quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Spiridon 200 - Depoimento de Fernando Andrade


Spiridon

Venceu a maratona “coubertina”
Colhendo dela o duro e doce fruto.
Era grego. E o futuro lhe destina
Ter o nome em Revista, por tributo.

Na “mãe” das meias deu-se a conhecer
(Vai p’ra trinta e tal anos) e desde então
Quem corria já tinha onde aprender,
Em cada novo número, uma lição.

Era um desafio que lançado
P’la mão do Professor Mário Machado
Mostrava que correr era algo bom

E após duzentos números já contados (!)
São aos milhares os seus “aficionados”
Que querem dar um VIVA à SPIRIDON.

Fernando Andrade
(Atleta há mais de 35 anos. Já ultrapassou o número de 50 maratonas e ultras. É o organizador da Meia-Maratona de São João das LampasConsulte o seu blog aqui)

Não deixe de ler o depoimento de João Lima, publicado hoje no Último Km

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Spiridon 200 - Depoimento de Manfred Stefny


A primeira vez que vi o meu amigo Mário Machado, foi numa reunião que maratonistas de vários países fizeram, em Salvan na Suiça, em Março de 1976, na casa de Noel Tamini. 
A ideia era fazer algo na Europa para que qualquer corredor, de qualquer nível, pudesse correr sem que para isso fosse obrigado a ter mínimos que nessa época eram estipulados por todas as Federações de Atletismo. A ideia era fazer um movimento livre para que novos e velhos, homens e mulheres, campeões e “lentos” pudessem praticar a corrida sem quaisquer regulamentos impostos por dirigentes, cuja maioria nunca tinha corrido na vida.

Foi aí que nasceu o Movimento Spiridon Internacional que mais tarde havia de dar lugar à revista em língua francesa (responsável o suíço Noel Tamini), uma outra um ano mais tarde em alemão (da minha responsabilidade) e dois anos depois uma edição em português “ingenuamente” criada por Mário Machado.

Lembro-me do Mário nessa reunião, estava sentado ao meu lado esquerdo. Falou pouco, muito pouco mesmo. Éramos 23 de 7 países. O Mário falou muito pouco, mas lembro-me que disse uma coisa que ficou gravada na mente de todos com uma força tal que, de certa maneira, nos obrigou a ir em frente:
 “Espero que avancemos com tudo, pois se esta foi uma reunião de “brincadeira”, então era bem melhor termos estado a correr estas duas horas em que aqui estivemos sentados… “
Pronto! Esta frase foi o rastilho e cada um, como pôde nas suas regiões, tratou de fazer com que, em pequenos passos, em pequenos e grandes avanços, a corrida fosse algo mesmo disponível para todos.

Vem-me à memória outra imagem, esta de 1978. Mário tinha conseguido uma bolsa do governo português para ficar um mês no Centro de Treino e Clinica do Dr. Van Aaken, na Alemanha, em Waldniel. Ele não sabia falar alemão. Então, a troca de ensinamentos processava-se assim: O Dr. Van Aaken, explicava algo sobre o seu Método de Treino, ou sobre as suas teorias do esforço físico. A Dra. Joan Ullyot (conceituada fisilogista norte-americana que também estava com uma bolsa de estudo para o seu doutoramento) traduzia do alemão para o inglês e o Mário tirava apontamentos. O problema é que estes seus apontamentos eram compilados ao longo de todo o dia e a pobre Joan, no final de cada dia já não podia ouvir falar de treinos, esquemas, métodos e por isso dizia ao van Aaken, em alemão para o Mário não compreender: “Não diga mais nada senão o português quer saber mais e mais e mais…”

Sim a imagem que sempre tive do Mário era que estávamos perante uma pessoa que tinha ganas em levar todos os ensinamentos para os outros portugueses e o próprio van Aaken dizia-me: “Mário se fosse alemão acabava por ser o maior difusor do meu Método de Treino!”

A Revista Spiridon, com toda a idade que tem e estes suas 200 edições, é a prova de que a aposta que fez de conseguir que a corrida fosse algo ao dispor do maior número de portugueses se concretizou. Ele bem tinha razão naquela primeira reunião: Se é para não fazer nada mais valia estarmos a correr…

Manfred Stefny
(Fundador e responsável da Revista Spiridon Alemã)

Não deixe de ler o depoimento do professor Mário Machado, publicado hoje no Último Km

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Spiridon 200 - Introdução

(clique na imagem para ampliar)

A Revista Spiridon atingiu o bonita marca de 200 números editados facto marcante numa publicação bimestral.

