o Gabinete Fisioterapia Desporto / Reboleira venceu, seguidos pelos meus vizinhos dos Leões de Porto Salvo.

A escassos metros da meta

Quanto à minha corrida, foi a possível e até meteu guerra interna, naquela que foi a marca mais fraca das minhas 4 participações. Curiosamente os meus tempos têm vindo a piorar edição após edição. Iniciei-me em 2010 com um espectacular, para mim, 1.28.05, uma marca que aos 15 era muito próxima do meu record da tripla légua, e apenas uma semana após ter baixado pela 2ª vez, e última até agora (até quando ou para sempre?) das 2 horas numa Meia, no caso Nazaré. Em 2011 registei 1.32.34 que é uma muito boa marca para mim, tal como os 1.33.07 feitos em 2012, numa edição que corri com todo o cuidado pois estava a 2 semanas da minha bem sucedida estreia na Maratona.

Hoje marquei 1.35.19 e os primeiros 4 quilómetros foram em guerra cabeçal pois esta estava armada em parva, fruto de não andar muito bem (como já desabafei aqui). Aos 4, passei por um fotógrafo que me incentivou com um "Vamos lá, força!". Acredite-se ou não, ao ouvir esta frase reagi e lutei o resto da prova, tendo como objectivo uma média abaixo de 6 minutos ao quilómetro, acabando por ser 5.50 que me satisfez relativamente. Às vezes basta uma palavra ou um gesto para mudarmos o chip.

De ontem a 3 meses é o dia da Maratona de Sevilha e prova-se que tenho muito trabalho pela frente.





16 comentários:

  1. Vamos amigo ...o amanha será melhor , coragem que só os fracos desistem de lutar.Estou em querer que com reforço da parte mental a parte fisica vai vir ao de cima , como se provou com aquele pequeno mas util incentivo do fotografo.um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo Costa. Isto vai ao sítio, não é é como eu quero. Tem que se ter paciência.

      Um abraço

      Excluir
  2. Pode ter sido a tua mais baixa marca de vários anos em que marcas presença, mas o que importa não é ter lá ido e desfrutar de todo o ambiente!? :D Força Padrinho!!! O amanhã será melhor. E há dias assim... Só nos resta levantar a cabeça e seguir em frente.

    Adorei o troféu de presença. Que lindo.

    Beijinhos Padrinho e força!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sem dúvida Marta. O que referi sobre o tempo foi apenas uma curiosidade estatística (tenho a mania das estatísticas!).

      Beijinhos, afilhada, e obrigado pela tua força! :)

      Excluir
  3. João, o troféu é lindissimo, para o ano tenho de ir a essa prova.

    Abraço
    João Dias

    ResponderExcluir
  4. Amigo, todos temos alturas menos boas e corridas ou treinos que correm menos bem. Não te preocupes, vive mas é cada corrida ao máximo. Desfruta, vive e sorri.

    Beijinhos e uma boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não anda fácil mas isto passa. Readapto-me.

      Beijinhos e uma boa semana

      Excluir
  5. Enquanto andar nas provas é sinal que ainda tem saúde e vitalidade para isso, portanto é correr!

    ResponderExcluir
  6. Estás a correr estás óptimo!
    Olha que conheço um sujeito que está parado desde Setembro!
    Deixa-te disso da marcas e corre pá! E se feliz "rapaz"!.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não me expliquei quando falei de marcas. Foi uma mera curiosidade estatística. O que me preocupou foi a guerra interna que tive que travar. O que me preocupa é estar com falta de alegria. Não confundir com motivação pois essa continua sempre em alta.
      O que queres, Jorge, sou uma pessoa complicada! Mas vou dar a volta, readaptar-me à nova situação e conquistar Sevilha

      Um abraço

      Excluir
  7. Olha João, prá frente é que é o caminho...muita força para Sevilha.
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pela prova e por teres vencido a guerra interna. :)
    Esse troféu é mesmo engraçado, tem um ar retro, dos troféus de antigamente que o meu pai trazia para casa... Tive um flashback a olhar para essa foto! :)
    Beijinhos e mucha fuerza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso foi muito importante, vencer a tal guerra.

      Gracias, besos niña :)

      Excluir