quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O 31 vai acelerar no Autódromo do Estoril!


Neste artigo a 6 de Julho do ano passado, noticiando a Corrida Jumbo que seria disputada pela primeira vez no Autódromo do Estoril em Setembro, escrevi:

"A nível de desportos, os meus dois de eleição são o Atletismo e o Automobilismo. Desde a minha adolescência, passei muitos dias naquele circuito a ver os pilotos das diversas especialidades evoluírem e em relação às 13 edições da Fórmula 1, em todas estive presente nos 3 dias do evento.

Uma velha ambição que sempre tive desde que comecei a correr, foi o de um dia poder entrar numa prova de Atletismo no autódromo. 

Assim, mal vi o anúncio desta prova, confesso que dei um salto de alegria na cadeira. Porém... logo me sentei decepcionado ao ver a data. Não estou cá nesse fim-de-semana! Fica para uma próxima oportunidade poder correr onde os Formula 1 aceleravam."

Pois a novo oportunidade chega a 15 de Junho, dia da 2ª edição, e nesse dia vou cumprir esse velho sonho.

Apesar de faltar muito, mal as inscrições abriram, inscrevi-me de imediato e foi-me atribuído o nº 31, curiosamente, o mesmo número do 1º piloto português a competir de Fórmula 1 no Estoril, Pedro Matos Chaves num Coloni-Ford em 1991. Antes, apenas tivemos na Formula 1 Mário de Araújo Cabral (antes do Autódromo) e depois Pedro Lamy (que também correu de F1 no Autódromo) e Tiago Monteiro que quando esteve na F1 já há muito esta tinha deixado o nosso cantinho.

Estou em pulgas para esse dia! E terei que estar em boa forma para um grande tempo! 
E depois a 26 de Julho irei a Portimão correr na Corrida Jumbo do Autódromo de Portimão! 

Todas e quaisquer informações sobre estas corridas, clicar aqui 

O 31 vai tentar correr como este 31! Quer dizer... mais ou menos!

Oremú, o planeta da visão abrangente

Relatório da viagem a Oremú, o planeta da visão abrangente. 

Sempre fui um destemido aventureiro, com o objectivo supremo de descobrir todo e qualquer recanto por explorar no imenso mar que é o espaço. Numa dessas viagens, encontrei um velho e humilde ancião que, em consonância com a experiência de vida, coleccionava sabedoria. Disse-me: «Tanto procuras! Mas apenas para descobrir, não para compreender. Deverias visitar o planeta Oremú!». À minha interrogação da sua localização, limitou-se a um enigmático «Se quiseres, ele deixa-se encontrar. Só necessitas é de estar preparado!».

Os anos passaram-se e, à medida que fui aprendendo a apreciar a qualidade em detrimento da glória efémera, o apelo de Oremú foi ganhando espaço, tornando-se no meu grande objectivo, não pelo reconhecimento mas pelo desejo de me completar.

Parti, sentindo que não mais voltaria a ser o mesmo. Estranhamente, não sei relatar o tempo que demorei. A sensação foi de chegada imediata, como se a viagem tivesse sido realizada durante o tempo que demorei a decidir-me.

Nunca, em todos os planetas que já visitei, vi algo assim. A visão era abrangente, no sentido mais lato. Começa pelo interior dos seus seres, só depois passando para o seu exterior. Ou seja, tive a oportunidade de conhecer bem a pureza e bondade de cada um, não me deixando enganar por uma aparência que não necessitava de ser trabalhada para demonstrar o que não se é. Sem essa vivência de imagem, os seus habitantes aprenderam a cultivar a tolerância e compreensão, o bem-estar e amizade. Um mundo perfeito, com todas as suas naturais imperfeições a que lhes é dada a importância irrelevante que possuem. As flores povoam os caminhos, perdurando no cabelo de cada. A vivência com os animais é complementar para uns e outros. 

Tal como com os seres, primeiro vi o interior do planeta. Apenas depois o seu exterior. E este é bem relevante dos seus propósitos. Em forma de regaço, com dois longos e esbeltos braços para nos embalarem e acariciarem, rodeando-nos de ternura.

A sua localização? Em todo o enorme espaço sideral, bem no nosso interior, numa cavidade do nosso coração chamada sensibilidade. Basta querermos.

(texto escrito há 10 anos, Janeiro de 2004)

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Divulgação - 1º Encontro de Desporto Adaptado da Casa do Povo de Messines


Recebi em mail a informação que se segue e a qual divulgo pois o Desporto Adaptado tem sido um parente pobre no mundo desportivo, quando deveria ser exactamente o inverso, apoiado e acarinhado por todos.

A Casa do Povo de São Bartolomeu de Messines, através do Departamento de Educação Física e Desporto, está a preparar para os dias 24 e 25 de Fevereiro de 2014, uma iniciativa inédita na área do Desporto Adaptado na vila e no concelho – O 1º Encontro de Desporto Adaptado da Casa do Povo de Messines.