A “correr” connosco desde Novembro de 1978, esta pequena / grande revista, muito justamente considerada a “bíblia” dos corredores Portugueses, continua cada vez mais viva, pujante e actual.

Sempre atenta ao evoluir dos tempos, a Spiridon é para além da edição impressa a presença diária no Facebook, a newsletter distribuída quinzenalmente a todos os interessados independentemente de serem ou não assinantes da revista e uma página na net.

Muito poucos acreditariam que a Revista Spiridon tivesse tamanha longevidade, facto demonstrado nas palavras escritas num editorial pelo Suíço Noel Tamini (fundador da Spiridon em Francês) aquando do lançamento da revista: “Mário Machado lançou-se ao mar numa frágil jangada chamada Spiridon Portugal!”

É a alegoria a essa jangada imaginária que Alfredo de Sousa (responsável durante anos por imensos grafismos relacionados com a corrida para todos) nos transmite no cartoon que ilustra este texto.

O Último Quilómetro e o JoaoLima.net vão publicar durante as próximas duas semanas, diariamente, depoimentos de assinantes da Revista Spiridon sobre o que significa para eles essa mesma revista.

Escolhemos corredores das mais variadas idades, condição física e anos de prática de corrida, para tentarmos ter um leque o mais abrangente possível de atletas.

Sobre a revista Spiridon aconselhamos também a leitura de um entrevista feita ao professor Mário Machado e publicada aqui.

O nosso obrigado a todos os que colaboraram connosco.

Jorge Branco
João Lima 

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Atlântico banhado a sol

 (Fotografia Fábio Pio Dias)

13ª edição do Grande Prémio do Atlântico na Costa da Caparica, uma prova que vai lutando com imensas dificuldades para sobreviver às reduções de patrocínios e à escalada de custos, mas que de ano para ano vê o número de participantes aumentar com atletas de pelotão desejosos de percorrer este bonito traçado que tem na passagem pelo pontão o seu ponto maior.

E que diferença para 2011! Um ano atrás ofereceu-nos um dilúvio, com um autêntico vendaval no pontão, enchendo-nos de areia por todo o corpo, até passando pela roupa. E nas partes sem roupa, a areia picava como alfinetes.
Hoje, um sol e temperatura primaveris que mais embelezaram a corrida. É bonito correr assim, mas muita falta nos está a fazer a chuva!

Mantendo as suas características e personalidade, tivemos nova mudança de percurso, em virtude das mais recentes instalações do organizador, o Núcleo Sportinguista da Costa da Caparica, mas sendo sempre uma prova plana e rápida que 1.444 terminaram, batendo por 125 os classificados de 2011 e mais de 400 em relação a 2010. Uma prova nitidamente do agrado dos atletas de pelotão. Pelotão de que fizeram parte 214 senhoras (14,8%)


Pedro Arsénio do Vale Silêncio foi o mais lesto a percorrer os 10 quilómetros, marcando 32.59, chegando destacado com um avanço de 50 segundos sobre Carlos Santos do Vila Franca de Xira, sendo 3º Filipe Januário de Almada. 
A equipa do vencedor, Vale Silêncio, venceu a classificação colectiva masculina, seguidos pelo Sargento Armada e Macedo Oculista. 


Na vertente feminina, Lucília Soares do Benfica juntou mais uma vitória à sua extensa colecção, perfazendo 39.53, sendo seguida pelas atletas dos Amigos Atletismo Mafra, Maria José Frias e Alice Basílio, duas atletas que conjuntamente com Kristine Reis deram a vitória colectiva feminina à sua equipa, seguidas pela Açoreana Banif e Macedo Oculista.

(Fotografia Carlos Lopes)

A minha corrida foi muito complicada devido a uma indisposição que me levou a participar tonto e enjoado. Antes da partida nem sabia como iria conseguir correr mas depois, com muito esforço e sacrifício, consegui cumprir os 10 quilómetros em 55.48, tempo que é o mais fraco das 5 presenças nesta prova mas cujo valor é significativo para mim. Aliás, ter conseguido superar o estado que me sentia, nunca cedendo á tentação de parar, lutando sempre, fez-me crescer como atleta e é com esse espírito que se alcançam objectivos como realizar uma Maratona.

