segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Bem vindo Vítor!

A estreia do Vítor com a amarelinha

Apesar de não participar, não quis deixar de estar presente na São Silvestre dos Olivais pois esta foi a prova que o Vítor estreou-se com a nossa camisola dos 4 ao Km.

No seu cantinho, o Vítor explicará melhor o que foi a sua corrida, mas desde já posso adiantar que foi uma excelente prova, para mais com um percurso duro. Esta camisola dá asas! :)

Foi mais um orgulho ver um amigo vestir a camisola desta equipa de amizade e espírito desportivo. E ainda faltam mais duas estreias!

Um bonito casal no mundo das corridas :)

domingo, 29 de dezembro de 2013

O impressionante aumento de participação nas São Silvestres


Por todo o país disputam-se, nesta época do ano, corridas de São Silvestre. Vou debruçar-me nas já realizadas e que viram um número de classificados superior ao milhar. São 4, Porto, disputada a 16, e ontem Lisboa, Santo Tirso e Funchal (esta com o nome de Volta ao Funchal).
Ainda faltam a dos Olivais (a 30) e Amadora (31)

Nas 4 provas supra-citadas, atente-se na participação deste ano em comparação com a do ano passado. Temos um total de mais 5.919 atletas dum ano para o outro, o que representa um incremento de 51,6%!

Local
2013
2012
Diferença
Porto
7.841
4.878
2.963
Lisboa
6.535
4.499
2.036
Funchal
1.752
913
839
Santo Tirso
1.252
1.171
81
Totais
17.380
11.461
5.919

Todas estas provas, não só aumentaram em relação ao ano passado como ao seu anterior record (que era de 2012 para todas com excepção do Funchal que foi alcançado em 2011). Em relação ao anterior record o incremento é de 46,2%

Local
2013
Record
Diferença
Porto
7.841
4.878
2.963
Lisboa
6.535
4.499
2.036
Funchal
1.752
1.338
414
Santo Tirso
1.252
1.171
76
Totais
17.380
11.886
5.494


E se recuarmos 5 anos? Pois a diferença é verdadeiramente abismal. O total destas 4 provas foi de 4.757 e agora de 17.380. Um incremento de 265,4%!!! 

Local
2013
2008
Diferença
Porto
7.841
1.680
6.161
Lisboa
6.535
1.798
4.737
Funchal
1.752
835
917
Santo Tirso
1.252
444
808
Totais
17.380
4.757
12.623

Causas e efeitos deste fenómeno, deixo para os entendidos, apenas refiro aqui a parte estatística. Confesso que não aprecio muito o facto de agora ser moda dizer-se que é moda correr. Na realidade, embirro mesmo com esta frase. Quem sente o prazer de correr a preenchê-lo, não gostará, certamente, desta etiqueta que se está a colar, na minha opinião, abusivamente.  

Nota - Quem consultar a classificação do Porto no site oficial da prova, verá que o último é o 7.812º enquanto na classificação da minha página é o 7.841º. Por qualquer erro no site oficial, há alguns atletas que estão classificados com o mesmo lugar que outros. Na realidade, estão reportados 7.841 e corrigi esse facto na classificação que publiquei.

sábado, 28 de dezembro de 2013

Parabéns Carla!

O muito simpático casal, Jaime e Carla (Carla acabadinha de fazer sensação!)

Fui hoje assistir à São Silvestre de Lisboa, para estar presente na que seria a estreia de dois novos elementos da nossa equipa 4 ao Km. Infelizmente, o Jaime não pode correr, nem o fará nos próximos tempos, devido àquilo que os atletas mais temem, lesão. Força e uma rápida recuperação, Jaime!

A Carla vestiu pela primeira vez a camisola e só posso dizer que fez uma prova verdadeiramente espantosa, batendo por larga margem o seu record pessoal e quebrando a barreira mítica (e parece que quase intransponível para alguns) dos 50 minutos. Tempo de chip: 49.53!!!