Esta será mais uma organização de alto nível da instituição e que contará com a presença de nomes conceituados no panorama do desporto, como o Dr. Humberto Santos, Presidente do Comité Paralímpico de Portugal.

O Encontro pretende ser uma grande atividade de desporto para pessoas com deficiência e desta forma, está a ser preparado um programa ambicioso, que se desdobrará na Casa do Povo de Messines, Escola Básica 2º e 3º Ciclo João de Deus e Piscinas Municipais de Silves.

O primeiro dia será dedicado à Formação para Agentes e Técnicos Desportivos, com parte teórica e prática. Neste dia serão apresentadas algumas modalidades, tais como: Andebol, Goalball, Mergulho Adaptado e Voleibol Sentado, como também haverá momentos analíticos dedicados à Atualidade Portuguesa do Desporto Adaptado.

O segundo dia será dedicado a prática de vários Desportos Adaptados com a participação das Instituições que prestam apoio a pessoas com deficiência na região.  A Federação de Andebol de Portugal, Associação Nacional de Desporto para a Deficiência Intelectual, Disable Divers Internacional – Portugal e Instituto Português do Desporto e Juventude são entidades de destaque na área e que se associam a esta iniciativa solidária.

Para que possa ser feita a inscrição dos Agentes e Técnicos Desportivos, segue em anexo a ficha de inscrição que deverá ser descarregada, preenchida e enviada, juntamente com o comprovativo de pagamento, para o e-mail desporto.adaptado@casapovomessines.pt . Para a inscrição dos utentes no segundo dia, dever-se-á ter em conta as modalidades de Mergulho Adaptado e Natação Adaptada, por uma questão de organização dos técnicos responsáveis, e para que sejam tomadas todas as medidas de segurança.  A todos os formandos e utentes inscritos serão entregues diplomas de formação e participação.

Página Oficial do Evento: 

Alguma dúvida, estamos ao vosso dispor para qualquer esclarecimento,

Gabinete de Comunicação 
Casa do Povo de Messines
28 de Janeiro de 2014

Contactos: Tel. 282 333 130  Mail: comunicação@casapovomessines.pt

domingo, 26 de janeiro de 2014

Fim da Europa em ritmo de festa

Já conseguimos colocar 8 numa "selfie"! Nuno, Carla, Sandra, Jaime, Marta, eu, Isa e Catita

Estive presente pela 4ª vez no Grande Prémio do Fim da Europa, prova que liga Sintra a Cabo da Roca com uma distância de 16.945 metros e dona dum percurso muito bonito.

O ano passado fiz a prova com a Isa e a Rute, ambas estreantes neste evento, sendo que foi a estreia da Rute na equipa. Este ano, eu e a Isa fomos a acompanhar a Marta que não só fazia o seu primeiro Fim da Europa como ia bater o seu record de distância que vinha da semana passada (12 kms).

Pergunta "muito difícil" de responder. Quase na meta nota-se que vamos felizes e contentes?
Abro aqui um parêntesis para realçar que a Marta apenas realizou a sua primeira corrida há 7 meses atrás, uns sofridos 5 kms, e agora já se aventurou onde muito e bom atleta tem receio de vir. E cumpriu na plenitude, chegando ao final a dar a sensação que continuava mais um bom bocado. 

E um dos grandes segredos foi a alegria nesta corrida pois fomos os 3 sempre em alegre convívio e não deixando de fazer uma festa por cada quilómetro feito a partir dos 12 pois representava mais um record para a Marta.

E solte-se a festa!
Assim, chegámos os 3 felizes à meta e isso é o melhor que há. Também não deixa de ser curioso referir o facto da Isa, com uma Maratona feita e em vésperas da sua segunda, já parecer quase uma veterana nas corridas, mas corre apenas há ano e meio. Ora, já viram a felicidade que é ser "padrinho" de duas atletas assim?

Feito e bem feito!
Como curiosidade, no ano passado tinha feito enorme publicidade à beleza da paisagem, coisa que não foi possível apreciar pelo nevoeiro. Ora hoje repetiu-se o mesmo cenário, sendo já o 2º ano que a Isa ouve-me a dizer "aqui há uma vista fabulosa, ali também" e só vê branco à frente! 

Depois dos problemas que me atormentaram, e impediram de treinar na fase crucial para a preparação de Sevilha, estou a recuperar, apesar disto me ter deixado bem mais lento e com muito menos resistência. Mas estou a recuperar a olhos vistos e julgo que irei chegar a Sevilha já recuperado, apesar de não ter feito a preparação devida.

Para um atleta como eu, uma Maratona só é possível estando na minha melhor forma e, sem treinar como era exigido, racionalmente sei que não estarei preparado. Mas... sempre gostei de privilegiar o coração à razão e, escrevam o que eu digo, dia 23 vou cortar a meta em Sevilha!!!