Fotografias (desta feita a cargo da Fernanda Silva)




Tal como na Estrada, Dulce e Damião campeões de Cross

Manuel Damião e Dulce Félix, dois atletas a viverem um momento grande nas suas carreiras, aqui na apresentação da Meia-Maratona de Lisboa na passada semana

Terminou há pouco a 35ª edição do Cross das Amendoeiras em Flor na Aldeia das Açoteias, prova que serviu de Campeonato Nacional de Cross Longo.

E os vencedores foram exactamente os mesmos que no Nacional de Estrada disputado em Benavente no mês passado: Dulce Félix e Manuel Damião, ambos do Maratona, equipa que venceu colectivamente em ambos os géneros.

Para Dulce Félix é o 3º título consecutivo, a que se juntam os de Curto em 2010 e Sub-23 em 2004.
Para Manuel Damião, é o 1º Longo, a que se junta o Curto de 2004 e Juniores em 1997.

Para consultar os resultados completos, clicar aqui

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Atenção ao local de partida no GP Atlântico

Tem lugar amanhã a 13ª edição do Grande Prémio do Atlântico na Costa da Caparica

É necessário ter em atenção que o local de partida não é o mesmo dos últimos 3 anos. Basicamente, quando termina a via rápida da Costa, nos semáforos, em vez de se cortar à esquerda, terá que se cortar à direita, para o mesmo lado onde partia até 2008.
Logo a seguir é na 1ª à direita. 
Ver a foto publicada com a imagem da partida e chegada (clicar em cima da foto para aumentar).

Para mais informações, clicar aqui e aqui

De registar que após o grande aumento de participação no ano passado (de 1.037 para 1.319), este ano já foi batido o record de inscrições que ultrapassam os 1.500

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Mais um para Isinbaeva!

A fabulosa atleta russa Yelena Isinbaeva, regressou ao seu habitat natural, bater records mundiais!

Ontem, no meeting de Estocolmo, Isinbaeva bateu o record mundial de Salto à Vara em pista coberta com a marca de 5.01
Recorde-se que o record mundial ao ar livre e absoluto é seu com 5.06

Isinbaeva alcançou assim o seu 28º record mundial na especialidade, aproximando-se do recordista absoluto de máximos mundiais, o ucraniano Sergey Bubka que, na mesma especialidade, logrou 35.

Este veio numa altura bastante importante para a extraordinária atleta pois o seu último datava de 2009, tendo Isinbaeva suspendido a carreira em 2010, por necessitar de descansar mentalmente da obrigação que se lhe colocava de fazer sempre mais e melhor.

Em ano de Jogos Olímpicos e a regressar ao seu melhor, até onde Isinbaeva poderá voar?


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Corrida Contigo Japão - Uma corrida solidária contra a fome

11 de Março de 2011 fica marcado para sempre como uma das grandes catástrofes naturais, quando no Japão ocorreu um terrível terramoto seguido de tsunami, provocando milhares de mortos e vidas desfeitas, juntando-se a graves consequências ambientais.

Para assinalar essa data, a Associação de Amizade Portugal-Japão e a Xistarca vão organizar a 11 de Março em Cascais uma corrida de 8.000 metros, uma Mini Corrida de 4.000 e uma Caminhada de 2.500.

Sendo uma corrida solidária, vai ser aproveitada para a recolha de alimentos apoiando a luta contra a fome, pedindo-se a quem estiver presente que leve um pacote dum alimento com prazo superior a 3 meses, havendo contentores no local de partida para a recolha dos mesmos.

Para mais informações, clicar aqui.  

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Cross das Amendoeiras em Flor chega à edição 35

O Cross das Amendoeiras em Flor é uma prova mítica no calendário nacional, chegando no domingo à edição 35 num evento especial pois vai ser Campeonato Nacional de Corta-Mato Longo e Nacional de Juniores e Juvenis.

Iniciado em 1977 em Vilamoura, rumou à Aldeia das Açoteias em 1981, tendo visto desfilar grandes nomes do Atletismo e emotivas competições.
Entre os vencedores masculinos, o destaque vai para o queniano Tom Nyariki que triunfou por 4 vezes, seguido das 3 vitórias de Fernando Mamede, Kiprono Menjo e Osoro Ondoro.
Na sua relação de vencedores não faltam nomes como Carlos Lopes, António Leitão, Paulo Guerra e Sergiy Lebid.

