domingo, 28 de julho de 2013

27 difíceis (e com pequeno acidente) mas... feitos!

Se compararem esta fotografia com a última, vão perceber qual foi antes e depois...
Antes de falar sobre o motivo do artigo, não quero deixar de congratular todos os ultra atletas que disputaram hoje a difícil Ultra Maratona Atlântica Melides-Tróia. Parabéns!!!

Ao pé deles quase que me envergonho de falar dum treino de "apenas" 27 kms mas aqui vai.

Hoje era dia de 27 kms e o trio era composto por um maratonista de ainda apenas uma Maratona, a que se juntaram os Pré-Maratonistas Isa e Vítor

No meu caso, havia um certo receio pois após os problemas que me afligiram no sábado passado (ler aqui), e ao contrário do que seria de esperar, ainda não estou a 100%, nomeadamente no capítulo energia. Mas a coisa, lentamente, vai melhorando e espero para a semana estar bem melhor.

Hoje escolhemos partir de Cascais, do exacto sítio donde arrancará a Maratona a 6 de Outubro e à mesma hora, 10.05, seguindo pelos passeios marítimos, ou da Marginal na sua ausência, até Belém e depois retornar para Algés onde ficaram os carros.

Reparem bem naquele ponto verde pintado na estrada. É ali o metro 0 dos 42.195 
A temperatura estava acessível, e assim se manteve até perto dos 16 kms, e inclusive no final do 1º quilómetro pingou um pouco. Eu, nada parecido com a semana passada, seguia bem, feliz e contente, em alegre convívio.

Depois o sol começou a aparecer com alguma força, em especial no passeio da Cruz Quebrada onde parece ser sempre mais forte, o desgaste dos quilómetros a passarem, o ainda não estar a 100% idem, e a coisa começou a dificultar aos 17. O que me custou, e eles vão ralhar-me por dizer isto, mas foi o ter prejudicado a partir daí o bom andamento da Isa e Vítor.

Na sempre temível recta de Algés, comecei a ter uma cenoura à frente do nariz. No final dessa recta, passávamos pelo carro, donde tiraríamos mais águas e aproveitava para comer uma fatia dum bolo de laranja que a Isa levou. E, acreditem-me, ela tem mesmo jeito para bolinhos bons!

Estávamos com 20.300 quando pude degustar o belo bolo e isso deu-me um outro ânimo, recomeçando melhor mas aos 21.500 sofri um pequeno acidente. Meti o pé num buraco e bati com força na zona do dedo grande do pé direito. Não me espalhei mas fiquei queixoso do dedo. Cheguei a equacionar ficar por ali depois de ter ensaiado uma passada e sentido dor no dedo. Após me ter descalçado e ter calçado novamente, mas alargando um pouco o sapato, a coisa ficou suportável e decidi continuar.

Passadas estas horas, e após ter colocado gelo como precaução, concluo que o dedo não está inchado e que a zona do embate foi predominantemente na parte superior da unha. 
(Rute, não leias a próxima frase)
Lá será mais uma unha que irá cair.
(Rute, podes retomar a leitura)

Entre os 21.500 e os 25.500 foi o meu período mais complicado, em especial por tentar acompanhar o andamento dos meus dois colegas que, por mais que insistisse, não me queriam deixar para trás. Ora aos 25.500 seguiram e eu adoptei um ritmo que desse para aguentar e aí segui melhor.

Este treino igualou em distância um que fiz na preparação para a primeira Maratona e apenas foi batido por um de 30 nessa mesma altura e, logicamente, pela Maratona.

Gostei muito de ver como a Isa e o Vítor estiveram o tempo todo. Conseguiriam correr mais se necessário. E eu, mais uns dias para recuperar a 100%, estou também no ponto.

O que se conclui é que os nossos grandes adversários vão ser o hipotético calor (já há cunhas metidas ao S.Pedro para esse dia ter uma temperatura fresquinha) e o correr entre as 13 e as 15, mas isso temos que treinar mais.

Eu não disse que as caras não eram as mesmas?