Mais um resultado espectacular para a Carla!
Em termos estatísticos, esta 24ª edição bateu o record de participação que vinha de 2011 com 1.554 atletas, cortando hoje a meta 1.865, mais 311

O vencedor masculino, Mário Ferreira

E a vencedora feminina, Chantal Xhervelle

Mário Ferreira venceu pela primeira vez, registando 58.12, enquanto a vencedora feminina foi Chantal Xhervelle que bisou o seu triunfo do ano passado e com a diferença dum escasso segundo! Marcou 1.11.42 em 2013 e hoje 1.11.41

A 25ª edição tem já data marcada, 25 de Janeiro. Venha ela!   




Com o mar por trás, 5 atletas felizes com a sua prova!

sábado, 25 de janeiro de 2014

Júnior etíope estreia-se em Maratona com 2.04.32!

Tsegaye Mekonne e Mula Seboka, os dois vencedores, ambos etíopes

Disputou-se ontem a Maratona do Dubai que ficou marcada pelo record mundial junior de Tsegaye Mekonne.

Com apenas 18 anos, o etíope Tsegaye Mekonne estreou-se em Maratona e logo com vitória nesta mediática Maratona, juntando ao feito o record mundial júnior com o tempo incrível de 2.04.32 a escasso minuto e 9 segundos do record mundial absoluto!

Tsegaye Mekonne retirou mais de minuto e meio ao anterior record mundial júnior que desde 16 de Outubro de 2011 pertencia ao queniano Erick Ndiema que marcou 2.06.07 na Maratona de Amsterdão.

De referir ainda que Tsegaye Mekonne passou à meia-Maratona com 1.01.39 o que era tempo para record mundial absoluto (2.03.23)!

Cada vez se corre mais rápido nesta mítica distância!

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Números de Sevilha


De hoje a exactamente um mês, tem lugar a edição número 30 da Maratona de Sevilha, da qual foram divulgados alguns números. 

Assim, estão inscritos 9.000 atletas, mais 1.850 que os 7.150 de 2013 e mais do dobro dos 4.000 de 2011, o que prova o enorme incremento que esta prova registou nestes últimos anos. Outro dado que confirma esta expansão é que no mesmo dia que se atingiu a inscrição 9.000 (30 de Novembro), 2 anos antes, 2012, havia apenas 1.314 inscritos.

Com 18% de atletas estrangeiros, o impacto económico previsto para a cidade é superior ao milhão de euros!

Metade dos atletas, 4.500, são da região da Andaluzia, dos quais 2.600 da região de Sevilha. Da capital espanhola, Madrid, vêm 900 atletas, tanto quanto os portugueses que são mais de metade dos estrangeiros, 900 para um total de 1.600 atletas não espanhóis, sendo que o total de países representados é de 50.

Pela primeira vez a Feira do Corredor, onde se engloba a festa da massa, realiza-se no Palácio de Exposições e Congressos de Sevilha, FIBES, ocupando uma área de 7.200 metros quadrados!

Haverá música ao vivo em 20 pontos diferentes do percurso, com as bandas a discutirem o prémio da melhor animação. E por falar em concursos, também se realiza um de fotografia.  
A nível de animação, é muito mais intensa a partir do quilómetro 30, onde começa na realidade uma Maratona, tudo fazendo para que o atleta seja o mais acarinhado possível e sabemos o quanto isso ajuda!

De destacar que nesta histórica 30ª edição, a organização viu recompensada o seu esforço ao ser-lhe atribuída o selo Bronze da IAAF

Toda e qualquer informação, consultar aqui  



terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Revista Atletismo de Janeiro


Devido a um inoportuno atraso nos CTT, apenas hoje tive o prazer de receber a Revista Atletismo de Janeiro, que também saiu um pouco mais tarde para poder englobar todas as São Silvestres.

Conteúdo desta edição:

COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS
Corta-Mato
6 - Campeonato Europeu de Corta-Mato

COMPETIÇÕES NACIONAIS
Estrada
10 - Meia Maratona dos Descobrimentos
12 - 10km dos Descobrimentos – C.N.E.
14 - Corrida do Sporting
16 - Volta a Paranhos
43 - S. Silvestre do Porto
44 - S. Silvestre de Lisboa
45 - S. Silvestre da Amadora
46 - S. Silvestre dos Olivais
47 - Volta ao Funchal

ENTREVISTAS
Atleta de pelotão
20 - Vera Nunes

REPORTAGENS
Clube de pelotão
22 - Clube Açoreana Banif

ESPAÇO TÉCNICO
CONSELHOS
23 - Correr no frio

NUTRIÇÃO
24 - Índice glicémico e desempenho desportivo

TREINO
26 - Aumentar o VO2 máximo
27 - Um novo rumo para correr melhor
29 - Trabalhar a cadência da passada

ESTATÍSTICA
31 - Balanço nacional de 2013 (maratona)
32 - Balanço internacional de 2013
36 - Balanço nacional de 2013 (iniciados)
38 - Balanço nacional de 2013 (infantis)
39 - Recordes Regionais 

NATUREZA
40 - Trilhos e montanha

SECÇÕES FIXAS
18 - Marcha Atlética
28 - Noticiário de Saúde
36 - Portugueses no estrangeiro
41 - Noticiário
48 - Escolar
48 - Deficientes
49 - Lazer
50 - Calendário Federado
51 - Agenda da Corrida

Recorde-se que a Revista Atletismo é distribuída por assinatura. Toda e qualquer informação, clicar aqui

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Boas notícias!