No sector feminino, cuja primeira edição ocorreu em 1978, é Aurora Cunha quem comanda uma lista de triunfadoras, graças às suas 3 vitórias. No quadro de honra constam nomes como Rosa Mota, Albertina Dias, Fernanda Ribeiro, Dulce Félix, Tegla Lorupe, Gabriela Szabo, Gete Wami e muitas outras, cuja relação completa pode ser vista aqui.

A internacionalização desta prova sempre foi uma evidência, comprovada pelo facto de a última vez que um atleta masculino português venceu ter sido em 1995 com Paulo Guerra. Já na vertente feminina, o triunfo mais recente data de 2010 com Dulce Félix.

"Eu ainda sou do tempo" que os órgãos de comunicação social não estavam monopolizados por 22 a correrem atrás duma bola e, com a importância que esta prova sempre teve, recebia honras de transmissão televisiva directa.
Hoje em dia, e também muito por culpa da excessiva e doentia atenção que se dá ao futebol esquecendo todas as restantes modalidades, a organização tem passado por dificuldades que, inclusive, levaram que a edição de 2004 não se tivesse realizado. O orçamento actual é 80% mais reduzido que há 5 anos atrás e a moldura humana é composta apenas pelos que não perdem uma e respiram Atletismo. O grande público não vai, até porque desconhece. Não há qualquer referência fora do mundo do Atletismo porque, como já disse, é muito mais importante inundar de futebol tudo que é noticiário. Dizem que é o que dá dinheiro aos clubes. O que é um contra-senso atendendo ao seu estado de falência. Mas... o futebol dá muito jeito...

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

2 anos de blog


Tendo apostado no site para a componente de preservação dos resultados das nossas corridas, calendários e outras estatísticas, senti necessidade de dizer mais do que números. 

Escrevi assim, a 20 de Fevereiro de 2010 primeiro dia deste blog, as seguintes palavras:
"Chegou então a hora de acrescentar algo em falta, a componente notícias. Nasce assim este blog que pretende de forma sucinta noticiar o que se vai passando a nível de Atletismo e das nossas corridas, além dos inevitáveis apontamentos pessoais.
Espero que seja útil para todos os companheiros de estrada!"


Dois anos após, sinto-me orgulhoso do trabalho feito e ciente que muito mais há para fazer, melhorando sempre. 
De cerca de 18.000 visitas no primeiro ano, este segundo ano recebeu mais 60.000, aproximando-se assim dum total de 80.000, números que não imaginava aproximar quando o criei.


A todos que têm paciência para ler o que aqui escrevo e me incentivam a continuar, o meu muito obrigado por tudo!

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Moldura record em Cascais numa excelente manhã

 A equipa 4 ao Km com a designer das camisolas, Joana Lima, que apareceu com um cartaz surpresa

A 29ª edição da já longa história dos 20 kms de Cascais proporcionou um novo record de participação. Foram 1.604 os classificados, batendo em 198 o anterior máximo alcançado no ano transacto.
Contabilizaram-se 205 atletas femininas (12,8%).

E tudo ajudou ao clima de festa, desde a habitual boa organização, passando pela beleza do percurso ampliado pelo bonito dia a deixar o frio afastado e também a Rapidinha, corrida e caminhada de 5 kms que esgotou as 1.000 inscrições. Apenas foi pena no primeiro reabastecimento, aos 5 kms, os últimos já não terem apanhado água à disposição. Um ponto a ter atenção, até pela distância da prova.

Telmo Silva voa nos últimos metros da corrida

Depois das suas vitórias em 2005 e 2006 quando representava a Conforlimpa, Telmo Silva alcançou hoje o tri, perfazendo 1.05.47. Correndo agora pelo Atibá, Telmo vinha a 5 kms do final num trio de atletas, donde  fugiu, triunfando com 20 segundos sobre o 2º, Luís Lima do NucleOeiras, equipa de que também faz parte o 3º, Artur Santiago (1.06.49)

Catarina Ferreira, Carla Pinto e Paula Fernandes, pela ordem que terminaram

No sector feminino, Catarina Ferreira dos Joaninhas Leião continua a sucessão de grandes resultados que tem vindo a coleccionar, vencendo em 1.23.22, sendo seguida pela vencedora de 2009 e 2010, Carla Pinto do Macedo Oculista (1.24.26) e Paula Fernandes do Garmin Olímpico de Oeiras (1.29.36), sendo cada uma delas a primeira classificada no seu escalão, sénior, veteranas 1 e 2, respectivamente.