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Um trabalho notável de Arons de Carvalho, disponível para todos!


Manuel Arons de Carvalho dispensa qualquer apresentação no mundo do Atletismo.

Uma das suas multi facetas, é um fabuloso arquivo estatístico de resultados do Atletismo português, algo que vem coleccionando desde 1966.

Decidiu agora, e em muito boa hora, partilhar esse tesouro, nascendo assim a página www.atletismo-estatistica.pt onde há de tudo.

Note-se só o fantástico menu à nossa disposição:
Recordes
Ranking Anuais
Rankings Sempre
Campeonatos de Portugal (Individuais)
Campeonatos de Portugal (Clubes)
Atletas Internacionais
Jogos Olímpicos
Campeonatos do Mundo
Campeonatos da Europa
Taças do Mundo e da Europa
Taças dos Clubes Campeões Europeus
Outras Competições Internacionais
Participações Internacionais Ano a Ano
Maratonas
Provas Nacionais de Corta-Mato/Estrada
Clubes
Diversos

Um enorme agradecimento ao Arons de Carvalho por ter partilhado tamanha e tão importante informação com todos nós.

sábado, 20 de julho de 2013

Um treino não concretizado


Na preparação para qualquer objectivo, no caso a Maratona de Outubro, há sempre momentos bons e outros menos conseguidos.

Até agora o plano gizado vinha a ser cumprido na perfeição. E no caso da Isa, mantém-se, após um belo treino de 25 kms (seu novo record de distância) feito onde se encontra de férias. Mas para a semana a Isa dará pomenores. 

No meu caso, a intenção era deixar o carro em Belém, apanhar o comboio até Cascais e vir a correr 25 kms. Como são 23, arrancámos do Monte Estoril, por uma confusão com os bilhetes, e fomos dar a volta a Cascais para permitir o acerto para 25. 

Falei no plural pois tive a gentil companhia da Sandra e do Nuno que, apesar de amanhã terem o Memorial Francisco Lázaro, ofereceram-se para me acompanhar.

Mas os planos podem sofrer reveses. Foi o que sucedeu logo de manhã. Já ontem à noite estava estranho e hoje levantei-me com um forte desarranjo intestinal que me deixou sem forma nem jeito.

Mas como estava combinado, fui esperançado que a coisa melhorasse. Puro engano! Desde a primeira passada que notei as pernas uma desgraça. Doía-me todo e qualquer tendão, músculo e sei lá mais o quê.

Tentei manter-me pois às vezes é só o desconforto inicial e de seguida o organismo acomoda-se. O que aconteceu? Foi piorando. Um esforço cada passada e a barriga foi dando umas pontadas. Após uma "paragem técnica" na Marina de Oeiras, marcando o relógio 11.760 metros, veio a constatação que não estava em condições para prosseguir e terminou ali o treino a 13.240 do objectivo.

Quem me conhece, sabe que se há coisa que me dói é desistir. Porém, reconheço que não havia outro modo. Resta-me consolar que não foi por deficiente preparação mas por um acidente de percurso alheio ao plano. E para a semana... vingança no treino de 27 kms!

Um agradecimento muito especial à Sandra e Nuno pela disponibilidade e paciência. 

Meskerem Legesse


Faleceu a atleta etíope Meskerem Legesse, com apenas 26 anos.

Legesse tornou-se atleta olímpica nos Jogos de Atenas 2004 quando contava apenas 17 anos, tendo representado o seu país nos 1.500 metros. De seguida, tornou-se profissional nos Estados Unidos da América até 2011, momento em que interrompeu a carreira, com apenas 24 anos, ao ser-lhe detectada uma insuficiência cardíaca.

E foi exactamente um ataque cardíaco que a vitimou quando se encontrava num restaurante chinês em Connecticut, na companhia do seu filho de 2 anos. Legesse escontrava-se grávida de 8 meses e os médicos que lhe prestaram assistência conseguiram salvar o bebé.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Prova do Bodo no Pombal - Uma excelente sugestão!