Fui hoje fazer o exame da função respiratória que indicou os pulmões estarem em boas condições e não terem ficado marcas do problema que tive. A tosse mantêm-se mas por uma questão pós-infecciosa.

Não só o resultado foi este como hoje sinto a "velha" força regressar. Não há forma de recuperar as semanas de preparação perdidas mas há que atacar agora para tentar fazer o melhor possível mas sempre atendendo a que tem que ser uma progressão inteligente pois a forma foi muito abaixo pelo problema que tive.

O tempo até Sevilha é escasso e não chegarei lá com a preparação ideal. Sei que as minhas hipóteses são baixas mas... são hipóteses e é a isso que me vou agarrar pois dificilmente imaginarão o que significará para mim cortar aquela meta em Sevilha.

Aproveito para agradecer todas as palavras de apoio e incentivo que me têm feito chegar. É um "boost" enorme! :)   

domingo, 19 de janeiro de 2014

O lindo percurso da Corrida Rota Fonte da Pipa (a estreia da Marta na equipa e uma efeméride)

Eu. Marta, Sandra e Nuno. 4 ao Km e Açoreana, duas equipas amigas
Lindo!
É o mínimo que posso dizer deste percurso que começa em Torres Vedras junto ao Parque Verde da Várzea, sai logo da cidade para seguir por uma estradinha que atravessa uma série de vinhas, ao lado duns ribeiros e com uma paisagem muito bonita!

Foi a 2ª edição da Corrida Rota Fonte da Pipa e aconselho a quem não a conhece a ir no próximo ano que não irá arrepender-se. 

A organização é da Casa do Benfica de Torres Vedras e no final somos presenteados, além da camisola, com um saboroso pastel de feijão e uma garrafa de vinho da região. 
O percurso esteve bem marcado e apenas acho que o reabastecimento foi um pouco tarde (6,5 kms) mas reconheço que aquele era o local com mais espaço para ser dado.

O total de classificados foi de 677, inferior aos 774 da primeira edição mas as condições atmosféricas dos últimos dias poderão ter influenciado. 
Esteve frio e algum vento mas chuva apenas caiu perto do final e por cerca dum minuto. Mas apesar de ter sido pouco tempo, era gelada! De resto, a prova foi disputada com sol, um luxo dos últimos tempos.

"Padrinho" e "afilhada" na estreia da Marta nos 4 ao Km  
Alex Scutaru do Ponterrolense triunfou em 42.26, seguido por Francisco Pedro a 9 segundos e Carlos Correia a 16, ambos da Casa do Benfica de Torres Vedras, equipa da vencedora feminina, Liliana Alexandre que bisou a sua vitória da edição inaugural, marcando 47.55 (uma diferença de apenas 6 segundos do tempo de 2013). Alice Basílio dos Amigos Atletismo Mafra classificou-se em 2º a 2.44 e Katarina Larsson do NucleOeiras foi a 3ª com 52.52.
Colectivamente, venceu a equipa organizadora, Casa do Benfica de Torres Vedras, seguidos pela Casa do Benfica Algueirão Mem-Martins e Os Carregueirenses.

Feito! 
Sobre a minha corrida, a grande vitória foi ter terminado. Para quem acompanhou os últimos artigos, sabe do problema bronco-pulmonar que me afectou e deitou tão abaixo. É impressionante como a forma pode ser tão volátil! 

Ora depois daquele treino de 3 kms na 5ª feira, quando recebi luz verde para poder recomeçar a correr, e da mesma distância na 6ª feira, uma dúzia de quilómetros parecia muito para como me sentia, mas também sabia que era a melhor solução para recomeçar a meter quilómetros nas pernas, pois uma corrida com outros atletas à volta dá sempre outra ajuda, e hoje em especial por ir acompanhar a Marta, ou ela acompanhar-me, na sua estreia pelos 4 ao Km. Marta que também não estava na sua melhor forma pois vinha duma gripe.
Lá fomos os dois e conseguimos levar o barco a bom porto, que era o que se pretendia.   

A média, possível,  foi de 7.16 e a boa notícia é que o muito cansaço que sinto agora é das pernas pois a respiração esteve relativamente controlada. 
Amanhã vou fazer um exame de prova respiratória mas julgo que o problema estará sanado, agora é recuperar tudo o que perdi com isto, o que vai demorar e tempo é o que não tenho de sobra para Sevilha.

