sábado, 16 de novembro de 2019

Pelos Passadiços do Paiva


No dia a seguir à Maratona do Porto fomos até Arouca onde ficámos 3 dias a aproveitar o que de bom tem essa região, o Arouca Geopark

Toda esta zona é muito rica em matéria de serras, rios, arqueologia, biodiversidade e geodiversidade. Sem esquecer a gastronomia.

Ladeada pela serra da Freita e do Montemuro, a região de Arouca tem uma beleza diferente nesta altura do ano pela variedade de cores das folhas. desde os vários tons de verde aos castanhos, amarelos e vermelhos.

Do que tínhamos planeado, apenas não conseguimos ver a Frecha da Mizarela. Estivemos lá mas, apesar de estar descoberto em Arouca, esse local bem lá em cima, estava rodeado de nuvens baixas que não permitiam qualquer visibilidade. A Frecha da Mizarela é uma cascata em que a água cai duma altura a rondar os 75 metros, das mais altas na Europa. 
Ouvimos o som da água a cair mas ver ficou para uma próxima oportunidade.

Também destaque para o muito interessante Museu das Trilobites com exemplares a rondar o metro de comprimento e das Pedras Parideiras, um fenómeno raro que apenas se encontra na Serra da Freita e na região russa de St. Petersburgo.

O nosso maior objectivo dava pelo nome de Passadiços do Paiva que é o motivo deste artigo.

Com uma extensão de 8,7 km os Passadiços do Paiva foram inaugurados em Junho de 2015 para 3 meses depois terem sofrido um incêndio que afectou cerca de 600 metros. Reabertos em Fevereiro de 2016, têm um projecto para no futuro serem acrescentados mais 12 quilómetros, além dum bar suspenso e dois museus. 

Na actual extensão, irá ser acrescentada uma nova ponte suspensa como adiante falarei.

Tal como referi em cima, esta altura do ano permite uma miríade de diversos tons, além do rio estar mais composto e as cascatas com um bom caudal o que não sucede no verão. 
Também deverá ser muito interessante na Primavera.  

O seu início é no Areinho e o fim em Espiunca. Tem a vantagem de ter táxis numa e noutra ponta, ou na sua falta a indicação de número a ligar, o que permite deixar o carro estacionado numa ponta e regressar de táxi.


Junto ao parque de estacionamento no Areinho


Início do caminho


Como se vê no km 0
Os primeiros metros são em terra batida para depois aparecerem os passadiços. Inicialmente sobem-se 500 degraus. Chega-se ao ponto de controlo onde se paga o bilhete. O seu valor é de 2 euros em dinheiro ou 1 euro através da internet. Valor simbólico e que permite pagar aos vigilantes.


Ainda a parte de terra batida (vista em sentido contrário)


Já nos passadiços






Subindo pelos degraus, a paisagem vai alongando
Esse local está em obras para colocarem uma ponte suspensa que será uma boa atracção, devido à sua altura e comprimento, como se pode ver na foto em baixo. 


Estão a ver as duas estruturas em V, uma em cada lado? Imaginem a sensação que será ali uma ponte suspensa! É aguardar mais uns meses 
A seguir vimos várias lesmas com este tamanho, logo apelidadas de lesmão
Aparecem cogumelos em todo o lado. Pequenos...
... ou maiores
Uma queda de água do outro lado do rio
Após passar essa fase do controlo, e tendo subido 500 degraus, segue-se uma descida de 600 degraus. Todo o resto do caminho pouco mais degraus tem, vai serpenteando junto ao rio Paiva cujo caudal vai de Sul para Norte. 

Uma palavra para quem construiu estes passadiços. Com excepção do início, meio (+/- 4,5 km) e fim, não há qualquer hipótese de circulação de veículos ou máquinas. O que significa que TODO o material, teve que ser transportado à mão e os buracos para o suporte das madeiras escavados à mão. 
Imaginem transportar toda aquela madeira durante vários km para ir preenchendo o passadiço, incluindo a parte da subida.
Um grande louvor a todos que construíram esta magnifica estrutura!


A descer os degraus (estrutura na parte de baixo da fotografia)
Note-se ao longe como o passadiço serpenteia e imagine-se como foi construir ali e sem recurso a máquinas! 
Vista panorâmica
Um casal feliz por estar ali


Note-se a variedade de diversos tons



O Rio Paiva tem muitos rápidos, os maiores mais à frente como iremos ver
Quase a chegar à Praia Fluvial do Vau, há uma ponte suspensa para passar para o outro lado e que não faz parte do percurso dos passadiços mas, logicamente, todos fazem a ponte e regressam.
Andando normalmente, faz-se bem. Se se pára, sente-se mais a ponte a balancear. Esta ponte é pequena e a altura muito baixa (ver as duas fotos seguintes) mas dá para imaginar como será a sensação na futura ponte com toda a sua extensão e altura!