Felizmente, há muitas provas no nosso calendário. De tal maneira que em certos fins-de-semana somos forçados a tomar decisões difíceis por não podermos quebrar barreiras do impossível e estar em dois locais em simultâneo.

De todas as provas que conheço, simpatizo com quase todas. Mas umas cativam-me de forma especial. 

É o caso da Prova do Bodo no Pombal. Disputada como Meia-Maratona do Pombal até 2009, reconverteu-se para uma prova de 10 quilómetros em 2010, assumindo o nome de Prova do Bodo por fazer parte das Festas do Bodo.


Só a conheci em 2011 e desde logo fiquei conquistado pela organização irrepreensível, pelo percurso aliciante e por toda a sua envolvência.

Aliás, basta ler os artigos que na altura escrevi: Em 2011 "Prova do Bodo com alto nível" e em 2012 "Pombal com excelente organização no Bodo".

Nesta altura do ano, e até meio de Setembro, estou fora das corridas em virtude do plano para a Maratona obrigar a muitos treinos longos a serem realizados ao fim-de-semana. Das provas a que não vou poder ir, esta custa-me particularmente, mas outros valores se levantam. E em 2014 regressarei. 


Quando gostamos de alguma coisa, dá-nos prazer que outros também a conheçam. Assim, venho convidar todos que ainda não conhecem esta corrida a fazê-lo na sua já 31ª edição, no sábado 27 de Julho, com partida marcada para as 19 horas. 
Quem prefira uma corrida mais curta, às 20 disputa-se a mini de 3 kms e para os caminhantes, uma caminhada à mesma hora.
Para quem já conhece, tem todas as razões para regressar!

O local é bonito, as festas também e podem assim aliar turismo com o prazer de corrida. 

As inscrições decorrem até ao dia 25 e poderão ser efectuadas aqui.

Podem também conhecer o historial da prova aqui.

Surpresa

Aos bloggers mais rápidos a comentarem este artigo, manifestando a intenção de participarem na prova, está reservada uma surpresa.


terça-feira, 16 de julho de 2013

CARLOS SÁ GANHA A PROVA MAIS DURA!!!


Que emoção! Carlos Sá acaba de cortar a meta como vencedor na sua estreia na Ultra-Maratona Badwater, considerada a prova mais dura do planeta!!!

217 kms seguidos com temperaturas na casa da meia centena de graus e um final muito sofrido!

Acabou de se escrever um dos maiores feitos do desporto nacional. Neste momento, mais palavras como?


segunda-feira, 15 de julho de 2013

Irina Rodrigues conquista bronze no Europeu sub23!


Terminou ontem o Europeu sub23 em Tampere, Finlândia, e da melhor maneira, com uma medalha de bronze para Portugal, alcançada por Irina Rodrigues no Lançamento do Disco.

Irina lançou 56,80 e foi apenas batida pelas alemãs Anna Ruh (61,45) e Shanice Craft (58,64)

Recorde-se que Irina já tem no seu currículo bronze na Taça da Europa de Lançamentos 2009 (sub23), Europeu de Juniores 2009 e prata na Taça da Europa de Lançamentos 2010, 2012 e 2013 (sub23).
Conquista assim a sua 6ª medalha em nome de Portugal.

Parabéns Irina! 

domingo, 14 de julho de 2013

Sessão dupla Lagoa Stº André / Treino Memorial Lázaro

Os 4 ao Km presentes: Eberhard, Isa, eu, Lúcia e Carlos

No nosso plano para a Maratona, este fim-de-semana seria para 20 kms e decidimos assim reparti-lo em 10+10, com os primeiros 10 a fazerem-se na Corrida da Lagoa de Santo André no Sábado ao final do dia e os restantes no Memorial Francisco Lázaro a realizar na manhã seguinte.

Ora os planos saíram furados pois o Memorial acabou por passar para o próximo domingo, o que inviabiliza a nossa presença, mas decidimos ir cumprir com o estipulado e realizámos um treino no mesmo percurso do ano passado, ano do centenário (este ano será diferente).

É desta dose dupla que darei conta de seguida, chamando desde já a atenção para um recado da Isa no final. 