Há duas maneiras de ver a coisa. Uma é que se só fiz 12 e fiquei assim, como quero fazer mais 30?
Outra maneira é que a intenção hoje eram os 12 e cumpri. Para a semana o Fim da Europa onde vou tentar cumprir, e na semana seguinte tentar o máximo de distância possível. Sei que, racionalmente, tudo joga contra mim, mas enquanto houver 1% de hipóteses de cortar aquela meta sevilhana, eu vou dar o tudo por tudo!

De assinalar, além da estreia da Marta na equipa, uma efeméride. Esta foi a minha corrida número 283 mas em termos de corridas diferentes, foi a 100ª





Parque Verde da Várzea com direito a arco-íris 

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Que não se esqueçam as nossas glórias...


Há 2 ou 3 dias atrás, passei pela televisão e estava a dar o "Quem quer ser milionário", com uma rapariga de 21 anos que estava na primeira pergunta. 

Ora a primeira pergunta é sempre daquelas de caras e esta não fugiu à regra. Era "Qual o atleta português que ganhou a Maratona nos Jogos Olímpicos de Los Angeles 1984?"
Hipóteses: A - António Leitão ; B - Carlos Lopes ; C - Rui Silva ; D - Fernando Mamede

A rapariga alegou logo que não sabia pois ainda não era nascida (como é que eu sei que, por exemplo, o terramoto de Lisboa foi em 1755 se ainda faltavam 205 anos para nascer?!?) e que ia pedir a ajuda do público.

A apresentadora comentou "Isto para o público é canja" e eu pensei o mesmo pois o público é composto na sua quase totalidade por pessoas mais velhas que eu, o que significa que já eram adultas naquele dia de glória em que o desporto português conquistou a sua primeira medalha olímpica de ouro, feito só repetido mais 3 vezes (por acaso sempre no Atletismo).

Assim, e dando de barato a rapariga não saber, fiquei à espera que com aquela faixa etária a percentagem para o Carlos Lopes fosse, pelo menos, duns 90%.

Pois... apesar de ter sido o mais votado, nem a metade chegou, o que também espantou a apresentadora. 48%, o que significou que 52% das pessoas não sabiam que tinha sido o Carlos Lopes! 
E o 2º mais votado, com 30%, Rui Silva! Talvez por ser agora um nome mais falado mas que há 30 anos atrás estaria a dar os primeiros passos na primária...     

Sinceramente fiquei decepcionado que um momento tão vibrante como a da vitória na Maratona olímpica do Carlos Lopes, transmitido a altas horas da madrugada, passados 30 anos estivesse tão esquecida por quem vivia na altura. 
Por vezes podemos não nos lembrar mas ao vermos os nomes como hipótese, acende-se uma luz. Mas nem isso sucedeu!

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Corri um bocadinho!

Depois de no sábado ter sido decretado que não podia correr durante uma semana, iniciei o tratamento que poucas ou quase nenhumas melhorias proporcionou até hoje onde, finalmente deu um ar da sua graça. 

E hoje foi o dia que tive uma consulta com um especialista de pneumologia, que confirmou ainda ter os pulmões e brônquios atacados, modificou uma parte do tratamento e foi da opinião que, com calma e moderadamente poderia recomeçar a treinar, o que aos meus olhos o transformou logo num excelente médico!

Avisou-me, entretanto, que iria sentir-me muito limitado pela respiração, o que nem foi necessário comprovar durante a corrida pois bastou-me andar numa subida com uns 100 metros para ir buscar o carro, para ficar muito ofegante.

Para retirar qualquer dúvida de ficar com algum problema, marcou-me uma prova respiratória para a próxima 2ª feira 20 e consulta dia 27 onde ficará tudo esclarecido.

Sobre a Maratona, a opinião é que dificilmente recuperarei a eficiência pulmonar até lá. Para mim, estando em excelente forma, uma Maratona já é o limite dos meus limites, ora limitado não sei como poderei fazer. Mas uma coisa é certa, enquanto houver uma grama de esperança, vou lutar. Mesmo que sinta que não estou capaz de correr a distância, vou alinhar. Se for obrigado a desistir, ao menos sei que desisti a lutar, sendo que é uma situação muito diferente de Outubro pois aí tinha tudo para a fazer e aconteceu aquela situação inesperada e cruel, enquanto agora é ir à luta, correr atrás do sonho e tentar um "milagre".

Uma Maratona envolve-nos de alma e coração e eu dirijo todas as minhas energias e sonhos para a meta. Se cortá-la é um momento muito importante, dificilmente imaginarão o que representa para mim se conseguir cortar aquela meta em Sevilha!

Para já, e sabendo que não posso recuperar o tempo perdido mas adaptar-me às novas circunstâncias, hoje após a consulta fui treinar. Foram apenas 3 quilómetros onde, nos primeiros metros, senti toda a alegria de tornar a correr mas pouco depois constatei o estado em que estou. Entre o 2º e o 3º foi muito difícil pois já ia muito cansado.