Daí, aproveitar este espaço para, publicamente, lhe endereçar os mais mais entusiastas parabéns, ciente de que tem muita margem de progressão. Se com poucas corridas no currículo já faz o que faz, e também continuando com aqueles treinos específicos no EUL, até onde irá?

Espaço também para me congratular pelo facto de ter visto, na chamada guerra dos sexos que esta prova tem, as mulheres desfazerem o empate a 2, passando o resultado a seu favor de 3-2. Já sabem como eu sou e quem apoio sempre... Viva as mulheres! :)

Nuno, Carla e Sandra, Sandra que também está muito de parabéns pelo seu 2º melhor tempo de sempre! :)

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Um dia fazer um bi-diário - Efectuado!


Já há muito que acalentava o desejo de fazer um treino bi-diário. Ora, em vez de simplificar, nada como complicar e realizá-lo no dia semanal de treinos no EUL onde fazemos séries, skipping e outras coisas levezinhas...

Como esse treino dura à volta de 6 kms, ao final da tarde teria que fazer mais 15 para perfazer uma Meia-Maratona.

A Isa juntou-se a esta ideia e de manhã lá fomos para o EUL com a Carla e não facilitámos nada, esquecendo por completo que à tarde haveria mais. Então a Isa, não facilitou mesmo nada... mas isso são novidades para ela contar no seu cantinho. Apenas digo uma coisa: Quem está habituado a ver a Isa correr, não imagina como ela se transfigura em sprints vigorosos e com uma passada perfeita de velocista!
A Carla está no início deste trabalho, foi apenas a sua 2ª semana, mas pelo que vi hoje até aos 300 metros, dêem-lhe mais umas semaninhas e...

À tarde, além dos dois bi-diaristas, juntou-se o Vítor para quem bi-diário é coisa pouca mas isso ele contará também no seu cantinho. E os 15 foram despachados duma forma muito agradável, de tal maneira que nem pareceu que se esteve a correr aquele tempo. E perto do final, até deu para encontrar o grande Pedro Carvalho!

Em conclusão, isto fez-se muito melhor do que esperava e não vou ficar por experiência única. Em especial porque após a Maratona de Sevilha tenho outro objectivo especial à vista e há que dar-lhe forte e feio!
Mas a verdade é que se fez bem devido à companhia, em especial dum casal tão simpático como a Isa e o Vítor que, indo na converseta com eles, os quilómetros voam.

Sozinho, talvez tivesse feito mas o cansaço e o desgaste seriam incomparavelmente maiores e o prazer não tão grande. 
Durante quase toda a minha carreira no Atletismo treinei sozinho. Desde 2006 ao Outono de 2012 contam-se pelos dedos duma só mão os treino que fiz acompanhado. Por causa das Maratonas, e agora deste trabalho específico de treinos no EUL, tenho treinado várias vezes acompanhado. E que diferença! 
Se tivesse possibilidade de correr muito mais vezes acompanhado, com pessoas de ritmo semelhante, tenho consciência que, não só era mais agradável, como progrediria de outra forma pois dá-se mais, quer em ritmo quer em distância.

Sevilha aproxima-se e aquela meta a ser cortada está mais perto!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Revista Spiridon Novembro/Dezembro


Recebi o número de Novembro/Dezembro da Revista Spiridon, como sempre cheio de assuntos que interessam a todos que fazemos da corrida o nosso desporto.

Índice:

- Editorial - Cada vez mais maratonistas
- 180 passadas por minuto e... conseguirá correr mais rápido - Como encontrar a frequência ideal de passada
- Retorno à calma também é treino 
- A influência dos tipos de pisos na corrida
- 17 esquemas de exercícios perigosos...
- Fartlek um método de treino diferente (1ª parte)
- Aprenda a melhorar o seu plano de treino
- Artes do perder peso

Isto além das rubricas habituais.