18ª Corrida da Lagoa de Santo André

Com os "Açoreanos" amigos, Sandra e Nuno. Boa disposição não falta!

Esta corrida é uma festa! 

O ambiente que se vive aqui é sempre diferente, talvez pelo período de férias, no momento ou sua aproximação. A isso junta-se um local propício e um convívio final muito agradável.

Este ano não foi diferente, antes pelo contrário. Tudo esteve como já nos habituaram e fazem desta prova obrigatória no calendário.

Umbelina Nunes, a tri-vencedora nas 4 primeiras edições desta prova, agora sempre atenta a que nada falte aos atletas

Além de todas as atenções que recebemos, saliente-se uma sempre muito agradável medalha pintada à mão, todos os anos com um motivo diferente, um animal da vasta fauna da Lagoa. 
No meu caso, foi a 7ª duma bonita colecção que pode ser apreciada na última fotografia deste artigo.


A organização foi recompensada com o igualar de record de participação que vinha desde 2008 com 610 atletas. Este ano, nem mais nem menos, o mesmo número, sendo 116 femininas (19%)

A nível de vencedores, exactamente o mesmo par de 2012, Alberto Chaiça dos Amigos do Parque da Paz (33.21) e Vera Fernandes do Bela Vista (38.26). Ele com mais 19 segundos que no ao passado, ela retirando 42 segundos a esse tempo. 

Segunda vitória consecutiva para Vera Fernandes

Foram acompanhados no pódio por João Cruz do Beja (33.48) e o vencedor de 1999, Eusébio Rosa dos Amigos do Parque da Paz (33.53) no sector masculino, enquanto no feminino subiram ao pódio Katarina Larson do Sporting Triatlo (40.21) e a vencedora de 2009, Chantal Xhervelle do Casal Figueiras (40.49)

Quanto à minha corrida, o momento é especial. Em virtude da preparação para a Maratona, esta foi a última corrida durante dois meses e a última, digamos, normal, antes desse ansiado dia, pois as outras duas que farei até lá são englobadas em treino longo. A 15 de Setembro a Corrida do Tejo num treino de 27 kms e uma semana depois a Corrida do Destak num de 18 kms. Assim, esta era a última hipótese até Novembro de realizar um tempozinho melhor. 

Partimos com muita cautela, o 1º km foi a 6.27, fomos aumentando gradualmente no 2º, 5.48 e depois descemos para os 5.18 e 5.12. Fomos correndo de trás para a frente e juntos até apanhar a Sandra e o Nuno. A Isa ficou um pouco com eles e eu segui pois estava a sentir-me bem.

Assim fui andando até que, ao fazer a rotunda que dá acesso à descida para a meta (uns 750 metros), apercebo-me que a Isa vem em grande velocidade a aproximar-se. Abrando o suficiente para me apanhar e irmos os dois a puxar até à meta, sempre incentivando-a pois o seu record oficial de 55.11 (tempo real) podia ser batido, apesar de estar muito apertado.

Vai... está quase... 

A média nesses últimos mil metros foi de 4.40, portanto o sprint final terá sido para o 4 muito baixo, ou melhor. Demos tudo o que tínhamos nesse final e duvido que pudéssemos ter ganho um só segundo que fosse. O que é certo é que cortámos a meta em... 55.11 (tempo meta a meta), igual ao segundo ao seu já existente record, o que provocou uma certa frustração dum lado, mas consciência que nesse final foi dado tudo. O problema foi uma certa melancia mas isso fica em suspense até a Isa escrever o seu relato.

De seguida, tempo para o convívio final e chegar a casa já perto da uma para "dormir à pressa" pois passados uma horas havia outra dupla légua a fazer, mas isso já segue.

Como curiosidade nesta corrida, o termos descoberto uma equipa, nova supomos pois ainda não a tínhamos visto, chamada 5 ao Km. 




Treino no percurso do Memorial Francisco Lázaro 2012

A Isa tinha convidado no seu blog quem quisesse aparecer. Não obtivemos qualquer resposta e pensávamos que iríamos apenas os dois. Afinal fomos 5, o que foi muito agradável.