Amanhã vou tentar 5 e no domingo tentar 12 quilómetros na Corrida Rota Fonte da Pipa em Torres Vedras onde irei em ritmo de treino (possível). Prefiro ir lá pois sempre é mais fácil com outros atletas à volta e também porque não quero perder a estreia da Marta pela equipa.
Na semana seguinte, logo decido se vou ao Fim da Europa pois estas dificuldades respiratórias não deverão dar-se bem com aquelas subidas. Mas cada coisa a seu tempo. 

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

32º Troféu de Oeiras


O 32º Troféu das Localidades de Oeiras vai ter o seu início este fim-de-semana em Valejas.

O mais antigo troféu concelhio (teve o seu início em 1981) vai contar com 12 provas, menos duas que no ano passado. Saíram do calendário Caxias, Dafundo e Vila Fria, regressando Leceia, após uma ausência de 19 anos.

Calendário:
19-01 Valejas
16-02 Barcarena
09-03 Leião
23-03 Tercena
27-04 Leceia
11-05 Outurela

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Divulgação - Oikos Desafio 100K

A Oikos - Cooperação e Desenvolvimento é uma das mais antigas ONGD portuguesas (1988) e desenvolve projectos de Acção Humanitária e Desenvolvimento em cerca de 9 países do mundo, incluindo Portugal. As áreas principais do seu trabalho centram-se na redução da pobreza extrema, promoção dos direitos humanos e do desenvolvimento sustentável.

Para comemorar os seus 25 anos no nosso país, estão a organizar pela primeira vez uma prova desportiva e solidária designada "Oikos Desafio 100K", a realizar entre 5 e 6 de Abril.

É uma iniciativa comum e com sucesso em outros países europeus e consiste em desafiar a capacidade física e solidária dos participantes, através de uma prova de percurso pedonal de 100 quilómetros.

Este evento trata-se de um duplo desafio: ser saudável e solidário. Por um lado os participantes têm que angariar fundos em equipa, por outro têm que percorrer 100 km em equipa da Lourinhã ao Jamor até ao limite de 36 horas.

Dada a exigência da prova, esta poderá ser efectuada em equipas de 5 (com um elemento de apoio, 4 farão o percurso dos 0 aos 100 kms), ou 9 elementos (em que, com um elemento de apoio, cada 2 elementos farão em estafeta 25 kms).

A prova conta já com alguns parceiros a vários níveis, bem como o apoio de seis câmaras municipais (Lourinhã, Torres Vedras, Mafra, Sintra, Cascais e Oeiras).

Para toda e qualquer informação, clicar aqui 

domingo, 12 de janeiro de 2014

Malandrices da minha infância

(Para mudar um pouco o ambiente após o último artigo)

Todos nós temos "histórias" na nossa meninice e recordei-me desta ainda a propósito do desaparecimento do Eusébio, pois foi graças a querer imitá-lo que apanhei uma das quatro maiores tareias...

Passavam poucos dias após o épico jogo com a Coreia, o país estava eufórico com a nossa presença nas meias-finais, e o nome que se falava era Eusébio. Ora cada miúdo gosta de tentar imitar os ídolos e foi assim que o fiz... da pior maneira!
Em 1966 o leite e pão eram distribuídos em casa pela leiteira e pelo padeiro. Ora no leite, a leiteira fazia primeira paragem no primeiro andar, onde morávamos, pousava a enorme bilha cheia de leite e despejava a quantidade necessária para um utensílio que, se a memória não me falha, chamava-se exactamente de leiteira. Enquanto decorria essa operação, aparece o puto traquinas armado em bom (eu, como já devem ter percebido) e digo-lhe "Sou o Eusébio e vou dar um chuto na bilha!". Puxo do pé, finjo que vou atingir a bilha e... não meço bem a distância e acerto em cheio na bilha que cai, entornando todos aqueles litros pela escada abaixo! Glup! Ao ver aquela cena, pensei que o mundo me ia cair em cima e não me enganei! Levei tantas! Ainda por cima as escadas tinham uma abertura que dava cá para baixo para a entrada e aquilo devia parecer mais as cataratas do Niagara em versão "leital". Os meus pais tiveram que lhe pagar todo o leite (como eu só tinha 6 anos ainda não recebia semanada senão tinha ficado sem ela uns bons tempos), a desgraçada da leiteira só chorava que tinha ficado sem leite para os restantes clientes e eu berrava por outro lado pela tareia que levei...
Não me perguntem como é se lavou a escada pois nessa altura estava fechado no quarto, dorido, a carpir mágoas...
E pronto, acho que nunca mais tentei imitar o Eusébio...

Claro que a esta hora estão a questionar-se se esta foi uma das quatro grandes tareias, como terão sido as outras? Pois se esta foi a segunda do rol, a primeira devia ter uns 4 anos e é "edificante". Hora de almoço, por alguma razão qualquer, ou mais provavelmente sem razão, decidi que não queria comer a sopa. Diálogos:
Eu - Não quero a sopa
Mãe - Come a sopa
Eu - Não quero a sopa!
Mãe - COME A SOPA!
Eu - NÃO COMO!
Mãe - COMES E COMES MESMO!
Eu - NÃO COMO E NÃO COMO MESMO!
(atenção, cena eventualmente chocante) E acto imediato, pego no prato com as duas mãos e atiro-o com força para o chão! 
O que eu levei!!! E claro que comi outra sopa...
(Para quem me acha muito paciente e incapaz de ataques de fúria, pois esgotei-os na meninice...)