Para receber esta excelente revista: Publicação exclusivamente dedicada à corrida (6 números por ano). Distribuição apenas por assinatura: Preço da assinatura anual 21 € . Por cheque, ou transferência bancária.NIB = 0010 0000 6176291000127 revista.spiridon@gmail.com

domingo, 22 de dezembro de 2013

Correndo por Lisboa com os olhos em Sevilha

Antes (estava frio!)

Ontem foi dia de treino de 20 kms com a sempre excelente companhia da Carla e Isa.

Com os olhos em Sevilha, andámos pela bonita cidade de Lisboa, despovoada da confusão de trânsito em dias de semana. 

Após o treino no EUL na véspera, onde a Carla se estreou neste tipo de treinos e a Isa voou nos 400 metros, onde eu fiz a minha 2ª melhor marca, idealizámos um treino predominantemente em ciclovias. 

Assim, começámos em Benfica e seguimos por Campolide, Eduardo VII, Campo Pequeno, Campo Grande, Cidade Universitária e regresso a Benfica. Não chegou a 20 mas ficou muito perto (19.430).

Durante (em contra-luz no Eduardo VII)
No meu caso, um pequeno incidente por volta dos 16 kms onde numa curva ligeiramente a descer, coloquei mal a perna e o joelho esquerdo ressentiu-se de imediato. Apesar de estar bem na respiração e pernas, optei por seguir lentamente para evitar algum mal. Após os alongamentos finais passou mas hoje está cá o sinal. Mas isto vai (tem que) ir ao sítio pois na próxima 5ª feira vou experimentar algo que há anos ando para fazer, um bi-diário. De manhã o habitual treino no EUL e ao final do dia o resto (uns 15) para completar uma Meia. Será bem mais fácil correr uma Meia de seguida do que com este intervalo de tempo mas é mais uma experiência. 

Faltam 63 dias para o grande dia! :)

Depois

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Momentos especiais

video

Partilho aqui o filme da minha chegada na recente Meia-Maratona dos Descobrimentos, por ser um momento especial que muito me diz. 

Em termos estatísticos, e em 30 Meias-Maratonas, foi o meu 3º melhor tempo e a 3ª vez que baixei da barreira das 2 horas. 
Em 2007 tinha realizado 1.56.35 e em 2010 fiz 1.56.53. Agora marquei 1.58.26 noutras condições e idade.

Apesar de terem existido duas com melhor tempo, sinto que esta foi a melhor Meia que já corri, aquela onde dei mais de mim. Foi uma das corridas da minha vida e de forma imprevisível.

Daí, o momento tão especial e tão saído de dentro de mim ao cortar a meta (sim, aquele grito que se ouve é meu!).
Só quem anda lá dentro é que pode compreender estes momentos.

Para quem quiser ver o filme de todas as chegadas desta Meia-Maratona, clique aqui

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Inscrito na Maratona do Porto


Sim... sei que ainda faltam 10 meses e meio para a 11ª Maratona do Porto mas soube pelo Carlos "Papa Kilometros" Cardoso que quem se inscrevesse até final deste mês pagaria apenas o preço promocional de 20 euros em vez de 35.

Só queria pensar nesta Maratona após cortar a meta em Sevilha "pelas razões que se conhecem". Hesitei mas a Mafalda deu-me um boost de confiança ao dizer "Arrisca! Tu vais conseguir" e... estou inscrito! 

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

A louca corrida às inscrições do Fim da Europa


O Grande Prémio do Fim da Europa durante muitos anos foi uma prova com participação não significativa, rondando até 3 centenas de participantes. Era conhecida a sua dureza e existia alguma aversão a subidas por parte de muitos atletas.

Esse mito, digamos assim, foi desaparecendo, o apelo por desafios tomando conta de muitos, aliando o facto de ser um percurso muito belo.

E a participação disparou, ultrapassando o milhar e meio em 2011. Previa-se à volta de 2 mil em 2012. pois o passa a palavra era muito elogioso, mas nesse ano, em virtude da cega fobia por cortes sem medir o retorno, a prova foi cancelada.