Desta vez tive o importante apoio dos meus filhos, o que mais ajudou à boa prestação

A minha corrida decorreu da melhor forma, tendo mesmo alcançado o meu melhor tempo nesta prova, na 5ª participação. Era de 1.58.19 em 2010, retirei 7 segundos (1.58.12). Estas foram as duas vezes que baixei das duas horas e em ambas de forma semelhante. Poupando-me o necessário até ao retorno (cerca de 12.5), para depois, sentindo-me bem, atacar por um tempo melhor na secção mais complicada do percurso, pois é aí que na realidade começam as dificuldades e, ou se está bem, como hoje e pensa-se que faltam apenas 7 kms, ou já se está desgastado, exemplo do ano passado, e os 7 que faltam parecem demasiado.

Como correu, e não só pelo tempo, deixou-me muito satisfeito e orgulhoso, sabendo que a parte fundamental foi ter corrido com cabeça.



O Gato Fedorento José Diogo Quintela também correu nos 20 kms. Quando chegou à partida já esta tinha sido dada e, mesmo assim, recuperou quase 500 lugares!

sábado, 18 de fevereiro de 2012

O percurso dos 20 Kms de Cascais

Entendi mal uma informação no site dos 20 Kms de Cascais e na 3ª feira coloquei aqui uma informação incorrecta.

Como estava escrito "Novo percurso - Ida e volta ao Guincho", entendi que não havia a volta inicial e ia-se logo ao Guincho, o que faria que o retorno estivesse 2,5 kms mais à frente. Ora afinal, mantêm-se a volta inicial à vila e apenas depois se vai ao Guincho, como tem sido hábito. A única diferença, e que origina o termo de novo percurso, é que chegando ao alto após a partida, não se segue pela direita pelo jardim, mas sim pela esquerda pela Boca do Inferno, estrada que depois vai dar à rotunda onde se faz o retorno para a tal volta inicial.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Constância cancelada

É com muita pena que tomei conhecimento do cancelamento do Grande Prémio da Páscoa de Constância, agendado para 7 de Abril, exactamente naquela que seria a edição bodas de prata.

Neste assunto, não é possível manter a frieza da notícia quando se está ligado emocionalmente a esta prova. Quem já correu naquele bonito cenário, entende o que refiro.

Local emblemático da junção do Zêzere com o Tejo, uma viagem para esta corrida sempre foi sinónimo dum dia muito bem passado, com uma riqueza paisagística que transmitia qualquer coisa ao percurso.
Porquê tantos atletas realizarem aí os seus melhores tempos? A distância era certificada, o ponto de partida era o mesmo de chegada, logo não seria por nenhum desses factores, apetecendo dizer que havia algo de magia naquela estrada serpenteante junto ao rio. Em especial após o retorno, sentia sempre uma espécie de magnetismo a puxar-me para a meta. Cruzando-a, o primeiro pensamento foi sempre "só daqui a um ano é que poderei correr outra vez neste traçado".

Espero poder reviver estas emoções no futuro e que a ausência de 2012 seja a excepção que confirma a regra.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Vendas Novas cancelada

É com tristeza que tomei conhecimento do cancelamento da corrida de Vendas Novas, agendada para 20 de Maio.

Com 18 edições no seu historial, era já uma clássica no 3º domingo de Maio, com um percurso propício a bons resultados e excelentes instalações de apoio aos atletas, deixando um vazio a quem se habituou a nela participar.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Atenção ao levantamento de dorsais para Cascais

Para quem no domingo for participar na clássica 20 Kms de Cascais, tenha em atenção que os dorsais são levantados nos dois dias anteriores à prova. A saber:
6ª feira - Nas instalações da Xistarca, entre as 10 e as 18 horas
Sábado - Junto à Câmara Municipal de Cascais, local de partida e chegada, entre as 10 e as 18 horas

Esta alteração em relação a anos anteriores, prende-se com o crescimento de atletas nesta prova que, no conjunto dos 20 Kms e da Rapidinha (5 Kms), ultrapassa os dois milhares de participantes.