A terceira, a minha mãe tinha pedido para não fazer barulho pois doí-lha muito a cabeça e ia-se deitar, tendo fechado as persianas. Persianas que davam para uma varanda que também tinha acesso pela cozinha e, sei lá porque me deu para fazer aquilo, fui para aí atirar a bola com toda a força contra as persianas, vezes seguidas. Sai lá de dentro a minha mãe com um sapato na mão, eu ainda disse uma desculpa esfarrapada de "a bola é que ia bater na persiana" (era pouco criativo...) e o resultado final... o habitual.

E para acabar, e se as duas anteriores foram de maldade, esta quarta foi como a do Eusébio, uma brincadeira que acabou muito mal. 
Ia haver uma festa de anos, penso que da minha irmã, e uma rapariga chamada Isabel estava sentada na cozinha, a ajudar a fazer qualquer coisa. Vejo uma garrafa de óleo Fula, daquelas de litro e meio de plástico como as das garrafas de água, e como estava tapada, viro-a ao contrário, colocando-a sobre a cabeça da Isabel e digo "Vou despejar-te este óleo!". Claro que era só na brincadeira, até porque a garrafa estava fechada. Só que... a tampa não era como actualmente que é de enroscar, era de pressão. E soltou-se... despejando o litro de óleo pelo cabelo abaixo da pobre rapariga, para meu horror! 
A desgraçada esteve 3 a 4 horas a lavar o cabelo para conseguir tirar todo o óleo e eu... já sabem!

E se não houve uma quinta vez é porque ninguém soube que pus Tomar sem luz durante 3 horas. Como já passaram quarenta e muitos anos, já posso confessar pois o "crime" já prescreveu.  
Num sábado à tarde tinha visto na televisão rugby. Como achei os postes da baliza muito altos, logo idealizei ir para um descampado ali ao pé e tentar rematar a bola suficientemente alto que passasse por cima do fio da electricidade duma fila de postes que cruzavam esse descampado. Logo à primeira, acerto numa caixa de junção em forma de meia-bola branca que unia nos postes os fios, esta partiu-se e cai o fio, a faiscar, para o chão (por sorte não me atingiu...).
Pernas para que te quero que só parei em casa. Fiquei cheio de medo que alguém tivesse visto e, influenciado por filmes de "polícias e ladrões" como se dizia na altura, só imaginava que a polícia ia cercar ali a casa para me levar. 
Passado um par de horas, recordo-me da minha mãe comentar o quanto estava a demorar esta falta de luz. E eu, muito sossegadinho no meu cantinho... Nunca ninguém soube!

E pronto, agora já sabem os "podres" da minha infância (ou melhor, sabem as piores...) e que me recordei a propósito do Eusébio e do chuto na bilha. E ainda dizem que não se deve chorar pelo leite derramado. Eu chorei e muito!    

sábado, 11 de janeiro de 2014

Paragem forçada

Há erros que se pagam caro. Nos últimos dias de Novembro apareci constipado. Ao contrário do habitual em mim, até curei a constipação muito rapidamente. Mas permaneceu uma tosse daquelas que pensamos que vai passar. O tempo foi avançando e a tosse não desapareceu ou abrandou mas não valorizei muito e a forma continuava agradável. O treino longo que fiz a semanada passada foi o primeiro indício. Sentia-me cansado. A tosse piorou esta semana, bem como comecei a sentir uma desagradável sensação nos pulmões. Esta semana apenas corri ontem e não muito. Hoje, sentindo-me pior, fui a uma consulta. Conclusão, estou com um problema bronco-pulmonar que, para já e na melhor das hipóteses, me vai obrigar a parar uma semana pois não posso fazer esforços. Se este problema deixou outras sequelas, apenas os próximos dias irão determinar.

A um mês e pouco de Sevilha, ter passado esta semana apenas com um curto treino, logo seguida por outra semana a seco, é muito mau para a preparação para uma Maratona. Ao contrário de muitos, basta parar um pouco para precisar de muito treino para recuperar. Neste caso é agravado pelo facto do problema incidir numa área tão sensível (pulmonar) e que tanto afecta a resistência dum individuo (e a resistência é o mais necessário para uma distância daquelas).

Pensando na melhor das hipóteses, que isto passa sem mais problemas e daqui a uma semana já posso correr, fico com um mês. Como se sabe, as últimas duas semanas antes duma Maratona, não são para abusos, apenas para manter e salvaguardar energias, o que me deixa apenas duas semanas de treino a sério para tentar recuperar alguma coisa.