Umas boas centenas de atletas juntaram-se e fizeram um treino como se da corrida se tratasse, forçando o seu regresso em 2013, agora em termos mais adaptados ao momento actual, sem a tenda dos comes e bebes no Cabo da Roca e outras coisas supérfluas, tendo sido decidido limitar a participação a mil atletas. 

Apesar das inscrições terem aberto 3 meses antes, numa dúzia de dias esgotaram, deixando muitos de fora, pois não calculavam que os lugares disponíveis voassem como voaram.

Para esta edição número 24 do próximo 26 de Janeiro, a expectativa era grande pois havendo novo limite de mil, sabia-se de antemão que esses lugares não demorariam os tais 12 dias do ano passado a serem tomados. Mas também não seria imaginável que eles apenas durassem... meia dúzia de horas!


Pois é, saiu a comunicação da abertura das inscrições, tratei logo de as efectuar e já havia 80 inscritos. Com 2 horas e meia chegava-se à metade e, apesar de ter sido entretanto anunciado que não haveria limite mas sim preços progressivos, ao fim de 6 horas os primeiros mil, com preço de inscrição de 12 euros, esgotaram!
Entre o 1.001 e o 1.500 que ainda há lugares, pelo menos no momento que escrevo estas linhas (estão já 1.100 às 19.30), serão a 15 euros e a partir daí a 18 euros.
(actualização 22 horas depois de abertas as inscrições, estão neste momento 1.300!)

Um bonito lema usado para esta prova foi o "Dificilmente haverá prova mais bonita...", outro que podemos acrescentar é "Dificilmente haverá prova mais concorrida..." em termos de inscrições, pois julgo que deverá ter sido batido algum record nacional de voarem inscrições.

Venha o 26 de Janeiro, venha a sua fabulosa subida inicial de 4 kms, venha a "parede" aos 10 kms e venha, sobretudo, aquela especial sensação de liberdade que se sente em diversos troços.


domingo, 15 de dezembro de 2013

G.P.Natal - Correr atrás do sonho

Os dois 4 ao Km presentes, Eberhard e eu

Can you imagine when this race is won
Turn our golden faces into the sun
Praising our leaders we're getting in tune
The music's played by the madman

Forever young, I want to be forever young
Do you really want to live forever, forever or never
Forever young, I want to be forever young
Do you really want to live forever
Forever young

(Excerto de Forever Young dos Alphaville)

Com os amigos Luís, Nuno e Sandra. Reparem bem no meu número, 1755. Vinha aí terramoto!
Com o colega Joel. Parabéns pelo grande record!

Nos últimos tempos não tenho falado muito sobre este assunto e, assim, os meus mais recentes leitores desconhecem um sonho que os mais antigos já devem estar marrecos de ouvir falar. Aliás, de sonho já quase passou para obsessão. Tão simples como baixar dos 50 minutos aos 10 quilómetros.

Daqui a mês e meio faz 7 anos que tudo começou. Nesse dia, em Fevereiro de 2007, realizei 50.37 em Grândola e a minha evolução natural dizia que os 49.59 estavam à porta. 
Não vou aqui relatar tudo o que veio a suceder e que sempre impediu esse objectivo de ser alcançado, pois caso contrário necessitariam de várias horas de leitura, caso aguentassem. Muito resumidamente posso dizer que participei em três provas em que alcancei média de sub50 mas essas não chegavam aos 10, faltavam umas poucas centenas de metros. Numa, a média apontava para 49.10!
Um pé torcido antes da corrida onde tudo estava preparado para o alcançar. Um pé partido quando tornava a apontar para o mesmo fim. Uma gripalhada forte quando tive uma lebre de luxo para me auxiliar numa prova que daria. E isto apenas para focar as alturas mais significativas.