Primeiro apareceram a Carla e o Jaime, um casal que não conhecíamos mas que em boa hora passámos a conhecer pois formam um casal bastante simpático.
Quando já tínhamos carregado no relógio para dar início ao treino, aparece o Vítor, um dos heróis do Almonda, que chegou mesmo a tempo de se juntar.

Fomos assim os 5 em ritmo muito agradável, e possível pelo facto de corrermos em passeio e com estradas por atravessar, e o treino fez-se muito bem. No meu caso e no da Isa, não nos ressentimos do esforço de ontem. E nos últimos 500 metros ainda puxámos um pouco. 

Ficou em aberto companhia para o treino de 25 kms a realizar no sábado pelas 18 horas entre Cascais e pouco depois de Belém.

Quanto ao Vítor... apenas digo que tivemos uma conversa muito agradável. Não foi, Vítor?

Os 5 magnificos: Carla, Isa, Jaime, Vítor e eu 

Recado da Isa

A Isa pediu-me para avisar que vai estar fora do seu excelente blogue durante uma semana, pelo menos, devido a ir de férias e, ao mesmo tempo, uma arreliadora avaria no seu computador.

O computador está a tentar ser reparado por um "conhecido e reputado técnico" e vamos ver o que irá acontecer.

A Isa diz que que lhe correu muito bem a prova de ontem e depois explica como uma melancia impediu o seu record. Também gostou muito do treino de hoje, em especial pelo que apreciou da companhia a quem agradece.
  

sábado, 13 de julho de 2013

Marcos Chuva de bronze nas Universíadas!


Os Jogos Mundiais Universitários, que se disputaram esta semana em Kazan, Rússia, ficaram marcados para as nossas cores pela medalha de bronze que Marcos Chuva brilhantemente conquistou no Salto em Comprimento.

Marcos Chuva registou os seus dois melhores saltos de 2013, primeiro com 8,07 e depois 8,15 que lhe valeu o 3º lugar final, sendo apenas batido pelo mexicano Luis Alberto Rivera (8,46) e o russo Alexander Menkov (8,42).

Parabéns!!!

domingo, 7 de julho de 2013

Bem duro, mas... que rico treino!

Antes do treino

Segundo o plano de treino para a Maratona, hoje era dia de treino de 24 kms. Ora se o plano diz isso, não há desculpas com o calor, é para se fazer!

Claro que tomámos as nossas precauções. Começámos mais cedo do que vai ser a prova (a hora exacta de partida foi 9.26) e escolhemos ir correr para Lisboa no percurso da Maratona que se realizava em Dezembro, para aproveitarmos as sombras entre os prédios. 

Claro que sabemos que temos que treinar o calor mas este fim-de-semana foi excepcionalmente quente, com temperaturas a chegar aos 40, algo que não acreditamos ir suceder em Outubro. Apesar de actualmente o tempo ser uma imprevisibilidade.

Seguimos o percurso da dita Maratona até aos Restauradores, para aí atalharmos até ao Martim Moniz e retomarmos o percurso da prova, agora nos seus quilómetros finais. Para quem conhece, já está a ver o que é. A subida da Almirante Reis. A distância exacta chegou já quase no estádio.

Antes de me alongar, há algo que é fundamental ficar escrito. O sucesso deste treino só foi possível em virtude do apoio logístico da Mafalda que aos 5, 10, 15 e 19 kms estava no caminho a dar duas garrafas de meio litro a cada. Uma para se beber, outra para despejar. Sem este apoio, não teríamos conseguido chegar ao fim. Nem a meio...

Devo confessar que estava receoso com este treino pelas dificuldades que o calor sempre me coloca. Mas uma vez mais concluí que após a Maratona do ano passado estou mais forte e resistente. Além da companhia que é fundamental, em especial quando é uma companhia de alguém que está altamente focada no objectivo final, como é o caso da Isa.

Assim, foi um treino que se fez com duas vertentes, dificuldade e prazer. Podem parecer antagónicas mas quem corre entende.