Recordo que entre a edição inaugural de 1984 e até 2005 o número de classificados na prova maior foi sempre abaixo do milhar para, a partir daí, subir até aos 1.406 do ano passado, sendo que este ano o limite são 1.500 atletas nos 20 kms e 1.000 nos 5 kms.

Há outra alteração e esta prende-se com o percurso. Em vez da tradicional volta inicial pela vila, passando novamente pela meta à légua e só aí tomar a estrada do Guincho, esta edição é de ida e volta ao Guincho, sem essa volta inicial, estando naturalmente o retorno 2,5 kms mais à frente. 

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Marco Fortes com novo record nacional absoluto a 9 centimetros dos 21 metros!


Marco Fortes não pára! Hoje no Nacional de Pista Coberta alcançou novo record nacional absoluto do Lançamento do Peso com 20.91, melhorando em 2 centímetros o anterior máximo e quedando-se a escassos 9 centímetros dos 21 metros!

Único atleta português de sempre nos 20 metros, Marco Fortes a manter assim o seu momento, poderá elevar a fasquia para valores impensáveis há pouco tempo!


Curiosamente, este record tem história. Inicialmente considerado lançamento inválido por supostamente Marco Fortes ter pisado o delimitador, o que foi visível nas imagens televisivas que não e que levaram Marco Fortes a sair bastante furioso, os juízes recuaram na decisão ao constatar nas ditas imagens a legalidade do lançamento, numa altura que Marco Fortes já estava no controlo anti-doping!

Mem Martins mete a 5ª e acelera para record de participação

(Foto Manuela Folgado)

Dia frio, a que o vento ajudava a gelar mais, mas o calor humano característico desta organização ajudou a superar. 

Após os iniciais 280 atletas, as 3 restantes edições foram na casa das 4 centenas, com o máximo de 479 em 2009. Ora agora, comemorou-se a 5ª edição do Grande Prémio de Mem Martins com a quebra da barreira do meio milhar, 524 atletas classificados, mais 45 que o record e 81 que 2011.
Contabilizaram-se 75 atletas femininas, também aqui uma melhoria pois representaram 14,3 % contra os 11,5% de 2011.

Esta é uma prova da Associação Desportiva Real Academia, entidade que, com parcos recursos, utiliza a vontade e empenho como suas armas para fazer melhor que algumas organizações com outras possibilidades.
Hoje, mais uma vez tudo esteve ao melhor nível, apenas tendo notado que as placas quilométricas estavam um pouco adiantadas. 

Perfazendo 31.59, Jorge Miranda do Benaventense levou para casa os louros da vitória, deixando Bruno Fraga do Reboleira a 7 segundos e o seu colega de equipa Luís Pinto a 10.
Jorge Miranda é o 5º atleta masculino, em outras tantas edições, a inscrever o seu nome no livro de honra desta prova. Já no capítulo feminino, Josefa Bongue somava duas vitórias, o mesmo que Ana Mafalda Ferreira do Estreito alcançou hoje.
Os seus 35.30 são 1.05 mais rápidos que a sua vitória do ano passado e passam a constituir novo record feminino do percurso.
Na 2ª posição finalizou a outra atleta que já aqui venceu, a benfiquista Vera Nunes que marcou 37.01, com Tânia Cabral da Garmin a 7 segundos fechando o pódio.

Colectivamente, o Reboleira, colocando 4 atletas nos 11 primeiros, ganhou destacado com 29 pontos, sendo seguidos pelo Macedo Oculista e Porto Salvo que decidiram o 2º e 3º lugares por 1 ponto (67-68).


Quanto à minha prova, correu bem e bem melhor do que receei. Ontem não me poupei na Corrida Nauticampo, a que se juntou uma tarde de arrumações. À noite sentia-me cansado e, conhecedor das dificuldades deste percurso, cheguei a temer dificuldades que não apareceram pois corri com cabeça. E esse facto levou a que os 58.09 sejam, curiosamente, a 2ª melhor marca aqui, a seguir aos 55.28 de 2008 e melhores que os 58.29 de 2011 e 1.01.41 de 2010 (ano que, devido a obras, teve mais umas centenas de metros).
Para tal, fiz um primeiro quilómetro lento, comecei a impor algum ritmo no segundo, para a partir do 3º entrar na velocidade ideal que consegui levar até ao final. 
Essa táctica possibilitou fazer coincidir a melhoria de ritmo com a primeira subida, ultrapassando alguns colegas, o que tem o condão de me fazer crer que até sou melhor do que a realidade. E sabemos como os níveis de confiança são importantes para se vencer um percurso.