Entretanto, em Abril de 2011 em Constância, baixei o tal famoso record de Grândola para 50.08

Este ano, tive a confirmação que a idade não perdoa. É muito diferente fazer aqueles tempos com 46 anos ou tentar com 53. E escrevi que o sonho estava acabado, num artigo que nem digo qual para não mo virem atirar à cara! 
Ainda agora estive a reler os vossos (revoltados) comentários a essa minha frase e nem digo nada! He he!

A dar o máximo. Foto Atletismo Valejas

É verdade, e ninguém pode negar, que na minha idade vão-se perdendo uns segundos por quilómetro. Não há nada a fazer! Mas também é verdade que certos treinos que ainda não tinha explorado na sua totalidade, também fazem muito bem. E outra verdade é que, apesar do que digo, sou um sonhador inveterado. Posso reconhecer uma realidade mas, num meu cantinho especial, está lá o sonhador.

A juntar a este menu, adicione-se duas amigas do coração que, com uma semana de intervalo, sem combinarem, e após me verem naquelas séries de 400 metros, fizeram um pedido em forma de confidência "não desistas!"

Apontei esta prova para tentar dar o máximo e aquilatar do meu estado actual, consciente que com o trabalho que estou a efectuar, apanhar este percurso daqui a um mês seria o ideal. 
A corrida na semana passada veio dar-me um boost de confiança a toda a prova.

Encarei-a como a corrida onde tinha que dar tudo o que tinha, sem deixar nada de sobra. Se, o mais natural, quebrasse, tudo bem, teria a consciência que tinha tentado.

A força mental foi de tal forma que nem se deixou abater por uma ou outra pequena contrariedade, que há sempre. Nada me iria impedir de tentar! 

E foi assim que encarei o dia de hoje. Confesso que acordei com um certo stress pré-competitivo, frase bem elaborada mas que na realidade quer dizer nervoso para burro!
Mas esse nervoso soltou-se quando comecei a aquecer e a alegria de correr tomou-me. 

Último esforço. Foto Atletismo Valejas

Um dos meus problemas para tentar os 49.59 é o início. Necessito duma média de 4.59 mas se me coloco logo muito rápido, hipoteco as possibilidades. Se fizer o primeiro quilómetro mais calmo, o que me permitirá depois atacar até ao final, perco umas dezenas de segundo que dificilmente recuperarei. O equilíbrio é difícil mas hoje consegui realizá-lo.

Parti consciente que não estava com 49.59 nas pernas mas não queria saber! Ia lutar, desse o que desse, nem que a segunda metade fosse a rastejar. 

E confesso, apesar de sempre um pouco acima da média, cheguei a cheirar o "tal" tempo. Entre os 5 e os 7 constatei que já não seria possível. Mas acham que isso influenciou alguma coisa? Nada! Hoje era para correr a dar tudo, como se fosse possível. Até ao último metro. E tenho consciência que assim o fiz e não poderia tirar um segundo que fosse. 

51.02 de tempo (real) final, no que passou a ser o meu melhor tempo dos últimos 2 anos e 3 meses. 6º tempo de sempre, apenas batido 2 vezes em 2007 e 3 vezes em 2011 (para consultarem a tabela de tempos das minhas 120 corridas de 10 Kms, clicar aqui)

51.02 mas nenhuma euforia ou emoção ao cortar a meta. Apenas orgulho, muito orgulho pois sei que dei TUDO!

No final, a alegria da presença da Carla e Jaime

E... apesar de tudo o que já passei e que sempre me impediu de chegar àquele tempo, o que teria feito desistir muito boa gente, não vou prescindir deste sonho. "Não desistas!"

Por agora vai ficar em Banho-maria pois, após estes dois incríveis domingos, é altura de passar a olhar apenas para Sevilha. Mas... o dia há-de chegar! Calma e serenamente.