Houve uns bocadinhos que tivemos que andar, para recuperar, mas sempre tudo controlado e apontávamos de imediato um ponto para recomeçar e aí chegados não havia outra opção. 

De início sentia-me cansado (quem não se sente com o forno que tem estado?) mas também senti a Isa bem e foi questão de seguirmos sempre sem pensar no que faltava mas o que já estava feito.

Logicamente, a última coisa que interessava num treino com este tipo de condições, era o tempo final. Apenas por curiosidade, corremos durante 3.14.31, no que foi uma óptima sessão de resistência.

Durante este tempo, apenas nos cruzámos com um único atleta. Mas em certas esplanadas sentimos alguns olhares incrédulos. "Mas quem são estes loucos que andam a correr com esta temperatura?"

Pois estes loucos vão ter a alegria suprema de cortar uma meta a 6 de Outubro!

Para finalizar, e mais uma vez, os agradecimentos à Mafalda por todo o apoio. E também à Isa que está a ser uma companheira de treino/objectivo/sonho que supera todas as expectativas.

O que eu gostei deste treino!  

Depois do treino. Olhando para a fotografia será fácil perceber qual foi o nosso estado de espírito depois das 3 horas e 14 a correr?

sábado, 6 de julho de 2013

Correr onde os Formula 1 aceleravam


Vai realizar-se a 8 de Setembro a Corrida Jumbo, de 10 quilómetros, prova que tem a particularidade de ser disputada na pista do Autódromo do Estoril.

O Jumbo já teve a sua prova entre 1989 e 1995, na altura disputada entre os dois hipermercados de Alfragide e Cascais, na distância de 25 quilómetros e cujo palmarés pode ser visto aqui.


É o regresso do Atletismo a esta pista, após as duas primeiras edições da Maratona Spiridon, disputadas em Dezembro de 1982 e 1983.

Nessa altura o circuito estava em estado de semi-abandono, situação que se manteve até Abril de 1984, altura em que foi anunciado que seria o palco do último grande prémio do mundial de Formula 1 dessa época. Em tempo record, menos de 6 meses, o circuito foi remodelado e o expoente máximo do automobilismo visitou anualmente o Estoril até 1996.


A nível de desportos, os meus dois de eleição são o Atletismo e o Automobilismo. Desde a minha adolescência, passei muitos dias naquele circuito a ver os pilotos das diversas especialidades evoluírem e em relação às 13 edições da Fórmula 1, em todas estive presente nos 3 dias do evento.

Uma velha ambição que sempre tive desde que comecei a correr, foi o de um dia poder entrar numa prova de Atletismo no autódromo. O máximo que já tinha conseguido foi a 29 de Março de 2008 dar uma volta a correr num dia que abriram o circuito para a actividade física, conforme se pode ver na fotografia em baixo.

Assim, mal vi o anúncio desta prova, confesso que dei um salto de alegria na cadeira. Porém... logo me sentei decepcionado ao ver a data. Não estou cá nesse fim-de-semana! Fica para uma próxima oportunidade poder correr onde os Formula 1 aceleravam. 


sexta-feira, 5 de julho de 2013

Revista Atletismo de Julho


Já saiu a Revista Atletismo de Julho, mais uma vez e muito bem, realçando os atletas de pelotão na capa. 

Seu índice:

COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS
PISTA

6 - Europeu de Selecções – I Liga
8 - Europeu de Selecções – Super Liga
8 - Campeonato dos EUA
9 - Taça da Europa 10000m 

COMPETIÇÕES NACIONAIS
PISTA

10 - Camp. Nacional de Clubes I Divisão
12 - C. Nacional Clubes - II Div e III Div 
16 - Meetings nacionais
18 - Olimpico Jovem Nacional

ESTRADA

20 - Corrida Bes Challenge
21 - Circ. Nac. Estrada – Leiria
22 - Corrida Auto Europa
23 - Corrida das Pontes
23 - Corrida do Oriente
24 - Corrida de S. João – Porto
25 - Corrida dos Pupilos
25 - Marginal à noite
46 - Circ. Nac. Estrada - St. Cruz
46 - Circ. Nac. Estrada Évora
46 - Corrida de Sant'ana (Lisboa)
46 - Estafeta de Palmela 

ENTREVISTAS

26 - Atleta de pelotão - Dora Pinto 

REPORTAGENS

28 - Clube de pelotão - CA Seia 

ESPAÇO TÉCNICO
CONSELHOS

35 - Ultra Maratonas: como começar
42 - Não desistir?