Note-se o contraste da agitação da água nos rápidos e a sua calmaria fora desses pontos 
Mais uma paleta de cores
Cascata junto à Praia Fluvial do Vau, com corajosos alpinistas a descerem. Vejam o video já a seguir

A seguir, outro video, este onde se nota a força da água a chegar a mais uma zona de rápidos




Continuação do caminho, vendo novamente o passadiço a ondular

Outra vista panorâmica
A força da água num rápido. Veja-se o video seguinte, feito neste mesmo local, para notar bem a sua velocidade



 
Novamente ao nível do rio 

  
Mais colónias de cogumelos
Chegada a Espiunca para o final da linda caminhada, com um barzinho e esplanada no lado direito
Dois dias depois de ter concluído a Maratona do Porto, foi uma rica recuperação activa.
Sabíamos, por vários testemunhos, que os Passadiços do Paiva eram um local bonito. Não imaginávamos que fossem tanto! Pelo menos nesta altura do ano, é um passeio ma-ra-vi-lho-so! 
Se puderem, não hesitem em fazê-lo!

19 comentários:

  1. Fotos lindíssimas!
    Havemos de ir conhecer os Passadiços do Paiva um dia. Paisagem maravilhosa.
    Não imagino melhor forma de recuperar de uma maratona.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Caro João,
    Brilhante ideia aproveitar a passagem cá pelo Norte para ir aos passadiços do Paiva
    Brilhante também dares a conhecer essa maravilha
    E, já agora dou um título diferente ao teu. Para mim seria "O descanso do guerreiro"
    GR abraço
    MIKE
    Happyrun

    ResponderExcluir
  3. Espectacular!
    Temos de arranjar maneira de conhecer essa zona😀
    Obrigado pela partilha!

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Arouca tem muito para dar. Os passadiços são uma maravilha, então nesta altura do ano que nos dá a paleta de cores mais espectacular do ano (pelo menos para mim) é qualquer coisa. Ias gostar de explorar alguns percursos pedestres por essas bandas … explorar aldeias antigas no meio do nada, conquistar vistas esplendorosas em zonas com pouca intervenção do homem … Arouca é a 50km de minha casa e aproveito muito pouco … mas todos os anos mais um bocadinho … por isso, a Frecha da Mizarela é um bom motivo para voltar :) Grande Abraço João

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sim, é para voltar :)
      Estás a 50 km duma zona bem bonita e especial!
      Grande abraço!

      Excluir
  5. Muito bonito, é berdade!

    Está na lista mas por isto ou por aquilo, ainda não fomos.

    A parte meteorológica não foi muito agreste?

    No pino do verão também me parece ser muito agressivo.

    Obrigado por nos teres levado convosco.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Relativamente à parte meteorológica, choveu a espaços mas nada de agreste.
      Vai, que vais gostar!
      Um abraço

      Excluir
  6. Andaste numa das minhas serras preferidas, a Freita! É pena não teres visto a Mizarela, é realmente de outro mundo! Há um PR de 8km que anda na zona da Mizarela, o PR7, que é das coisas mais espetaculares que já vi, vale bem um passeio. É circular e apesar da dificuldade alta vale realmente a pena a caminhada. OS passadiços... bem, nunca lá fui e devem ser mesmo muito bonitos. De certeza que o passeio vale bem a pena e adorava ir lá com a minha familia! Mas, ... fico sempre com a sensação que é batota, é como subir aos picos de teleférico! ehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa da batota, é para quem voa em montanhas como tu :)

      Não vi a Frecha da Mizarela mas hei-de ver!

      Um abraço

      Excluir
    2. Ui … o PR7 :) … muito bom, mas tb um pouco para o perigoso. Não é para se fazer de animo leve ;)

      Excluir
    3. "As Escarpas da Mizarela", o nome não engana! É realmente dificil, mas a recompensa é igualmente alta. Não é para se fazer a correr, mas acho que vale todo o esforço!

      Excluir
  7. Muito bem .Qualidade de vida em vida saudável...
    Eu que estou a pouco mais de 40km ainda não visitei os passadiços Paiva .Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale bem a pena, amigo Joaquim! Força!

      Grande abraço

      Excluir
  8. Que belo passeio que nos deste :)

    Adorei as fotos e adorei ver "estes" passadiços, completamente diferentes dos que eu vi quando lá fui em Junho de 2017. As cores agora estão incríveis e a água a mostrar toda a sua força! É mesmo muito bonito :) Ficou a vontade de lá voltar nesta altura do ano!

    Um beijinho e bons passeios!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que seja bem diferente do verão. E a primavera também será especial.
      A tua solução é passares da vontade para a concretização :)

      Beijinhos!

      Excluir