Quanto ao evento em si, posso dizer que nas minhas 8 épocas de Atletismo, foi a 7ª presença (apenas falhei a do ano passado por ter calhado uma semana após a estreia na Maratona) e esta, historicamente, sempre foi mal organizada e com algumas falhas incríveis. 
Pois hoje, nada tenho a apontar! Parabéns! E parabéns pelo record de participantes, 1.899, mais 232 que o anterior máximo de 2011.






sábado, 14 de dezembro de 2013

Uma rica manhã com o 7º Treino Solidário Correr Lisboa

O grupo. Fotografia de Rute Ornelas

Estive presente hoje de manhã no 7º Treino Solidário Correr Lisboa, apoiando a Casa Sol, instituição que acolhe actualmente 14 crianças com idades entre os 8 e os 18 anos.

O local escolhido foi excelente, Parque da Tapada da Ajuda, onde se insere o ISA (Instituto Superior de Agronomia), local que desconhecia e que reúne condições excepcionais. Por várias alturas sentia-me em qualquer parte do país menos em Lisboa, pelos seus campos e animais.

Para ajudar, tivemos direito a visita guiada por parte da Isa que andou no ISA e, assim, foi-nos explicando os locais pois foi no ISA que a Isa se formou. (confusos com tanta Isa?)

Com menos presenças que no 6º treino (Parque das Nações), os grupos dividiram-se em 3. Caminhada de 3 kms e corrida de 5 e 10 kms, sendo que os atletas que pretendiam efectuar a dupla légua davam 2 voltas e os de 5 uma volta. 
Fui com a Marta, Isa e Vítor, deixando-os ao final da primeira volta pois pretendi não me desgastar para o Grande Prémio do Natal de amanhã, tendo eles seguidos para mais uma volta àquele belo local.

Eu estou a falar a sério, a fotografia foi tirada em Lisboa!

Mas a manhã começou muito bem com um convite à Marta. Lembram-se de no artigo da Meia-Maratona dos Descobrimentos ter relatado que a Carla, Jaime e Vítor tinham sido convidados e aceite fazer parte dos 4 ao km? Pois na altura escrevi "Já somos 10 ricos elementos mas será que irá haver mais novidades para breve? (não perca os próximos episódios!)" Pois... é que ainda faltava convidar a Marta, que só a veríamos hoje, e o convite foi efectuado pela sua madrinha Isa. A Marta revelou velocidade Boltiana pois a Isa ainda estava a acabar a pergunta e a Marta já estava a responder que sim! 
E assim passamos a ser 11 elementos. E um exemplo em termos de paridade! Enquanto a média feminina nas provas nacionais é de cerca de 16%, temos perto de 50% de atletas femininas (5 em 11)

Depois do agradável treino, altura para concretizarmos o que nos tinha ali levado, irmos entregar os bens necessários à Casa Sol, e com direito a cantarmos 3 músicas de Natal. Além de bons atletas, também somos bons cantores! Não se admirem se começarmos a ser aliciados por agentes musicais! 

E pronto, uma rica e útil manhã passou-se da melhor maneira. Venham mais!   

O grupo 4 ao Km presente: Isa, Vítor, João e Marta

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Sábado - 7º Treino Solidário Correr Lisboa


No próximo sábado, vai realizar-se o 7º Treino Solidário - Correr Lisboa, para ajudar as crianças e jovens da Casa Sol.

Qualquer informação pode ser consultada aqui e reproduzo de seguida o texto e orientações da organização:

7º Treino Solidário Correr Lisboa 
correrlisboa.com/ a pipoca mais doce
14 de Dezembro | 10h00 | Ajuda
Caminhada 3k | Corrida 5k e 10k
Madrinha do treino: Ana Garcia Martins - autora do blogue "A Pipoca mais Doce" 
Vamos correr para ajudar as crianças e jovens da Casa Sol!*

Inscrição gratuita mas obrigatória! Basta enviar e-mail para treinosolidario@correrlisboa.com com nome e distância que quer fazer.

