segunda-feira, 4 de novembro de 2013

A Mãe das corridas abertas a todos


Imaginemos que as provas de estrada eram escassas, anualmente uma meia-dúzia, e apenas reservadas a poucas dezenas de federados.
Imaginemos que os poucos "loucos" que se atreviam a equipar e ir correr para a rua eram insultados com o mais comum "vai trabalhar malandro!" e, ainda mais improvável, se fosse mulher os insultos seriam da maior grosseria e onde os suaves diziam "vai mas é para a cozinha!".

Imaginemos isso e o que seríamos de nós sem as nossas corridas. Um pesadelo?

Pois era assim o Portugal de há 40 anos atrás até surgir um conceito inovador apelidado de "Corrida aberta a todos". Estávamos a 16 de Novembro de 1975 e essa corrida foi igualmente a primeira Meia-Maratona que se realizou no nosso país. E assim, a Meia-Maratona da Nazaré passou a ser apelidada carinhosamente de Mãe. Mãe das Meias-Maratonas em Portugal e Mãe do espírito de corrida que nos envolve a todos, os verdadeiros atletas de pelotão.

Foram 146 os que participaram nessa histórica primeira edição. Mais do dobro no ano seguinte, 310 que triplicaram na 3ª edição, antes de se quebrar a barreira do milhar e ir até os 3 mil entre 1985 e 1987.
A série de outras corridas que foram aparecendo, verdadeira descendência, e uma escassa divulgação, fez que nos últimos 20 anos o número de participantes se fique na casa dos mil e qualquer coisa. Entre eles, muitos somando participações atrás de participações neste evento pois a visita à Mãe é obrigatória no calendário.

Actualmente quase reservada a atletas de pelotão, nos anos iniciais tinha forte representação da elite, como se comprova, como exemplo, pelas 7 vitórias da grande campeã Rosa Mota que tem marcado presença nos últimos anos ficando junto à meta a incentivar quem chega (como se pode confirmar pela foto ao lado). Ou também o record mundial feminino fixado em 1978 pela belga Danny Justin, na altura em 1.17,49 quando ainda não era habitual a presença feminina nestas distâncias.

Muitas e muitas histórias existem mas destaco esta pela diferença em relação aos dias de hoje em que as classificações são feitas automaticamente pela leitura do chip no tapete da chegada. 
Na altura, não havia chips. Imagine-se classificar correctamente mais de 3.000 atletas sem chip e com cronometragem manual. Os atletas cortavam a meta e eram incentivados a não abrandarem e a dirigirem-se ao corredor que ia sendo aberto com uma corda que andava dum lado para o outro. Mal um corredor estava cheio, era aberto outro e todos cortavam a meta a correr sem apanharem a fila antes. Quando um corredor era escoado, logo ficava disponível para outra leva. E assim ocupava-se toda a praça.
Na meta estavam cronometristas que iam picando o cronómetro por cada atleta que cruzava a meta, e havia alturas que eram a uma média superior a 1 atleta por segundo. Quem estava a controlar a passagem nos corredores, e que verificava se o atleta vinha com a senha que era dada no retorno, ia fazendo a lista dos dorsais dos atletas e ia sendo tudo entregue a dactilógrafos que, com as antigas máquinas de escrever, iam elaborando a classificação. E ficava tudo certinho! Aqui, podem ser consultadas as classificações completas de 29 das 38 edições já disputadas, muitas desses tempos heróicos.

No próximo domingo, quando soarem as 11 horas e o tiro de partida para 39ª edição, todo e qualquer atleta não será apenas mais um a participar, pois cada passada que der é estar a reescrever a história sempre actual desta prova que mudou o Atletismo em Portugal e a vida de tantos nós. 

Vai ser a minha 5ª presença na Nazaré. Quem mais vai?



22 comentários:

  1. Estou inscrito, mas como ainda não posso estar em dois locais ao mesmo tempo vou aos trilhos de Casainhos.... Não posso ir porque vou estar de serviço e saio domingo de manhã e não chego a tempo... É pena, gostava mesmo de ir... Boa sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica para o ano

      Um abraço e bons Casainhos

      Excluir
  2. Presente salvo caso de força maior, é com a minha meia preferida (a das Lampas) uma "meia" que não dispenso, desde 2007 (quando voltei a correr meias) que só faltei uma vez e por estar impedido de correr devido a uma queda que sofri na altura. Curiosamente e uma meia onde tenho alguns dos meus melhores registos na distância.
    Até domingo na terra da mãe ou a caminho da mesma (como no ano passado).
    Abraço,
    António Almeida