Ganha-se a forma necessária para uma Maratona em duas semanas? Sei a resposta mas não quero pensar nela. Depois da facada que levei a 6 de Outubro, não estou preparado para tornar a deixar outro sonho por cumprir.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Divulgação - Duas novas corridas em Cascais


A First Place - Eventos & Comunicação vai levar a efeito duas novas corridas no concelho de Cascais, a Corrida dos Faróis (4 de Maio) e Corrida das Marinas (28 de Setembro). 

Ambas contam com uma distância de 10 quilómetros e uma mini corrida/caminhada com 5 kms.

A Corrida dos Faróis, do qual já se pode consultar a sua página oficial aqui, partirá do Forte de São Julião da Barra, com a meta no Casino Estoril, enquanto a mini terá a partida no Farol de Santa Marta.
Além de T-Shirt e medalha, e dado que se disputa no Dia da Mãe, haverá um brinde especial para as atletas que sejam mães.

A Corrida das Marinas será disputada entre a Marina de Cascais e a Marina de Oeiras.

As inscrições para a Corrida dos Faróis têm um custo de 12 euros até 5 de Abril, sendo que 1 euro de cada inscrição serve para apoiar uma instituição social do concelho, o que neste caso destina-se à Associação Helpo.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

As provas acima do milhar em 2013


Tal como em 2012 e 2011, publico a relação de provas que ultrapassaram a barreira do milhar de classificados entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 2013. 

E a primeira nota vai para o grande aumento do número de provas que alcançaram esse valor. De 37 em 2011 e 42 em 2012, temos agora 59! 

Destas 59, 13 realizaram-se pela primeira vez, 9 subiram a esse patamar de 2012 para 2013 e 5 saíram, todas por terem deixado de se realizar, como se pode ver no 2º quadro e onde 2 eram edição única (as da Selecção de Futebol) e 2 foram substituídas (da Maratona e Meia-Maratona da Xistarca). Apenas uma (Matosinhos) não se realizou.

Outro facto é a Corrida do Tejo ter perdido a liderança que tem ocupado nos últimos anos, com a a Meia da Ponte 25 de Abril a registar mais 99 classificados.

Nestas 46 provas que se disputaram nos dois anos, temos um incremento de 16.436 atletas, com 38 provas a aumentarem a participação e apenas 8 a diminuírem

As 59 provas totalizam 142.592 atletas!

Segue então a relação:


Edição
Data
2013
2012
Dif.
23
24-Mar
8.050
6.975
1.075
33
15-Set
7.951
8.888
-937
20
15-Dez
7.841
4.878
2.963
6
28-Dez
6.568
4.499
2.069
14
06-Out
4.620
4.893
-273
7
15-Set
4.398
3.701
697
3
01-Dez
4.276
4.184
92
10
17-Mar
3.783
3.501
282
1
27-Out
3.754
-
-
14
16-Jun
3.661
2.490
1.171
9
15-Jun
3.401
4.714
-1.313
1
05-Out
3.251
-
-
8
14-Abr
3.179
3.305
-126
8
19-Mai
2.899
1.611
1.288
10
03-Nov
2.763
1.671
1.092
1
14-Abr
2.659
-
-
6
22-Set
2.572
2.359
213
1
08-Dez
2.487
-
-
6
03-Nov
2.420
2.357
63
34
29-Jun
2.332
2.239
93
3
08-Jun
2.323
1.718
605
1
19-Out
2.284
-
-
15
20-Jan
2.245
1.784
461
30
10-Fev
2.166
1.604
562
1
18-Mai
2.023
-
-
2
12-Out
1.932
1.378
554
2
21-Set
1.919
1.133
786
5
20-Out
1.914
952
962
56
15-Dez
1.898
1.505
393
1
06-Out
1.836
-
-
56
08-Dez
1.821
1.694
127
8
26-Mai
1.766
1.459
307
55
28-Dez
1.758
913
845
25
06-Out
1.733
1.590
143
12
02-Jun
1.634
1.745
-111
18
10-Mar
1.624
1.737
-113
14
24-Fev
1.615
1.444
171
1
12-Mai
1.600
-
-
32
01-Mai
1.493
1.463
30
2
02-Jun
1.478
1.223
255
1
08-Set
1.431
-
-
4
24-Nov
1.428
1.035
393
31
07-Abr
1.336
1.289
47
26
08-Set
1.304
1.314
-10
25
30-Dez
1.284
1.210
74
39
10-Nov
1.268
1.302
-34
16
28-Dez
1.252
1.171
81
1
17-Fev
1.203
-
-
6
13-Jan
1.184
901
283
1
26-Out
1.176
-
-
3
13-Out
1.176
832
344
1
22-Set
1.143
-
-
39
31-Dez
1.121
936
185
4
20-Out
1.107
956
151
6
20-Jan
1.093
1.007
86
24
24-Nov
1.058
878
180
1
08-Dez
1.050
-
-
27
27-Out
1.034
870
164
18
03-Mar
1.017
951
66

E as 5 provas que estiveram no quadro em 2012 e não estão em 2013 (todas por não terem sido disputadas):


Que nos reservará 2014?