Neste treino solidário o Correr Lisboa vai levar-vos a conhecer um dos lugares mais bonitos de Lisboa: O Parque da Tapada da Ajuda.
Vamos correr/caminhar sempre dentro do Parque, em alcatrão e durante o trajecto para além da magnífica vista pela cidade, pode ser avistada uma enorme diversidade de animais como pássaros, cavalos, esquilos, etc.
Para além da beleza da Tapada, neste Treino Solidário vão encontrar percursos um pouco diferentes do habitual. Não serão totalmente planos, durante os percursos existirão algumas subidas (e descidas, claro!). Os participantes serão divididos em 3 grupos, um de caminhada e dois de corrida, sendo que o grupo dos 10k fará duas voltas ao trajecto e o dos 5k apenas uma. Vai ser uma manhã bem passada. Venham correr para ajudar e deslumbrar-se com a paisagem!

PONTO DE ENCONTRO/ PARTIDA/CHEGADA:
Portão do Parque da Tapada da Ajuda. (Calçada da Tapada. Perto do Pavilhão da Ajuda)
Quem vai de carro pode estacionar nas ruas circundantes.
No final do treino podem ir aos carros buscar os donativos e os vossos gorros de Pai/Mãe Natal, as antenas de rena, os instrumentos musicais, etc e partimos dali todos juntos até à Casa Sol (fica a +/- 500m).

*Lista de necessidades: leite meio gordo e magro; cereais; sumos individuais( lanches para a escola); açúcar; azeite; detergente de loiça e roupa; fraldas tamanho M; resguardos camas; shampoo; gel duche; pasta de dentes; papel higiénico;
guardanapos, sacos para lixo (50L e 100L).

A Casa Sol acolhe neste momento 14 crianças (dos 8 aos 18 anos). Como estamos na época natalícia, presentes para oferecer às crianças também são bem vindos :) (ex: jogos, puzzles, livros, legos, etc).

No fim do treino afinamos as vozes, colocamos o gorro de Pai/Mãe Natal e vamos todos entregar os donativos directamente na Casa Sol e cantar para as crianças uma canção de Natal :) Contamos convosco! 

Convidem amigos, familiares, colegas, vizinhos, ... venham todos! Juntos vamos correr para ajudar as crianças da Casa Sol!

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Felicidade! (Um ano)


Se há efeméride que não podia deixar passar em claro é esta, por tudo que me diz.

Após 5 anos a sonhar com algo que parecia impossível para um atleta como eu, faz hoje um ano que cumpri o sonho maior, o equivalente para mim a uma medalha de ouro olímpico. Tornei-me maratonista!

Avanços, recuos, receios, necessidade de acreditar que poderia ser possível, tudo levou a que fosse adiando o grande momento. Até que no final de 2011, a 26 de Dezembro, a decisão ficou definitivamente tomada com um ano de antecedência. 9 de Dezembro de 2012 seria o dia!

Se nos anos anteriores sonhava com esse longínquo objectivo, o ano de 2012 foi passado na integra a visualizar o que poderia ser.

Receio, muito receio, mas determinação, toda a determinação, o que me levou a superar o que de mau esse ano me trouxe e agarrasse com maior força a esse objectivo máximo.

E chegou o dia e com ele o meu momento de glória. Tão forte que nem reacção consegui ter no final, tal a emoção.
Não vou aqui repetir tudo que se passou, para tal aconselho a leitura do respectivo artigo, artigo escrito com toda a sensibilidade à flor da pele e que continua a arrepiar-me ao relê-lo.

Dez meses depois tornei a alinhar numa Maratona. Por uma infeliz e cruel partida do destino, não foi possível passar dos 15,5 kms. O meu melhor momento de sempre no Atletismo e, sem dúvida, o meu pior momento, estão ambos ligados às duas Maratonas.

A 23 de Fevereiro, em Sevilha, alinharei novamente numa, mas isso é futuro e o motivo deste artigo é o presente. Sim, o presente e não o passado pois o momento que celebro hoje um ano, está sempre bem presente em mim, no que foi um presente que a vida me deu.

Muito me podem retirar, mas o que nunca deixarei de poder dizer é SOU MARATONISTA!