NUTRIÇÃO

38 - Dieta vegetariana (segunda parte)

TREINO

40 - Velocidade crítica

FISIOTERAPIA

44 - Pubalgia – prevenção 

NATUREZA
TRILHOS

30 - Corrida do Guincho 
30 - Meia Maratona da Areia
32 - Madeira Island

MONTANHA

31 - Nac. Montanha
32 - Escalada do Mendro

TRIATLO

34 - Europeu de Triatlo 

SECÇÕES FIXAS

4 - Ponto de Vista
14 - Portugueses no estrangeiro
17 - Internacional
36 - Eu escrevo na revista
47 - Noticiário
48 - Lazer – aniversários e puxe pela cabeça
49 - Agenda da Corrida
50 - Calendário federado 

INICIATIVAS
REVELAÇÃO DO MÊS

51 - Maio - Ricardo Amaral

E agora, altura para a ler duma ponta a outra!

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Carlos Sá vai ao Vale da Morte - 217 kms seguidos e com 50 graus!


Carlos Sá vai participar a 15 de Julho naquela que é considerada a prova mais extrema do mundo, a Ultra-Maratona Badwater disputada em pleno Vale da Morte na Califórnia.

E porque é considerada a prova mais extrema do planeta? Por ser uma etapa única, de 217 quilómetros e debaixo de temperaturas a rondarem os 50 graus (coloco por extenso para não haver dúvidas - eu disse mesmo cinquenta graus!).


Ando eu aqui a "panicar" com a possibilidade de a 6 de Outubro poder estar calor naquela que será a minha 2ª Maratona... Não haja dúvidas que os nossos enormes sonhos e objectivos podem ser insignificantes se compararmos com estes inacreditáveis feitos.

De registar que estão inscritos 97 (super) atletas de 22 países

Desejo, desde já, as maiores felicidades ao nosso grande campeão! 

quarta-feira, 3 de julho de 2013

31º Troféu de Oeiras - Estatísticas e campeões


Terminou no passado domingo a 31ª edição do Troféu de Oeiras, a competição concelhia pioneira em Portugal.

Iniciou-se na época 1981/1982, entre 1983 e 1986 decorreu apenas num ano civil, na 6ª edição retomou a chamada época desportiva (de Setembro a Agosto na altura) entre 1987 e 1988, até este ano onde regressou  à totalidade das provas no mesmo ano.

O calendário foi composto por 14 provas, tantas como na edição passada, sendo a única diferença a de Leião que passou a ser alternada entre o Desportivo de Leião e os Joaninhas de Leião.

O total de participação nas 14 provas foi praticamente idêntico ao ano anterior, uma diferença de apenas menos 7 atletas. 8.179 em 2011/2012 e 8.172 este ano.
Já a nível de diferentes atletas, subiu-se de 1.482 para 1.491

Em relação a clubes envolvidos, registou-se uma subida de 71 colectividades para 81 

Fazendo uma estatística de participação prova a prova, comparando com a edição anterior, temos o seguinte quadro:


Prova
2013
2012
Diferença
1
776
662
114
2
606
618
-12
3
464
669
-205
4
695
641
54
5
614
638
-24
6
625
656
-31
7
515
435
80
8
545
597
-52
9
542
562
-20
10
586
537
49
11
551
507
44
12
620
679
-59
13
549
402
147
14
484
576
-92

Total
8.172
8.179
-7


Em relação aos diferentes atletas, dividiram-se da seguinte forma por escalão:


Escalão
Total
Masculinos
Femininos
Benjamins B
107
65
42
Infantis
107
55
52
Iniciados
87
46
41
Juvenis
66
37
29
Juniores
49
27
22
Sub23
49
33
16
Seniores
193
137
56
Vet 35
140
104
36
Vet 40
176
146
30
Vet 45
128
104
24
Vet 50
123
94
29
Vet 55
117
99
18
Vet 60
77
55
22
Vet 65
43
43
-
Vet 70
29
29
-
Total
1491
1074
417

Temos que o sector feminino teve uma representação de 27,96%, valor que aumenta para 44,71% se considerarmos apenas a formação de benjamins a juniores.