No final, fui entrevistado pela Saloia TV. Já há uns anos atrás, num treino da Corrida do Tejo, tinha sido entrevistado por outra televisão, conjuntamente com a Sandra. Nessa altura, balbuciámos umas coisas e após o final é que pensámos no que poderíamos ter dito. Pois hoje, aconteceu algo de similar. Aquela câmara parece uma arma apontada para quem não está habituado a estas andanças. Mesmo assim, penso que estive melhor do que da outra vez (ainda não vi a reportagem...), o que me leva a crer que com mais duas ou três já direi qualquer coisita de jeito!

No final, ainda aguardei para ver se era contemplado com os tais 10 euros para quem ficasse em lugares exactos de centena, única oportunidade para poder ter um prémio monetário, mas quedei-me pelo lugar 440. 
Enquanto esperava, aproveitei para estar à conversa com uma atleta que muito admiro, Margarida Dionísio, atleta que desde que corro, me habituei a vê-la dominar de forma arrasadora o Troféu de Oeiras

Esta foi a minha 4ª presença a correr, tendo estado como espectador na única edição que não competi. Foi em 2009 e fui agarrado às duas muletas naquela que foi a minha primeira presença como espectador numa prova após a fractura do pé.
Esta é uma corrida que não pretendo nunca faltar, até por uma questão sentimental. É que tive a honra de ser o 1º atleta a inscrever-se para a 1ª edição! Trabalho em Mem Martins e quando vi aparecer essa prova no calendário da Xistarca, nem pensei duas vezes, sem supor que iria assim ficar ligado à sua história. 
Como nunca conseguirei alguma vez ficar num primeiro lugar numa corrida, ao menos que seja rápido a inscrever-me!



Nota - Hoje não foi possível à Mafalda deslocar-se, não havendo assim as habituais fotos. 
  

Sporting em femininos, Benfica nos masculinos



Finalizou à pouco o Nacional de Pista Coberta disputado no Pombal, com a nota de maior destaque para o facto do Benfica ter terminado com a série de 16 títulos consecutivos do Sporting no sector masculino. 
Foi a 3ª vitória do Benfica, numa luta taco a taco com o Sporting, como se pode comprovar na classificação que está em cima na imagem (clicar nela para aumentar).
Pela 2ª vez, e consecutiva, a Juventude Vidigalense alcançou o 3º lugar.

No sector feminino, vitória folgada do Sporting, a 17ª em 19 edições, com o Benfica em 2º e a JOMA em 3º pela 5ª vez e 12ª presença no pódio. 

A 2ª divisão foi ganha pelo Braga (femininos) e Campismo de São João da Madeira (masculinos)

Recordo que o quadro de honra de todas as anteriores edições pode ser visto aqui.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Nauticampo a correr

Filipe, eu, Orlando, Sandra e Nuno, prontos para a prova, a aquecer ao sol!

Certame organizado todos os anos desde 1967, a Nauticampo em boa hora decidiu associar a prática da corrida à edição deste ano, fazendo nascer a Corrida Nauticampo.

Um dia bonito, um Parque das Nações muito agradável para se correr, um percurso aliciante (se descontarmos a parte de empedrado que massacra as pernas), uma organização impecável (como é hábito quando se tem a Xistarca), e uma resposta positiva de 601 classificados numa primeira edição, redundaram num sucesso a merecer continuidade.

O vencedor, Fábio Carvalho

Fábio Carvalho da Desmor despachou o percurso, que foi do empedrado ao alcatrão passando pela terra, em 30.42, sendo seguido a 8 segundos pelo seu colega de equipa Bruno Matheus. Ambos chegaram destacados e foi necessário esperar mais de 3 minutos para o 3º, honra que pertenceu a Pedro Arsénio do Vale Silêncio, logo seguido por mais dois atletas do Desmor que colocaram assim 4 corredores nos 5 primeiros lugares.