    ResponderExcluir
  3. Bem eu não vou até porque nem estou a treinar mas, e com todo o respeito pela Meia da Nazaré, se estivesse a correr iria aos Trilhos de Casainhos. Para mim a provas em estrada já pouco me dizem e a Nazaré também já não me seduz particularmente por razões que não quero expor mas que sei que há quem as entenda perfeitamente (embora sejam poucos).
    No meu ponto de vista pessoal estaria a prestar uma homenagem muito maior ao espírito do que foi as provas abertas a todos e ao próprio espírito dos primeiros anos da Meia da Nazaré estando nos Casainhos. Mas infelizmente não vou poder estar em nenhuma das provas.
    Boa Meia Maratona da Nazaré, Bons Trilhos de Casainhos a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Terás as tuas razões, tal como eu só tenho a dizer bem dos anos que lá fui, sentindo sempre bem presente o espírito que norteou o seu aparecimento

      Um abraço

      Excluir
  4. Este ano vais lá estar sem mim, com muito pena minha..
    Boa prova, beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É pena pois já estava a ser habitual fazermos esta Meia juntos :)

      Boa recuperação

      Beijinhos

      Excluir
  5. Salvo algum imprevisto estarei presente. Vai ser a minha primeira na Nazaré.
    Um abraço e bons treinos.
    João Dias

    ResponderExcluir
  6. Também fui cliente assíduo nos anos 80. Para que conste um dos meus amigos Arons de Carvalho até à muito poucos anos era o, ou um, dos totalistas desta excelente prova que deu a conhecer para o desporto a Nazaré.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Arons de Carvalho tem 35 participações em 38 edições, sendo Henrique Hélder quem mais presenças conta, 37, sendo que apenas não esteve presente na primeira por contar apenas 14 anos mas colaborou com a organização!

      Um abraço

      Excluir
  7. Óbvio que vou fazer uma visita à mãe :)
    Artigo muito interessante, parabéns por toda a pesquisa que fazes para que todos possamos estar mais informados e darmos valor aquilo que temos hoje em dia nas corridas.
    Beijinho grande.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Isa :)

      Vais gostar!

      Beijinhos e bons treinos

      Excluir
  8. Muito interesante João.
    Não fazia ideia porque é que a chamavam de mãe e ainda bem que explicaste, pois fiquei ainda com mais vontade de para o ano estreá-la. É uma vila fantástica da qual guardo bastantes recordações de infância com muita alegria. É sempre óptimo visitar esta tão bonita Nazaré, e se poder fazer isso de forma diferente do habitual pois então vamos a isso. 2014 estou lá!

    Boa sorte Padrinho. Tem uma boa prova.
    Beijinhos e resto de boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E fazes muito bem em estar lá em 2014 pois é uma prova imperdível. Pela corrida em si e pelo seu passado.

      Obrigado e beijinhos, afilhada :)

      Excluir
  9. Se Deus quiser este ano também vou , foi aqui que me estreei nesta distancia , continua a ser uma das minhas favoritas , pena que tenha que fazer cerca de 600km para participar(ida e volta)mas estou inscrito tal como a Natércia e um grupo de amigos, é provável que a gente se encontre.Quanto ás participações O Jaime Pereira , um dos atletas mais antigos do pelotão Diz que já participou em 37 edições , só faltou á primeira , acredito que esteja a falar verdade pois dos primeiros a correr o pais em provas de estrada e o responsável do grande atleta que foi António Pinto pois foi ele que o descobriu .Domingo ele também vai.um abraço Joaõ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora então lá nos vamos encontrar!

      Quanto a Jaime Pereira, não encontro nenhum atleta com esse nome na 2ª edição.

      Um abraço

      Excluir
  10. Lá estarei! Todavia com o empeno que trago da maratona do Porto, será apenas por uma questão de consideração que a "Mãe" me merece. Esta prova tem ainda um valor muito especial para mim, porque foi lá que me estreei nas corridas em 2011!
    Boa prova e um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é que é coragem, uma Meia uma semana depois da Maratona! :)
      Mas a Nazaré merece!

      Boa prova e um abraço

      Excluir
  11. Uma prova que ainda não fiz, mas que está na "lista de espera".
    Obrigada João, uma vez mais, pelas explicações. Tenho aprendido muito aqui neste teu cantinho!

    Boa prova!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas tuas palavras, Anabela, mas todos aprendemos com todos :)

      Beijinhos

      Excluir