sábado, 6 de julho de 2019

E aos vinte e um... catrapum!

Há duas semanas fiz um longo de 20 km onde a intenção era marcar menos de duas horas. Mais fácil em corrida, rodeado por outros atletas e a estrada cortada, em treino é menos acessível mas consegui, o que para início de preparação para o Porto foi muito positivo.

Hoje o plano marcava 25 km mas menos de 2.30. Indo a ritmo de salvaguarda, conseguiria chegar aos 25 sem muitos problemas, mas a ter que ser nesse ritmo e sempre sozinho, logo se via. Ao menos ia tentar.

Arranque às 7.30, pouco calor e céu encoberto, foram uma boa ajuda.

Até aos 15 a média estava muito "rés vés Campo de Ourique" mas após uns km mais vivos, cerca dos 21 já apontava para umas 2.28

Já sentia algum natural cansaço mas com a sensação que iria manter o ritmo e atingir o objectivo, a menos que algo sucedesse. E sucedeu...

Mais ao menos na parte de passeio em frente à estação de Caxias, pouco depois de ter saído do passeio marítimo Cruz Quebrada-Caxias, tropecei em algo e dei um mo-nu-men-tal tralho!

Foi daquelas quedas que nem deu tempo para aperceber, foi estar em pé e de imediato no chão. Caí com o lado direito e com o embalo, fiz uma espécie de cambalhota, meio para frente, meio para o lado. Ainda fiquei um par de segundos no chão a tentar perceber o que tinha acabado de acontecer e veio em meu auxílio uma rapariga que estava a correr na minha direcção. 

Julgo que estava mais assustada do que eu ao ver aquele aparato, deve ter pensado que me tinha partido todo. Fiz um rápido check-up e disse que parecia estar bem. Ela aconselhou-me, e bem, a não correr mais pois podia ter magoado qualquer coisa e não sentir por estar quente e ir agravar. Agradeci-lhe, apesar de ainda estar meio abananado com a queda. Se por alguma razão estiver a ler isto, um enorme agradecimento pela pronta e simpática assistência!

Estava a 4 km do carro e fui a andar muito calmamente. E a aperceber-me dos danos, todos do lado direito. Tinha esfoladela no joelho, anca, mão, cotovelo (que rapidamente ficou com um alto) e ombro. 

Pouco depois vi que ao relógio GPS saltou-lhe o botão de ligar/desligar, terei que usar agora um palito ou similar, além duma cobertura de borracha que também desapareceu.

Regressei a casa a conduzir, passado um bocado saí e conduzi. Regressei a conduzir e tudo bem. Refiro o conduzir por utilizar as duas mãos. Só quando estava a almoçar, cerca de 4 horas após o esbardalhanço, é que comecei a sentir uma dor no polegar esquerdo. Quase de seguida deixei de conseguir pegar em objectos com essa mão e uma dor forte no pulso que foi aumentando.

Decidi então ir a uma urgência. Assustei-me pois os sintomas sugeriram ao médico que podia ter fracturado o escafoide, algo que felizmente o raio x desmentiu.

Fiquei sim com o tendão e escafoide magoados, o que obrigou a colocar uma ligadura de imobilização. E ainda bem pois não estava a ter posição para aguentar a dor e com a imobilização a coisa aguenta-se.

Terei que parar uns dias, por causa dos impactos, mas se tudo evoluir como se espera, de hoje a uma semana estarei na Lagoa pela 13ª vez.

Claro que tenho diversas dores pelos sítios onde bati e sei que nas próximas horas aumentarão para depois passarem. 

A queda foi tão rápida e aparatosa que não percebo como danifiquei o pulso esquerdo quando caí todo para o lado direito. Necessitava do VAR para analisar a coisa mas segundo parece, não estava ali presente...

Não me posso queixar muito pois foi apenas a minha 4ª queda em 14 anos de corridas, uma em prova e 3 em treino. 
Mas sem cair já parti um pé e torci outro...

Uma pequena nota que estou a constatar: No dia a dia nem nos apercebemos da série de coisas em que utilizamos as duas mãos...  

Uma boa semana a todos, de preferência sem qualquer contratempo!   

16 comentários:

  1. Bom dia João.

    Obrigado por colocares as minhas dorzinhas nos joelhos e mais uma coisita ou outra no seu devido lugar.

    Bolas, isso é que foi mas como bom português só posso escrever, bem, podia ser pior!

    Agora só posso desejar as rápidas e completas melhoras para voltares ao normal.

    Realmente o VAR dava jeito, isso foi entrada para expulsão!

    As melhoras e Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Hélder!

      Sim, podia ter sido bem pior. Não me posso queixar.

      Um abraço

      Excluir
  2. Ouch! As melhoras, companheiro. Vamos lá dar a volta a isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Filipe! É aguentar as dores um par de dias e seguir :)

      Um abraço

      Excluir
  3. Oh, João! Que chatice! Tu tens sempre de arranjar uma mazela qualquer para te dar cabos dos treinos!

    Olha, no meio de tudo, até que nem foi mau :) É só esperar que isso vá ao sítio e que os arranhões e nódoas negras passem. Obrigas-te a uma semana mais descansada :)

    Curiosa a tua estatística... Eu em estrada acho que nunca caí. Acho! Em trail, assim de repente, já caí 4 vezes. Mas há uma forte probabilidade de terem sido mais e eu já nem me lembrar. Felizmente, nunca nada de grave.

    As tuas melhoras e um beijinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Inês!

      Quanto mais vezes se corre, maiores são as probabilidades...

      Com esta paragem, já não irei conseguir lutar por um pódio na Lagoa, eh eh eh

      Beijinhos e parabéns por ontem :)

      Excluir
  4. O VAR nunca está quando precisamos dele...
    Isso quer dizer que em média caimos uma vez a cada 4 anos, hummmm tenho de me pôr a pau que deve estar quase a chegar a minha vez :p
    Rapidas melhoras João
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum... põe-te a pau! :)
      As minhas foram em 2006, 2012, 2016 e 2019, portanto os 4 anos não são fixos :)

      Obrigado e um abraço

      Excluir
  5. Caro João,
    A cada queda, a força a levantar será maior.
    Também já caí (acabamos todos, pelo menos, por cair uma vez, não é?) e, o importante é recuperar bem.
    Melhoras rápidas e gr abraço
    MIKE
    Happyrun

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Mike!
      Faz parte...

      Um abraço e boas corridas!

      Excluir
  6. As melhoras João … e escusavas de me andar a imitar nestas coisas :)
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos... os meus pais sempre me ensinaram que devemos seguir o exemplo dos bons :)

      Obrigado e um abraço

      Excluir
    2. Acho que era os "bons exemplos" e não os "exemplos do bons" … mandar tralhos não é um bom exemplo :P

      Excluir
    3. Ah... quando era miúdo andava sempre na lua e não percebi bem essa parte! :)

      Excluir
  7. meu caro João lamento o infortúnio e desejo que recuperes depressa e bem, diz-se que quem anda à chuva molha-se e eu já apanhei cada banho que nem queiras saber,costumo correr à noite aqui por Fernão Ferro e a qualidade do alcatrão é um espectáculo pra tralhos.
    um abraço

    ResponderExcluir