A vencedora, Pamella Oliveira

E foi também da Desmor que saiu a vencedora feminina, Pamella Oliveira que logrou 39.26 e um avanço de perto de 5 minutos sobre Carmen Pires dos Asas Milenium, seguida pela individual Alexandra Lamas.

Muito positiva a participação feminina, 111 atletas em 601, ficando perto da barreira dos 20 por cento, mais exactamente 18,5%

Com a sempre simpática e bem-disposta Luísa, na parte inicial da prova

A minha corrida saiu-me bem, realizei 54.55 o que se traduz na melhor marca deste ano. Ainda longe donde poderei chegar num pico de forma, mas a melhorar após alguns problemas.
Dei o que tinha para dar, não poupando forças para amanhã, onde irei à prova nada meiga mas muito simpática de Mem Martins




sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Nacional de Clubes em Pista Coberta - Estatística



Neste fim-de-semana vai decorrer em Pombal o Nacional de Clubes em Pista Coberta.
Esta é a 19ª edição deste campeonato que tem sido dominado em absoluto pelo Sporting que alcançou 32 dos 36 títulos disponíveis.

Em femininos, depois do Benfica vencer a edição inaugural, o Sporting conquistou 15 campeonatos consecutivos, sequência interrompida em 2010 com o título do Porto reforçado por uma legião de estrangeiras, vencendo novamente o Sporting no ano passado.

No sector masculino, após os 2 títulos iniciais do Benfica, o Sporting já conquistou 16, sendo que esta sequência está em aberto, podendo assim ser alcançado o 17º consecutivo este ano.
Porém, nesta edição prevê-se uma luta ponto a ponto entre os dois rivais lisboetas, com desfecho imprevisível.

De salientar que este campeonato pode ser visto em directo via internet no site da FPA
A transmissão, com comentários ao vivo, contará ainda com apontamentos de reportagem a partir da zona mista, levando a conhecer em primeira mão as reacções de atletas, técnicos e dirigentes.
Complementarmente, a FPA disponibiliza o sistema de LiveResults, onde se pode acompanhar os resultados actualizados minuto a minuto, ensaio a ensaio.

Estatística dos pódios das 18 edições já realizadas:




Total
Femininos
Masculinos

Sporting
32
2
1
16
1

16
1
1
Benfica
3
10
7
1
2
1
2
8
6
Porto
1
14
9
1
6
4

8
5
JOMA

7
7

7
4


3
Boavista

2
4

2
4



Belenenses

1
1




1
1
C.A.Madeira


3


3



Braga


2


2



Maia


1





1
Vidigalense


1





1


Quadro de honra feminino:

Ano
1994
Benfica
Boavista
Braga
1995
Sporting
Benfica
Boavista
1996
Sporting
Boavista
Benfica
1997
Sporting
Porto
Boavista
1998
Sporting
Porto
Boavista
1999
Sporting
Porto
C.A.Madeira
2000
Sporting
JOMA
Boavista
2001
Sporting
JOMA
Porto
2002
Sporting
JOMA
Porto
2003
Sporting
Porto
JOMA
2004
Sporting
JOMA
Porto
2005
Sporting
JOMA
C.A.Madeira
2006
Sporting
JOMA
C.A.Madeira
2007
Sporting
JOMA
Porto
2008
Sporting
Porto
JOMA
2009
Sporting
Porto
JOMA
2010
Porto
Sporting
JOMA
2011
Sporting
Benfica
Braga


Quadro de honra masculino:

Ano
1994
Benfica
Belenenses
Sporting
1995
Benfica
Sporting
Belenenses
1996
Sporting
Porto
Benfica
1997
Sporting
Porto
Benfica
1998
Sporting
Benfica
Porto
1999
Sporting
Benfica
Porto
2000
Sporting
Porto
Benfica
2001
Sporting
Porto
Benfica
2002
Sporting
Porto
Maia
2003
Sporting
Porto
JOMA
2004
Sporting
Porto
Benfica
2005
Sporting
Porto
Benfica
2006
Sporting
Benfica
JOMA
2007
Sporting
Benfica
Porto
2008
Sporting
Benfica
Porto
2009
Sporting
Benfica
Porto
2010
Sporting
Benfica
JOMA
2011
Sporting
Benfica
Vidigalense