Quanto à classificação colectiva, o NucleOeiras alcançou o seu 4º título e consecutivo. 
As 10 primeiras equipas classificadas foram:

Lugar
Clube
Pontos
NucleOeiras
7.622
Leões Porto Salvo
4.681
Linda-a-Pastora
3.830
Fixes
3.595
Ribeira da Lage
2.231
Joaninhas Leião
2.136
Desportivo de Leião
1.939
Pára-Quedistas Tejo-Norte
1.726
Benfica Mem Martins
1.655
10º
Navegadores Porto Salvo
1.603
O Benfica de Mem-Martins sagrou-se vencedor dos clubes fora do concelho.

De destacar que o NucleOeiras venceu todas as 14 provas. Em 13 delas, a excepção deu-se na última, foram secundados pelos Leões de Porto Salvo 

A nível de colectividades campeãs, e apesar das 31 edições, a lista contempla apenas 5. São elas:

Clube
Títulos
Linda-a-Pastora
18
Linda-a-Velha
6
NucleOeiras
4
1º Dezembro Queijas
2
18 de Maio Outurela
1

Em relação aos campeões, duma lista de 28 escalões temos 30 campeões pois em dois escalões houve ex-aequo (à frente o número de atletas participantes no escalão)

Benjamins B F
Daniela Borges
NucleOeiras
42
Benjamins B M
DaniyilGorenco
Joaninhas Leião
65
Infantis F
Joycelene Barros
Fixes
52
Infantis M
Pedro César
NucleOeiras
55
Iniciados F
Ana Pereira
NucleOeiras


Cassandra Có
NucleOeiras
41
Iniciados M
Ruben Pereira
NucleOeiras
46
Juvenis F
Vanessa Agulha
NucleOeiras


Catarina Alves
NucleOeiras
29
Juvenis M
Ruben Veiga
NucleOeiras
37
Juniores F
Kcenia Bougrava
Valejas
22
Juniores M
João Bertolo
NucleOeiras
27
Sub 23 F
Marisa Antunes
AMB Cruz Vermelha
16
Sub 23 M
António Botão
Academia Lumiar
33
Seniores F
Mónica Moreiras
NucleOeiras
56
Seniores M
Euclides Varela
NucleOeiras
137
F35
Carla Santos
Leões Porto Salvo
36
M35
Hugo Gonçalves
Leões Porto Salvo
104
F40
Susana Almeida
Garmin
30
M40
Luís Coelho
NucleOeiras
146
F45
Mª Lurdes Venâncio
Linda-a-Pastora
24
M45
Rui Duarte
Leões Porto Salvo
104
F50
Mª Rosa Carita
CCD Sintrense
29
M50
Aretino Mota
Linda-a-Pastora
94
F55
Isabel Silva
Ribeira da Lage
18
M55
Jorge Reis
Fixes
99
F60
Manuela Folgado
Leões Porto Salvo
22
M60
João Soares
Ribeira da Lage
55
M65
Amilcar Ribeiral
Amigos Belém
43
M70
Bernardino Pereira
Fixes
29
De registar que João Soares venceu todas as 14 provas do seu escalão, sendo o único a alcançar tal feito.

Os campeões repartiram-se pelas seguintes equipas:

NucleOeiras
12
Leões Porto Salvo
4
Fixes
3
Linda-a-Pastora
2
Ribeira da Lage
2
Academia Lumiar
1
AMB Cruz Vermelha
1
Amigos Belém
1
CCD Sintrense
1
Garmin
1
Joaninhas Leião
1
Valejas
1